‘El día triste’ do Brasil: o golpe parlamentar foi consumado

0

Ilustração do Duke (O Tempo)

Leonardo Boff
O Tempo

E aconteceu que, naqueles dias, sicários se travestiram de senadores, em grande número, não todos, e decidiram atacar uma dama honrada e incorruptível, que lhes cortava o atalho para chegarem ao poder de Estado. A partir do Estado iriam fazer o que sempre fizeram: aproveitar-se dos bens públicos para autoenriquecimento, escapar desesperadamente do braço da Justiça e levar avante sua situação de privilégio, sempre à custa do povo pobre que eles querem manter longe, nas periferias, um exército de reserva, útil para seus serviços quase à moda de escravos.

Sangraram a dama incorruptível e honrada sob o pretexto de que práticas fiscais suas eram crime, coisa que os maiores especialistas em direito e economia, bem como instâncias oficiais, negaram. Criaram uma farsa e rasgaram a Constituição. Cassar uma presidente sem crime comprovado é um golpe. “Golpe parlamentar”, esse é o termo certo que tem que ser usado.

Eles se mostravam faceiros, farisaicamente dizendo que se sentiam mal, mas falando que inauguravam “uma era, uma nova primavera, o começo de um novo Brasil próspero e justo”. Mentira!

PONTE PARA O ATRASO – O plano “Uma ponte para o futuro”, na verdade, é uma ponte para o atraso porque tenta desmontar os avanços que os trabalhadores, as mulheres, os negros, os povos indígenas, a população LGBT, os pobres e feitos invisíveis alcançaram, pela primeira vez em nossa história, no âmbito da inclusão social, dos salários, da saúde, da educação, das leis trabalhistas, das aposentadorias e de acesso ao ensino técnico e superior. E o mais grave: querem mantê-los no analfabetismo porque assim ficam silenciados e incapazes de reclamar direitos e dignidade.

Agora é o mercado que conta. Quem quer saúde, que vá ao mercado e pague. Quem quer estudar na universidade, que vá ao mercado e pague. Todas as coisas virarão mercadoria a serem vendidas e compradas. Compra-se dignidade? Compra-se solidariedade? Paga-se pelo amor? Não importa. São coisas que para eles não entram na contabilidade. Mas alguém pode viver e ser feliz sem tudo isso?

“LA NOCHE TRISTE” – Houve, nos primórdios da conquista e dominação do México, em 1520, “la noche triste”, quando grande parte do exército espanhol foi dizimada. Hoje, em 2016, temos “el día triste”, no qual uma presidente foi injustamente apeada do poder conquistado pelas urnas.

Pelos espaços do Senado e nos corredores há sangue derramado. Uma “noche política triste” caiu sobre o Brasil, tirando a esperança dos que saíram da miséria e que correm o risco de novamente cair nela.

E todos os que lutaram para que se consolidasse a democracia de cunho social e que se respeitasse a vontade popular, expressa nas urnas, foram novamente traídos. Este dia é o dia dos “longos punhais” que sangraram a dama honrada e feriram gravemente a soberania popular.

DIA DA TRISTEZA – O dia 31 de agosto é o dia da tristeza. Os que tramaram esse teatro e os senadores-sicários levarão a pecha de golpistas e farsantes pela vida afora. A consciência os perseguirá, e sua memória será pulverizada. A vontade de condenar não substitui a razão que se orienta pela verdade. Eles atropelaram a verdade sob o manto da injustiça. Estarão numa sinistra companhia, a daqueles que, anos atrás, assaltaram o Estado, oprimiram o povo, torturaram, como fizeram com a presidente Dilma, e assassinaram tantos que buscavam a restauração da democracia.

E, no entardecer da vida, enfrentarão um Juiz maior que desvelará toda a injustiça que conscientemente cometeram.

19 thoughts on “‘El día triste’ do Brasil: o golpe parlamentar foi consumado

  1. Leonardo Boff, um intelectual ilustre, erudito, verdadeiro, realista, muito culto, importante, pensador fecundo, crítico propositivo, da Esquerda Cristã, foi desintelectualizado, já há algum tempo, pela cooptação do PT, que o convenceu que a quadrilha esquerdista (no pior sentido da qualificação de Lênin), onde se incluem suas forças auxiliares – PC do B, PSOL e REDE – seriam verdadeiros socialistas democratas. Como frade o é. Lamentável.

  2. Não adianta chorar Bofe, a mamata acabou. Não tem mais grana fácil. Aproveita e vai procurar um emprego. Esqueci, não tem mais empregos, porque a cambada do PT acabou com o Brasil. O jeito é chorar mesmo.

  3. Não se pode esperar nada de uma pessoa como Boff. Mas esperava mais do Tribuna da Internet. Sinceramente não entendo como este canal ainda pública essa porcaria vomitada de uma cabeça doente, um cérebro putredo, tomado pelo pior vírus que já infectou a humanidade… o Comunismo.

    • Prezado Caio, você não reclamou de termos publicado o artigo de Percival Puggina, que é anticomunista. Este blog não pretende se transformar num samba de uma nota só (Tom e Newton Mendonça). Pessoalmente, sou comunista, seguidor dos ensinamentos sociais de Lao Tsé, Buda, Sócrates e Jesus Cristo, mas aceito que as outras pessoas não o sejam.

      Abs.

      CN

      • Fico com o editor! Não concordo com uma palavra escrita do boff e de outros esquerdopatas! Mas é importante que a gente tenha até mesmo um pouco de paciencia e leia! Isso até mesmo ajuda a reforçar as minhas(nossas) convicções!

  4. Caros, nunca comentei aqui, mas hoje os textos estão sensacionais.
    Começando pelo poema do Chaplin, explicando a vida. Passando pelo texto do Percival explicando o PT e seus seguidores e por último este texto(permitindo o contraditório), confirmando o texto anterior do modos operandi dos ditos esquerdas/progressistas.
    Excelente, entendi tudo.
    Parabens pelo site.
    Att
    Hamilton

  5. Esse fuleragem pensa que somos abestados, em que mundo ele vive?A Orcrim acabou com nosso país, a louca , uma pessoa que mente , rouba , assalta, desrespeita os outros com palavrões e esse fuleragem dizer que é uma mulher honesta. Vê se eu aguento. Vai trabalhar vagabundo.

  6. Prezado Caio. Democracia é assim,o contraditório tem que se manifestar,caso contrário vira ditadura, principalmente da mentira…
    As vezes,Eu,também não gosto e não acho lógicos os comentários do padre vermelho Boff. Também, do Puggina. Nas eleições passada p\prefeito-POA
    seu Puggina andava de mãos dada c\comunista Manuela D’Vila do PCB…

    • Temos de perguntar a Ele, amigo Luchetta. Posso estar enganado, é claro, mas acredito que Ele não deve estar nada satisfeito com nosso sistema de vida.

      Abs.

      CN

      • Quisera eu, Newton (ou nós todos) que Deus nos respondesse com SIM ou NÃO. Cristo falava por parábolas e cada um que a traduzisse conforme seu entendimento pessoal.

        Ontem mesmo assisti no STUDIO Universal ao filme-documentário SENNA. Por que Senna corria? Em primeiríssimo lugar tinha paixão pela máquina, pela adrenalina da corrida. Dinheiro, fama, ser amado pela torcida estão em segundo plano.

        Houve uma vez em que Senna completou a prova no Brasil com o câmbio emperrado na sexta marcha. Impossível vencer? Ele venceu, embora ao final da corrida tivesse desmaiado e as dores no corpo, especialmente nos ombros fizesse com que Senna dissesse a todos que se aproximavam: “Não toque em mim!, não toque em mim!”

        Esse nosso jovem ídolo estava em dúvida se corria ou não o circuito de Imola, sua derradeira prova. O carro da Williams não vinha bem, Senna aparece reclamando das modernidades eletrônicas introduzidas na F1, que faziam do piloto um chofer, grosseiramente comparando; o resto, o carro tratava de resolver sozinho. E o dele nem isso estava fazendo bem.

        Senna havia presenciado acidentes mais graves e menos graves na mesma pista antes da sua corrida final. Não se mostrava animado em correr, mas disse em alguma parte do filme, não sei se introduzida fora de ordem, ‘não posso parar’.

        E católico que era, diz o filme (não mostra a cena) que ele abriu a bíblia em uma página ao acaso, buscando uma resposta sobre se deveria correr ou não. A resposta teria sido algo como se Deus fosse seu prêmio, mais ou menos isto, minha memória enguiça, vocês já sabem.

        Senna morreu. Se a barra que bateu na cabeça dele o tivesse atingido um pouco mais pra baixo ou mais pro lado ele teria deixado a pista de Imola caminhando, foi o que disseram os especialistas. Não foi assim que aconteceu, Senna deu seu último suspiro ainda na pista, não sei se já deitado no chão, como o colocaram. Morreu aos 34 anos, um corpitcho com tudo em cima.

        Confesso que cheguei a pensar na época que Senna havia se matado porque encontrara em Schumi um rival talentoso quase impossível de bater com a Williams que tinha nas mãos.

        Pois é, Senna morreu, Schumi ganhou vários campeonatos, não lembro quantos. Mas quis a vida, não vou dizer que foi Deus, parece uma acusação, que o piloto alemão sofresse um grave acidente de esqui que levou sua capacidade de dirigir, falar, se movimentar, para o espaço.

        ‘Parábola’, se fosse uma, difícil de entender.
        Enquanto isso, no túmulo de Senna uma frase insiste que nada o apartará de Deus.

        Por isso, Newton, não devemos perguntar a Deus o que devemos fazer. Devemos é fazer. O que virá depois, como costumam dizer os que professam o espiritismo, ‘é merecimento’, Desta e de outras vidas.

        Eu não sei de nada. Apenas acredito em Deus. Porque ele é como a democracia, ainda não inventaram nada melhor.

  7. Leonardo Boff abdicou do catolicismo se algum dia foi católico,para abraçar a religião do lulopetismo.

    A seguir uma pequena mostra do que foi a sua “dama incorruptivel e honrada” dilma vana rousseff, a terrorista que lutou para instalar a ditadura do proletariado.

    Como membro da VAR Palmares não há dúvida que participou do planejamento do bárbaro crime (assassinato do soldado Mario Kosel Filho, em São Paulo) e não se arrependeu nem um pouco, não sentiu remorso algum como nenhum comunista sente em parte alguma do mundo.

  8. Concordo com Marcelo Câmera, portanto acrescentarei apenas um detalhe que é um fato notório: A lavagem cerebral é um vírus altamente agressivo que é capaz de reverter, com raras exceções, mesmo os intelectuais mais ilustres.

  9. Boff é o tipo de gente que não se percebe fora do palco. Aqui em Petrópolis ele e sua companheira são aturados por questões de conveniência social. Chato que só ele e ela uma caridosa com o chapéu alheio, fazem desse missal humanístico o ingrediente para preparar cada vez mais jovens afastados que estão dos valores familiares e religiosos, e com isso conseguem captar os recursos financeiros para implementar os programas sociais paralelos e, assim, empregar a companheirada no CDH. A missa ia lenta, na liturgia do padre comunista, até soltar a pérola “uma dama honrada e incorruptível”. A quem pretende enganar? A si, claro! Não creio que pessoas não pertencentes aos quadros vermelhos leiam essa missiva com seriedade, mas é importante que saibamos como pensam eles. Quem conhece Boff de perto sabe que é uma cabeça privilegiada, mas está adoentada com a mediocridade e o amadorismo dos seus representantes no projeto de poder, aos moldes de Gramsci.

  10. Eis ai,outra vez,o sr. Leonardo boff equilibrando-se no muro,entre a democracia e a futura ditadura comunista, que o pessoal do pt tanto sonhou. Leonardo boff tem o dever de ser intelectualmente honesto e declarar-se comunista. Não adianta querer passar por um homem preocupado com os pobres,os marginalizados,os deserdados,se para defendê-los tem de fazer coro com um partido que tem todas as características dos governos comunistas:defensores do pobres,discursos agressivos contra as injustiças,vestem-se de vermelho para realçar sua revolta contra as elites mas,em todos os casos que se conhece no mundo,chegaram ao poder defendendo os pobres e se perpetuaram no poder com mão de ferro contra a liberdade deconsciência e de livre expressão do pensamento. Como um cristão,sou contra o discurso dos comunistas e daqueles que jamais pensaram nos pobres. Comunistas, jamais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *