Eduardo Cunha aceita acareação com empresário que o acusa

Cunha diz que as acusações são muito estranhas

Deu na Folha

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse nesta quinta-feira (16) que não se deixará ser “constrangido” e “fragilizado” pelo depoimento do empresário Júlio Camargo, da Toyo Setal. Em delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato, o executivo afirmou que pagou US$ 5 milhões em propina para o parlamentar.

Questionado se poderia fazer uma acareação com Júlio Camargo para falar “olho no olho”, Cunha afirmou que “fala com quem quer que for”.

“Eu não tenho dificuldade nenhuma de rebater quem quer que seja. Ele está mentindo e o delator tem que provar sua mentira. O ônus da prova é de quem acusa”, disse.

O peemedebista afirmou ainda que não irá alterar a gravação já feita para o seu pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão que fará na noite desta sexta-feira (17).

“Não vou fazer isso porque eu estou me pronunciando como presidente da Câmara sobre as atividades da Câmara. Não estou me pronunciando para fazer alusão ou defesa de fatos pessoais. Na medida em que eu for exercer a rede nacional para falar de fatos pessoais, eu estou aqui, perante vocês. E aqui é o foro para eu poder me defender”, disse, a jornalistas.

EMPRESÁRIO DENUNCIA

O nome do parlamentar surgiu quando o delator respondia ao juiz Sergio Moro se ele vinha sendo pressionado a pagar propina por meio de Fernando Soares, o Fernando Baiano, tido como operador do PMDB no esquema. Camargo contou que procurou o operador para intermediar um encontro com Cunha por causa de requerimentos apresentados na Câmara dos Deputados contra ele, Camargo, e contra a empresa Mitsui.

Pelo relato de Camargo, o peemedebista cobrou o valor para si quando afirmou haver um débito “entre você [Camargo] e o Fernando Baiano”.

“Tivemos um encontro o deputado Eduardo Cunha, Fernando Soares e eu. Eu fui bastante apreensivo. O deputado Eduardo Cunha é conhecido como uma pessoa agressiva, mas confesso que comigo foi extremamente amistoso dizendo que ele não tinha nada pessoal contra mim, mas que havia um débito meu com o Fernando do qual ele era merecedor de US$ 5 milhões”, relatou Camargo.

7 thoughts on “Eduardo Cunha aceita acareação com empresário que o acusa

  1. Tá difícil crer em político deste país, o Brasil não merecia que esta corja o comandasse, a maioria está envolvida em escândalo, é impressionante, agora o Eduardo Cunha, quer porque quer o parlamentarismo no Brasil, se lembro bem, o povo por meio do plebiscito já disse que não quer, porque esta insistência do presidente da câmara, qual o motivo, que interesse, é legal, depois de ser rejeitado pelo povo.

  2. O jornalista que propôs a ideia da acareação ao Cunha também fez ao Delator? Por que uma única via de questionamento?
    O encontro clandestino realizado na cidade do Porto está rendendo dividendos aos protagonistas, visando ganhar tempo para encontrar uma saída ao (des)governo Dilma.
    Até prova em contrário, acreditarei no Presidente da Câmara, neste caso específico.

    • Cunha está pagando o preço por ousar não ser subserviente ao poder Executivo. É patente o dedo podre petralha tentando desqualificar o presidente do Poder que pode botar na pauta um previsível processo de imprachment da presidente do Brasil. A casa caiu petralhas, aceitem que dói menos.

  3. Normalmente os políticos envolvidos em corrupção, aceitam fazer acareação porque sabem que não há provas, o dinheiro recebido nunca poderá ser rastreado, pois não são depositados em contas correntes, sempre são recebidos em espécie, então, fica o dito pelo não dito, a não ser que o delator tenha detalhado os valores em planilha, comprovando o pagamento.

  4. A acareação é como se diz: coisa para inglês ver. Um diz que pagou, o outro diz que não recebeu e fica por isto mesmo. Se provas, existirem, o STF manda vasculhar. Se as provas não têm consistência o STF retorna o pedido. O Cunha tem imunidade parlamentar e ele está baseado nesta imunidade, mas ele também não conhece o tamanho ou a extensão das provas. Não pensem que ele continua levantando às 6 da manhã. O Cunha não dorme mais.

  5. “O inimigo do meu inimigo é meu amigo”
    Pra mim é simples assim.
    Se ele conseguir derrubar esse desgoverno PTralha, seus pecados já serão absolvidos, em parte… rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *