Eike Batista: na Lagoa, a mortandade da credibilidade

Falou tanto que ia limpar a Lagoa, sem resultado algum. Agora, as chamadas “algas tóxicas”, que provocam essa tragédia há dezenas de anos, voltaram. Além do sofrimento para quem mora em volta de um dos lugares mais bonitos do Rio, a desmoralização do “amestramento” jornalístico.

Esses amestrados batem palmas até para o enterro de peixes. Enterro? Mas não foi o próprio Eike que “matou” os peixes, perdão, que afirmou que não havia mais mortandade?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *