Em 1956, há 54 anos, meu primeiro processo. Por causa dos “ACORDOS DE ROBORÉ”, Brasil-Bolívia. Eu queria DEFENDÊ-LO, Roberto Campos, IMPEDI-LO.

Muita gente me pede, por todos os trajetos, caminhos e formas de comunicação, que relembre acontecimentos de minha carreira jornalística, com repercussão não apenas pessoal. Desculpem, deveria ter escrito vários livros a partir de 1960/70. Mas ocupado em viver, combater e ser perseguido, descuidei da importância de escrever, a não ser no dia-a-dia.

(Quando descobri que essa documentação em livro era também importante, já era tarde, não dava mais tempo).

No entanto, atendendo e passando a fatos que irão levar (ou não) o Brasil ao seu destino de potência mundial, que tanto tem sido retardado, vou revelar meu primeiro processo, da forma como fiz com o meu primeiro julgamento no Supremo. Este relato é ainda mais importante, porque se relacionava com o interesse DIRETO do país.

Meu primeiro processo aconteceu em 1956, portanto há 54 anos. Não existia a Lei de Imprensa, nem prisão antecipada, os jornalistas eram enquadrados no que se chamava de “injúria, calúnia e difamação”. Alguém processava o jornalista, o juiz decidia se aceitava ou recusava a denúncia.

Debates notáveis, grandes advogados e jornalistas importantes, tribunal aberto ao público. E muitos desses mestres, atingindo mais tarde o Supremo, sonho de quase todos.

Esse processo foi insignificante em relação ao repórter, mas os fatos conseqüentes e decorrentes, de enorme repercussão. O Brasil, finalmente assinava com a Bolívia, os famosos “Acordos de Roboré”, a Bolívia precisava VENDER gás, o Brasil tinha necessidade de COMPRAR.

O representante do Brasil nesse Acordo, foi Roberto Campos (“entreguista” maior, sobre quem escrevi a vida inteira), que presidia o BNDE. (Naquela época não tinha o S de Social, hoje tem o S mas ainda não tem o Social, é dominado pelos maiores açambarcadores, que palavra, grupos multinacionais).

Inacreditável: o ACORDO (Tratado) era entre Brasil e Bolívia, mas o senhor Roberto Campos tentou de todas as maneiras, INCLUIR os Estados Unidos no relacionamento. Não me conformei, denunciei a tentativa, justificando que a intenção do senhor Roberto Campos era a de “FAZER MÉDIA COM SEUS PATRÕES”. (Textual).

Já todo poderoso e portentoso, (5 anos depois seria embaixador lá mesmo nos EUA, nomeado por Janio e mantido por Jango) me processou. Escrevi que “visivelmente tentava fazer “média” com os Estados Unidos”, que eu já combatia com todas as forças de que dispunha.

Meu advogado, Evandro Lins e Silva (que curiosamente 5 anos depois seria chefe da Casa Civil de João Goulart, ministro do Exterior e finalmente ministro do Supremo), quando leu a petição, riu, nada satisfeito.

Perguntei a razão da CONTRARIEDADE, resposta: “Imaginava que fosse um processo em que pudesse COLOCAR como bandeira o INTERESSE NACIONAL, que é o que você defende. O juiz nem receberá a denúncia”. Foi o que aconteceu.

Quando Evandro, muito tempo depois, assumia a cadeira na Academia, uma de minhas filhas, grande profissional, foi fotografá-lo para a Folha.

Evandro, que já conhecia Ana Carolina, como profissional e amiga do seu neto, falou: “Defendi teu pai 6 vezes”. E ela, irreverente: “Quantas ganharam?” Extraordinária figura, com a gargalhada característica: “ADIVINHA?”

***

PS – Em tudo isso, o assombroso, inexplicável, quem pode saber? Esse Tratado Brasil-Bolívia foi retardado e impedido por quase 50 anos. Só foi assinado por Lula e o presidente da Bolívia Evo Morales.

PS2 – Por que o distanciamento desses quase 50 anos? Não consegui descobrir, mas são os caminhos e os descaminhos do capitalismo. Naquela época, serviria apenas aos dois países.

PS3 – 50 anos depois, o tumulto já estava montado e estabelecido, continuava importantíssimo para Brasil e Bolívia. Mas outros países, INTERESSADÍSSIMOS em que não se concretizasse ou consolidasse.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Em 1956, há 54 anos, meu primeiro processo. Por causa dos “ACORDOS DE ROBORÉ”, Brasil-Bolívia. Eu queria DEFENDÊ-LO, Roberto Campos, IMPEDI-LO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *