Eduardo Cunha diz que Governo não deve se intrometer na eleição da Câmara

Em encontro com parlamentares mineiros, em Belo Horizonte, o candidato à presidência da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) defendeu que não haja “intromissão” do governo federal e da presidente Dilma Rousseff na eleição da nova direção da Casa. Apesar de ser do PMDB, partido aliado do Planalto, Cunha não conta com o apoio da bancada do PT, que deve lançar Arlindo Chinaglia (SP). O PSDB ainda não definiu quem apoiar.

“Espero que ela (Dilma) reconheça que, caso haja disputa, essa é uma situação do Parlamento. Não é uma questão de governo, não tem que haver de ninguém uma intromissão”, declarou o peemedebistas antes do encontro que reuniu cerca de 20 deputados mineiros de partidos como PP, PR, PSDB, PSC, PTN, PT, e de toda a bancada federal do PMDB mineiro.

Durante o encontro, o candidato à presidência afirmou que considera “inevitável” a instalação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) na nova Legislatura para investigar a corrupção na Petrobras. Apesar de admitir ter “abandonado” a atual CPMI, que segundo ele perdeu o sentido devido às delações premiadas prestadas por acusados à Justiça, após o teor dos depoimentos virem à tona é normal que o Congresso queira continuar investigando. “E a CPMI é automática e não depende do presidente da Câmara”, destacou Cunha, que negou ser um candidato de oposição ao atual governo. “Minha candidatura não é de oposição, tampouco é submissa. Queremos uma Câmara independente.”

VIAGENS PELO PAÍS

A agenda de Eduardo Cunha em Belo Horizonte foi a 25ª visita do peemedebista a capitais brasileiras desde quando teve oficialmente seu nome lançado pela bancada. Até o momento, ele conta com os apoios do Solidariedade e do PSC. Nos próximos dias, o DEM também deverá aderir.

Nesta sexta, antes do encontro com os deputados, Cunha esteve com o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), com o governador Alberto Pinto Coelho (PP) e com o governador eleito, Fernando Pimentel (PT). O deputado, porém, tratou as agendas como “pessoais”.

Dos colegas de Câmara, o peemedebista ouviu apoios e também ameaças ao governo federal. “Se o governo tiver juízo, ele vai apoiar o Eduardo. Ele saberá reconhecer que o PMDB é governo”, disse Saraiva Felipe.

 

4 thoughts on “Eduardo Cunha diz que Governo não deve se intrometer na eleição da Câmara

  1. Se todos foram comprados – há poucos dias -, está estampado no Diário Oficial na Nação pra quem quiser ver, como que o senhor acha que o parlamento será independente? Quando sentem a cor do dinheiro, elevam seus focinhos atrás do osso, como que cachorro.

  2. Estou emocionado com o espírito caridoso da Srª Marisa Rocco Lula da Silva ! O Instituto Lula soltou uma nota dizendo que aquela cobertura triplex não é do Lulla. A nota diz que a Dona Marisa é dona de cotas da Bancoop. Quanta bondade! Ela mandou trocar o piso por porcelanato, colocar um elevador privativo interno e fazer um espaço gourmet numa cota coletiva ! Até quando vão nos chamar de palhaços hem japonês ?

  3. Já se noticiou que mais de 100 agentes públicos, ministros, governadores, deputados e senadores estão prestes a serem indiciados pelo Ministério Público Federal.

    Sei não…

    O conteúdo da matéria, nos parece o pescoço tentando dialogar com a guilhotina… antes que a lâmina despenque.

Deixe uma resposta para Eduardo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *