Ela manda no jogo e é a mais querida das multidões, até mesmo em tempo de pandemia

Varzim perde (1-0) em Coimbra e cai para a zona da despromoção ...

Ilustração reproduzida do Arquivo Google

Vicente Limongi Netto

Sou linda. Amada no mundo todo.  Bem feita. Colorida e feliz. Sou famosa como a Bíblia e aquela marca de refrigerante. Onde chego todos se encantam. Mesmo nesta quadra tenebrosa da pandemia, não fazem nada sem mim. Costumo ser tratada como rainha.  Com carinho , deferências e cuidados especiais. Faço o espetáculo. Encarno a festa e a alegria.

Alguns abusam da minha beleza. Levo sustos e pontapés.  Mas a maioria me trata com devoção e amor. Costumo ser beijada e mandada para longe, em algumas comemorações.

SOU UMA DEUSA – Em todo lugar me sinto em casa. Sou respeitada. Sabem o perfume que gosto. Alguns até querem dormir comigo. Quando soa o apito, todos querem ficar comigo. No apito final, geralmente sou levada para casa por algum admirador.  Sou deusa morando em galerias, museus e bem avaliada por colecionadores.

Mesmo sem torcida, como agora, conquisto multidões. Dou as cartas tanto como o cidadão de preto. Faço parte do amplo cenário de luzes, redes, pernas, uniformes, cadeiras, balizas e autofalantes.

Voltei do descanso forçado. Na minha ausência, apareceram máscaras, testes e recomendações médicas. Mas continuei necessária e inabalável.  O perigo tomou conta do mundo. Em épocas normais, trabalho muito. Os calendários não dão sossego. Enxuta ou molhada não ligo para a tristeza. O futebol não existe sem mim.

PUNIÇÃO AO TORCEDOR – Birra do Flamengo com a Globo, além de presunçosa e temerosa, pune, também, o torcedor. Em todo o Brasil. Mas cedo ou mais tarde os sábios dirigentes do Mengão terão que recuar na colossal asneira. Como se fosse pouco, para quem gosta de bons espetáculos de futebol, ter que recorrer a canais do Youtube.

A emoção não é a mesma. Nunca será. Outro agravante, com estádios vazios, por causa da pandemia do coronavírus. Há quem diga e defenda que é uma temeridade reiniciar campeonatos nesta quadra perigosa. Arrisca-se a vida sem necessidade.

6 thoughts on “Ela manda no jogo e é a mais querida das multidões, até mesmo em tempo de pandemia

  1. A bola já fez a diferença nos tempos que o Brasil era o tal, e bola era para se jogar entre os melhores jogadores do mundo, sobretudo nas peladas das cidades, dos subúrbios e dos interiores. Era o Brasil tratando bem a Maricota.
    Ia-se ao Maracanã, ainda com as características arquitetônicas e culturais da época em que o maior clube de todos os tempos perdeu a copa do mundo de 1950 para o Uruguai, que nada mais era que um com minado dos times do Penarol e do Nacional de Montevideo.
    E para provar isso, que no futebol ninguém será nunca maior que o Clube de de Regatas Vasco da Gama, o time cristalino massacrou os uruguaios de 2a0 e 3a0 respectivamente.
    O time de futebol do Vasco não anda bem, e nem precisa, porque o que O Gigante da Colina fez pelo esporte brasileiro e pelo Brasil, nenhum clube fará.
    Quem gosta de história sabe que não estou exagerando, pelo contrário, se eu fosse falar da do Vasco, não teria fim o relato que seria tão grande. como os mares singrando pelos seus fundadores.
    Desde a inauguração do Estádio Vasco da Gama, em 21 de abril de 1927, continua sendo o maior estádio particular de uma metrópole. Fato inédito no mundo.
    Então quem é o mais querido?
    Lógico, O Vasco!
    Depois, poderá ser a bola que se faz aos milhões por dia.

Deixe uma resposta para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *