Eike Batista fica numa “cela faxina” com cinco presos que trabalham no presídio

Eike Batista teve seu cabelo raspado no presídio Ary Franco

Lucas Vettorazzo, Italo Nogueira e Luiza Franco
Folha

O empresário Eike Batista foi transferido para a cadeia pública Bandeira Stampa, também chamada de Bangu 9, no Rio. Preso na manhã desta segunda (30) na pista do aeroporto do Galeão, no Rio, ele havia sido inicialmente levado para o presídio Ary Franco. A cadeia de Ary Franco, localizada na zona norte do Rio, funciona como unidade de triagem do sistema. O empresário teve o cabelo raspado e foi transferido para a unidade de Bangu 9 no início da tarde.

Bangu 9 é uma das mais novas prisões do sistema do Rio, mais limpa e menos violenta que a maioria das unidades. Segundo relatório do Ministério Público, Bangu 9 tem capacidade para 540 presos, mas abriga 657 atualmente. A cadeia opera com 120% de sua capacidade. Eike deve ficar numa cela chamada “faxina”, que é onde ficam os presos que trabalham no presídio. O empresário deve dividir cela com outros cinco detentos.

Segundo a Folha apurou, não há no local facções dominantes. Estão misturados presos suspeitos de integrar milícias, policiais que cometeram crimes e alguns traficantes da facção Terceiro Comando.

DEPOIMENTO – De acordo com a Polícia Federal, Eike não prestou depoimento porque é alvo de um mandado de prisão preventiva. Como não tem prazo para sair da cadeia, a PF afirma que ele pode ser convocado a depor a qualquer momento. Investigadores ouvidos pela Folha dizem que o empresário pode colaborar mais com as autoridades após ver as condições do presídio em que ficará.

A defesa de Eike Batista enviou petição à Justiça Federal em que manifesta preocupação com a integridade física do empresário, caso ele seja colocado em cela comum.

Em documento protocolado na última sexta (27) na Justiça Federal, a defesa pede que ele seja segregado do convívio com presos comuns, embora o empresário não tenha nível superior completo — sem direito, portanto, à cela especial.

“USINAS DE REVOLTA” – A defesa pede que Eike não seja posto junto à “grande massa carcerária” e critica o sistema, alegando que as penitenciárias se transformaram em “verdadeiras usinas de revolta humana”.

Como Eike é pessoa com história e fortuna conhecidas, há preocupação de que ele possa sofrer violência na cadeia. “O peticionário, embora com cursos técnicos no exterior, não possui nível superior completo, o que, consoante às leis de execução penal ora vigentes, impõe seu encarceramento conjuntamente com a grande massa carcerária.”

“É notório que o requerente é empresário, com notória visibilidade no país, de forma que seu encarceramento deste modo, em estabelecimento penal em conjunto com diversas pessoas com conhecimento de sua então vida social e financeira, coloca sua integridade física em risco e torna iminente a ameaça à sua vida”, afirma a defesa.

CELA ESPECIAL – Segundo a legislação brasileira, presos que aguardam julgamento têm direito à cela especial caso tenham nível superior completo. É o caso do ex-governador Sérgio Cabral, que aguarda julgamento em cela especial de Bangu 8, e tem diploma de jornalismo. Mas em sua biografia, “O X da questão” (Editora Primeira Pessoa/2011), Eike revela não ter concluído um curso de engenharia na Alemanha, onde viveu parte da sua juventude.

Havia a preocupação da defesa que Eike ficasse preso em Ary Franco. Construída no fim dos anos 1970, a unidade é conhecida pelas péssimas condições sanitárias e superlotação – presos convivem com ratos, morcegos e baratas em celas muitas vezes no subsolo. A Folha apurou que cerca de 2.000 presos dividem celas na unidade, que tem capacidade para 968 detentos.

“É público e notório que o sistema carcerário no Brasil está falido. As recentes notícias no tema em comento provam que as penitenciárias se transformaram em verdadeiras ‘usinas de revolta humana’, uma bomba-relógio que o judiciário brasileiro criou no passado a partir de uma legislação que hoje não pode mais ser vista como modelo primordial para a carceragem no país”, diz a petição da defesa.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGComo se vê, a negociação foi bem feita, embora insistam em dizer que não ocorreu. Virou um disse-me-disse danado, que parece pegadinha ou tentativa de Piada do Ano, mas não tem graça. (C.N.)

28 thoughts on “Eike Batista fica numa “cela faxina” com cinco presos que trabalham no presídio

  1. Parece aquela propaganda de shampoo : Vocês viram o meus cabelos ? Não são mais os mesmos….. Picareta quero saber quanto tungou do BNDES, já que a presidenta já processada, do BNDES tornou a questão em mais um segredo de Estado.

    • A partir do “Diário de Notícias” (1956/1962) e depois já na “Tribuna da Imprensa”, Eliezer era personagem quase diário.
      O roubo das jazidas de manganês do Amapá, assunto exclusivo deste repórter, ninguém participava, Eliezer era tão GENEROSO com os jornalões, como foi depois com o filho. O Brasil era o maior produtor de manganês do mundo. Como era de outros minérios, todos controlados por ele, presidente eterno da Vale.
      Eliezer devastou o Amapá, entregou todo o manganês aos americanos, a “preços de banana” (royalties para o presidente dos EUA, Theodore Roosevelt, que inventou essa expressão para identificar os países debaixo do Rio Grande. Isso em 1902).

  2. bão, essa istória de não ter curso superior já está sendo superada: ele já recebeu o trote (cabeça raspada) indicando que passou no vestibular (atual (ne) ENEM…daqui a 4/5 anos estará deplomado e transferido para uma cadeia zen…

    • Newton,
      você leu sobre a canadense que passou hora e meia na cirurgia exploratória sem anestesia geral, porque, como se costuma dizer, a anestesia ‘não pegou’?

      Esqueci o nome dele agora, a memória como sempre, mas ele foi… lembrei! – Fritz Utzeri! – passou pelo mesmo drama. Só que, no caso dele, um médico percebeu o que ocorria antes de muito sofrimento.
      Não sei onde anda o Utzeri, mas ele, se vivo for, pode contar a história.

      Outra coisa pra você perguntar ao Dr. Béja: após o julgamento e condenação não há direito à prisão especial pra quem tem curso superior. Ela existe antes da condenação, do julgamento. Uma vez condenado, perde-se o direito ao benefício, seja quem for.

      Por fim: ninguém vai comentar nada sobre a cirurgia do Romário?
      Sei que é um blog político, mas aqui também se fala de outras coisas.

  3. Pode ser, mas, no momento:

    Hora de aprender umas coisinhas…
    Que dinheiro nao é tudo na vida,
    que dinheiro “demais da conta” é a pior conta,
    e respeito, nem todos são cascas de ovos sobre os quais se pode pisar…
    E, principalmente, nunca mais por um X nas coisas…

  4. Cela melhor, separada para quem tem grau superior é elitismo. Todos são iguais perante a lei.
    O preso só deve ter direito a cela separada, se pelo cargo que ocupava houver risco de represálias dos demais presos, como policiais e quem ocupava cargos públicos de grande evidência.
    Se um traficante violento tiver grau superior, terá direito a uma cela separada e melhor?
    A seleção para separar os detentos deve ser para todos os detentos de acordo com grau e violência do crime..

  5. Pois é, todos os focos da grande imprensa estão voltados para a lava jato e desvios de entendimento desta operação …. Enquanto isso, o outro Brasil vai padecendo..O país parou para ver o que vai acontecer com estes vagabundos. Ganharam notoriedade. O que deveria , mesmo, ganhar notoriedade pela imprensa é a inercia dos.governos nas 3 esferas …. Alguns setores da imprensa, no meu modesto entender, só ganham com esta desgraça que assola o país. Quem seriam os principais patrocinadores da imprensa falada e escrita? Enfim, uma imprensa vendida. Por isso, há muito, leio a TI.. Pois é aqui que faço meu juízo. Seja com os excelentes colunistas, seja pelos comentários que ,aqui,.. Leio. Abraço

  6. Eike teve relação umbilical com Lula, Dilma, Cabral, dentre outros poderosos caciques da imensa quadrilha PMDB-PT.

    Torço para que comece logo a abrir o bico, entregando a turma toda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *