Efeito vacina? Maioria dos mortos no Brasil já está no grupo com menos de 60 anos

Crédito:  Ueslei Marcelino

Diante do Congresso Nacional, a homenagem às vítimas

Deu na IstoÉ
(Estadão Conteúdo)

Embora a maioria dos brasileiros vítimas da Covid ainda seja idosa, pela primeira vez desde o início da pandemia a maior parte dos novos óbitos registrados no País não ocorre mais neste grupo. É o Efeito Vacina? Há controvérsias.

Dados tabulados pelo Estadão no Sivep-Gripe, sistema do Ministério da Saúde que registra internações e óbitos por covid, mostram que 54,4% das vítimas mortas em junho tinham menos de 60 anos. Em maio, esse índice era de 44,6%. Em todos os meses do ano passado, esse porcentual ficou sempre abaixo dos 30%.

SERÁ A VACINA? – O início da vacinação dos idosos em janeiro ajuda a explicar o fenômeno, mas não é a única razão. Segundo especialistas, o desrespeito a medidas de proteção e a disseminação de novas cepas – potencialmente mais agressivas – podem estar causando maior vitimização de jovens. O alerta vale até para adultos que não possuem comorbidades.

A proporção de vítimas sem fatores de risco – menores de 60 anos e sem nenhuma doença crônica – mais do que dobrou desde os primeiros meses. De acordo com o levantamento do Estadão, 20,7% de todos os mortos por covid em junho tinham esse perfil. No mesmo mês do ano passado, esse índice era de apenas 7,75%.

EM VIÉS DE ALTA – Em números absolutos, já há nova tendência de crescimento de vítimas entre pessoas de 0 a 59 anos desde a semana epidemiológica 20, que começou em 16 de maio.

Ao mesmo tempo, a curva de vítimas idosas vem mantendo queda sustentada. Enquanto em 2020 a maioria das vítimas tinha mais de 70 anos, em junho de 2021 a mediana de idade dos mortos é de 58.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Embora a matéria coloque em dúvida que essa modificação etária seja por causa da vacina, é claro que a imunização dos mais idosos está fazendo efeito e salvando vidas. E o imbecil do ministro da Saúde, só para bajular Bolsonaro, ainda tem a desfaçatez de criticar a vacina Coronavac. Esse cara é um pústula, como se dizia antigamente. (C.N.)

4 thoughts on “Efeito vacina? Maioria dos mortos no Brasil já está no grupo com menos de 60 anos

  1. ATENÇÃO ATENÇÃO
    VACINAÇÃO UNIVERSAL ANULADA.
    Uma grande vitória para a liberdade, a Suprema Corte derrubou a vacinação universal.
    Os especialistas americanos em doenças infecciosas Bill Gates, Antoni Fauci e Big Pharma perderam uma ação judicial na Suprema Corte dos EUA, não conseguindo provar que todas as suas vacinas nos últimos 32 anos eram seguras para a saúde dos cidadãos!

    O processo foi iniciado por um grupo de cientistas liderado pelo senador Robert F. Kennedy Jr. que disse: “A nova vacina Covid deve ser evitada a todo custo.

    Chamo urgentemente sua atenção para questões importantes relacionadas com a próxima vacinação Covid-19.

    Pela primeira vez na história da vacinação, as chamadas vacinas mRNA de próxima geração interferem diretamente no material genético de um paciente, alterando assim o material genético individual, que é a manipulação genética, que já era proibida e anteriormente considerada um crime. .
    A vacina contra o coronavírus não é uma vacina, lembre-se!
    O que sempre foi uma vacina? Foi sempre o próprio patógeno, um micróbio ou vírus que foi morto ou atenuado, ou seja, enfraquecido, e introduzido no corpo para produzir anticorpos.
    Não é sequer uma vacina contra o coronavírus! Não é só isso! Faz parte do mais novo grupo de mRNAs (mRNAs), supostamente “vacinas”. Uma vez dentro de uma célula humana, o mRNA reprograma o RNA e o DNA normal, que começa a produzir outra proteína.
    Em outras palavras, nada como as vacinas tradicionais! Em outras palavras, é um instrumento de influência genética, é uma arma genética!
    Em outras palavras, eles iriam destruir os terráqueos e os sobreviventes iriam se tornar OGM.
    Como resultado das vacinas sem precedentes do mRNA, as pessoas vacinadas não serão mais capazes de lidar com os sintomas da vacina.
    As pessoas vacinadas terão que aceitar as conseqüências, pois não podem mais ser curadas pela simples remoção das toxinas do corpo humano, tais como uma pessoa com um defeito genético como a síndrome de Down, a síndrome de Klinefelter, a síndrome de Turner, a insuficiência cardíaca genética. (por exemplo, hemofilia, fibrose cística, síndrome de Rett, etc.), porque o defeito genético é eterno!
    Isto significa claramente: se um sintoma de vacinação se desenvolver após a vacina do mRNA, nem eu nem qualquer outro terapeuta poderemos ajudar, pois os danos causados por este tipo de vacinação serão geneticamente irreversíveis.
    Grande Daems

    https://1scandal.com/etats-unis-la-cour-supreme-annule-la-vaccination-universelle/

  2. Che, a informação acima postada por José Roberto, me chamou à atenção!

    Mas, como tem sido frequente a publicação de fake news por bolsonaristas e/ou lulistas, fui pesquisar a respeito, pois se trata de algo bombástico, que afetará a campanha de imunização no mundo!!

    Não demorei muito para encontrar notícias absolutamente opostas à publicada acima, altamente prejudicial e lesiva à saúde pública.

    “Juízes dos EUA pedem prioridade na vacinação contra o coronavírus.”
    (João Osório de Melo)
    Consultor Jurídico

    https://www.conjur.com.br/2021-jan-01/juizes-eua-pedem-prioridade-vacinacao-coronavirus

    Sem qualquer polêmica, os ministros da Suprema Corte dos EUA foram incluídos na lista de “prioridade um” para receber a vacina contra o coronavírus. Entraram nessa lista as mais altas autoridades do Judiciário, Executivo e Legislativo, bem como profissionais da saúde na linha de frente de combate à Covid-19.

    A inclusão dessas autoridades no grupo de prioridade um foi justificada pela necessidade de preservar a continuidade do governo.

    Agora, juízes federais e estaduais estão pressionando seus respectivos governos e órgãos de saúde para incluí-los na lista de “prioridade dois”, juntamente com servidores do Judiciário, advogados e promotores, para que o sistema judicial volte a funcionar normalmente.

    Afinal, o Departamento de Segurança Nacional identificou como “trabalhadores essenciais para a infraestrutura crítica” os “trabalhadores que dão suporte às operações do sistema judicial, tais como juízes, advogados, promotores e outros que atuam nos tribunais”.

    Em cartas a governadores e autoridades dos órgãos que definem as prioridades, os juízes argumentam que o sistema judicial nunca parou de operar por causa da pandemia, mas teve de suspender as operações presenciais para minimizar o risco de exposição ao coronavírus.

    Não foi possível operar de forma inteiramente remota, mas também não foi possível parar de funcionar. Houve atrasos em julgamentos e isso está mantendo réus nas cadeias por mais tempo do que deviam. E os operadores do Direito sentem que a justiça está falhando, ao se tentar funcionar apenas online.

    Desde que a vacina da Pfizer foi aprovada em 11 de dezembro, os presidentes dos tribunais superiores dos estados empreenderam uma campanha, através de cartas a governadores e autoridades que organizam a distribuição da vacina, para explicar a necessidade de o Judiciário voltar a operar normalmente.

    No âmbito do Judiciário Federal, a iniciativa foi tomada pelos próprios juízes dos tribunais, porque o sistema tem um escritório central em Washington, que não tem capacidade para fazer a campanha em favor de todos os juízes e servidores públicos em todos os estados.

    Por isso, os presidentes dos tribunais federais em Wisconsin escreveram uma carta ao governador Tony Evers, pedindo que os servidores do Judiciário Federal sejam considerados trabalhadores essenciais e lhes seja garantida a mesma prioridade dos juízes e servidores estaduais.

    Na carta, eles esclareceram que não estão pedindo para furar a fila. Mas pediram que as autoridades governamentais e do sistema de saúde considerem as necessidades do Judiciário Federal, ao estabelecer prioridades para a vacinação.

    “Não pedimos tratamento especial, mas o Judiciário Federal não dispõe de meios para fornecer a vacina a seus servidores. A vacina terá de chegar a nós através dos programas estaduais. Por isso, fazemos o pedido.”

    O diretor do Escritório Administrativo dos Tribunais dos EUA, James Duff, pediu ao CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) para incluir o Judiciário Federal no grupo de prioridade dois, que inclui outros profissionais de saúde, policiais, bombeiros, professores e trabalhadores de mercados alimentícios. Na lista inicial do CDC, a comunidade jurídica, de uma maneira geral, entrou no grupo de prioridade três.

    Os presidentes dos tribunais federais no Texas pediram ao governador Greg Abbott para colocar os juízes na lista de prioridades, porque as cortes estão funcionando como podem remotamente, mas tiveram de suspender julgamentos durante a pandemia. O trabalho remoto não é suficiente para realizar todas as operações da corte. E há muitas situações em que os juízes não têm alternativa senão realizar audiências presenciais, escreveram.

    Na Califórnia, os presidentes dos tribunais federais enviaram carta ao governador Gavin Newsom, informando-o de que centenas de julgamentos criminais foram adiados e muitos réus estão presos há mais de um ano, porque as cortes não conseguem fazer seu trabalho. E já há um grande acúmulo de processos.

    Também na Califórnia, os defensores públicos enviaram carta ao governador, pedindo que ele coloque os presos na lista de prioridade que for possível — e os advogados que os representam. Argumentaram que os presos não conseguem cumprir as regras para impedir a disseminação do coronavírus, como o distanciamento físico, e infectam as pessoas que lidam com eles, como advogados e carcereiros, que podem trazer o vírus para fora das prisões.

    Outra notícia diz o seguinte:

    https://g1.globo.com/bemestar/vacina/noticia/2021/05/05/eua-expressam-apoio-a-suspender-patentes-de-vacinas-anticovid-oficial.ghtml

    “Estados Unidos anunciam apoio a suspensão de patentes de vacinas contra Covid.

    Governo de Joe Biden afirma que objetivo é auxiliar na aceleração de produção e distribuição de imunizantes no resto do mundo, agora que doses para os cidadãos de seu país já estão asseguradas. ‘Trata-se de uma crise sanitária mundial e as circunstâncias extraordinárias da pandemia exigem medidas extraordinárias’, diz representante comercial dos Estados Unidos.”

    O que me foge à compreensão, e me obriga a classificar esse tipo de informação como extremamente mal intencionada e de má fé, é a tentativa de “salvar” Bolsionaro da sua irresponsabilidade com relação à pandemia!

    Seus robôs pouco se importam com a saúde das pessoas.
    Se mais pessoas ainda vão morrer, por causa desse tipo de contrainformação danosa e criminosa não importa.
    Bolsonaro deve ser exaltado e enaltecido por “avisar” o povo que poderia virar jacaré, caso tomasse a vacina!

    O robô José Roberto mostra o quanto os bolsonaristas detestam mesmo a população, conforme venho escrevendo, pois ter a audácia de postar um artigo como o que foi registrado, só mesmo sendo máquina porque ser humano algum iria defender um criminoso em detrimento de milhares de vidas!!!

    Vergonhosa a tua participação neste blog, José Roberto, robô bolsonarista, sectário, adorador de homens, e bandidos!

    Por outro lado, acreditar na imprensa francesa, das duas uma:
    ou ingênuo ou dono de uma personalidade doentia, que sequer procura saber se é verdade ou não o que publica!

  3. Há um outro lado nessa questão. Vários cientistas já alertaram os gestores públicos sobre os perigos da vacinação em massa. Segundo esses especialistas (tem até premio Nobel), a vacinação em massa durante a pandemia induz o aparecimento de cepas mais resistentes, um princípio chamado de “escape imunológico”. Sendo verdade, o aumento de mortes entre pessoas mais jovens pode ser debitado na conta de novas cepas surgidas na luta pela sobrevivência (teoria da evolução) contra as vacinas. É claro que o sistema (big-tech / big-pharma / nova ordem) está censurando descaradamente essas opiniões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *