Em defesa da saudável, necessária e democrática alternância no Poder

Mário Assis

A adoção do modelo de eleição em dois turnos foi um avanço. Dá ao eleitor duas oportunidades de voto. Escolher no primeiro turno um candidato que é inteiramente da sua preferência e, caso ele não tenha obtido uma votação que o eleja ou o coloque no 2º turno, escolher uma opção do seu agrado.

Como tenho uma convicção arraigada contra o voto nulo, em branco ou não votar, sempre me utilizo dessas duas oportunidades. Não abro mão da prerrogativa de votar. Afinal, passamos 29 anos – de 1960 a 1989 – sem termos a oportunidade de votar para presidente da República.

No meu caso, somente aos 41 anos pude exercer o direito soberano de votar para PR.
Agora, em 2014, estamos diante de dois caminhos. Ou se caminha com o PT, numa senda conhecida há 12 anos, de conchavos, mensalões, desvios, incompetência e outras diversas modalidades de malfeitos; ou podemos apostar em uma mudança de rumo, no 2º turno, com a candidatura de Aécio Neves.

APOSTANDO NA MUDANÇA

Por mim, entre o conhecido e imutável projeto de poder petista e a esperança de mudanças nas práticas políticas, eu prefiro apostar na mudança. Para 000os que me dizem que é uma escolha difícil, tenho dito que um mal menor também é um bem!

Estou convencido que é hora da saudável, necessária e democrática prática da alternância no Poder.

Não tenho procuração tucana e nem ligação com o PSDB. Encontro-me numa confortável posição de isenção, livre de paixões políticas, podendo, do planalto, observar e fazer as leituras e avaliações que a independência me permite.

Mas, a minha razão não foi sufocada pela emoção, notadamente, numa campanha paupérrima de ideias, proposta e projetos.

Mas, uma certeza tenho. Não votarei na Dilma, porque não quero concordar e coonestar com a corrupção e a incompetência!

Essa mesma certeza tenho na eleição para governador do RJ. Votar no Pezão é dar um atestado de idoneidade ao corrupto Cabral e seu time de lencinhos na cabeça, Delta, Maracanã e transações imobiliárias suspeitas.

Por fim, avalio que o prazo de validade dos petistas no Poder venceu. É hora da mudança. É hora da renovação de ideias e práticas!

18 thoughts on “Em defesa da saudável, necessária e democrática alternância no Poder

  1. Mais um artigo caça-voto, travestido de mea-culpa, em véspera de eleição. A mudança por si só pode representar algo muito negativo, pois atraso e retrocesso também são mudanças. O autor tenta vender Aécio e o PSDB como mercadoria nova no pedaço, omitindo que o PSDB foi presidência durante 8 anos, porque comprou a reeleição, e está no governo de São Paulo há mais de 30.
    Reeleição para presidente nunca houve antes na história do Brasil, nem durante a ditadura, foi implantada pelo PSDB.
    PSDB não é melhora, é retrocesso.

    • Realmente o pravo de validade do PT venceu!

      Só para lembrar:

      Palavras do Lula antes de ser eleito e Lista dos escândalos do governo Lula/Dilma até Novembro de 2010

      Palavras do Lula antes de ser eleito:

      “Acho que empresário corrupto tem que ter medo do PT, pessoas que degradam o meio ambiente têm que ter medo do PT, pessoas que praticam corrupção têm que ter medo do PT, aqueles que querem manter relações com o Estado entrando pela porta dos fundos têm que ter medo do PT…”
      (Candidato Lula, Caros Amigos, 2001)

      “No meu palanque, corrupto não sobe, no meu governo, corrupto não entra”
      Candidato Lula em 2002

      Mas como mente esta turma do PT.

      Lista dos escândalos do governo Lula/Dilma
      1. Caso Pinheiro Landim
      2. Caso Celso Daniel
      3. Caso Toninho do PT
      4. Escândalo dos Grampos Contra Políticos da Bahia
      5. Escândalo do Proprinoduto (também conhecido como Caso Rodrigo Silveirinha )
      6. CPI do Banestado
      7. Escândalo da Suposta Ligação do PT com o MST
      8. Escândalo da Suposta Ligação do PT com a FARC
      9. Privatização das Estatais no Primeiro An o do Governo Lula
      10. Escânda lo dos Gastos Públicos dos Ministros
      11. Irregularidades do Fome Zero
      12. Escândalo do DNIT (envolvendo os ministros Anderson Adauto e Sérgio Pimentel)
      13. Escândalo do Ministério do Trabalho
      14. Licitação Para a Compra de Gêneros Básicos
      15. Caso Agnelo Queiroz (O ministro recebeu diárias do COB para os Jogos Panamericanos)
      16. Escândalo do Ministério dos Esportes (Uso da estrutura do ministério para organizar a festa de aniversário do ministro Agnelo Queizoz)
      17. Operação Anaconda
      18. Escândalo dos Gafanhotos (ou Máfia dos Gafanhotos)
      19. Caso José Eduardo Dutra
      20. Escândalo dos Frangos (em Roraima)
      21. Várias Aberturas de Licitações da Presidência da República Para a Compra de Artigos de Luxo
      22. Escândalo da Norospar (Associação Beneficente de Saúde do Noroeste do Paraná)
      23. Expulsão dos Políticos do PT
      24. Escân dalo dos Bingos (Primeira grave crise política do governo Lula) (ou Caso Waldomiro Diniz)
      25. Lei de Responsabilidade Fiscal (Recuos do governo federal da LRF)
      26. Escândalo da ONG Ágora
      27. Escândalo dos Corpos (Licitação do Governo Federal para a compra de 750 copos de cristal para vinho, champagne, licor e whisky)
      28. Caso Henrique Meirelles
      29. Caso Luiz Augusto Candiota (Diretor de Política Monetária do BC, é acusado de movimentar as contas no exterior e demitid o por não explicar a movimentação)
      30. Caso Cássio Caseb
      31. Caso Kroll
      32. Conselho Federal de Jornalismo
      33. Escândalo dos Vampiros
      34. Escândalo das Fotos de Herzog
      35. Uso dos Ministros dos Assessores em Campanha Eleitoral de 2004
      36. Escândalo do PTB (Oferecimento do PT para ter apoio do PTB em troca de cargos, material de campanha e R$ 150 mil reais a cada deputado)
      37. Caso Antônio Celso Cipriani 38. Irregularidades na Bolsa-Escola
      39. Caso Flamarion Portela
      40. Irregularidades na Bolsa-Família
      41. Escândalo de Cartões de Crédito Corporativos da Presidência
      42. Irregularidades do Programa Restaurante Popular (Projeto de restaurantes populares beneficia prefeituras administradas pelo PT)
      43. Abuso de Medidas Provisórias no Governo Lula entre 2003 e 2004 (mais de 300)
      44. Escândalo dos Correios (Segunda grave crise política do governo Lula. Também conhecido co mo Caso Maurício Marinho)
      45. Escândalo do IRB
      46. Escândalo da Novadata
      47. Escândalo da Usina de Itaipu
      48. Escândalo das Furnas
      49. Escândalo do Mensalão (Terceira grave crise política do governo. Também conhecido como Mensalão)
      50. Escândalo do Leão & Leão (República de Ribeirão Preto ou Máfia do Lixo ou Caso Leão & Leão)
      51. Escândalo da Secom
      52. Esquema de Corrupção no Diret ório Nacional do PT
      53. Escândalo do Brasil Telecom (também conhecido como Escândalo do Portugal Telecom ou Escândalo da Itália Telecom)
      54. Escândalo da CPEM
      55. Escândalo da SEBRAE (ou Caso Paulo Okamotto)
      56. Caso Marka/FonteCindam
      57. Escândalo dos Dólares na Cueca
      58. Escândalo do Banco Santos
      59. Escândalo Daniel Dantas – Grupo Opportunity (ou Caso Daniel Dantas)
      60. Escândalo da Interbrazil
      61. Caso Toninho da Barcelona
      62. Escândalo da Gameco rp-Telemar (ou Caso Lulinha)
      63. Caso dos Dólares de Cuba
      64. Doação de Roupas da Lu Alckmin
      65. Doação de Terninhos de Marísa da Silva
      66. Escândalo da Nossa Caixa
      67. Escândalo da Quebra do Sigilo Bancário do Caseiro Francenildo (Quarta grave crise política do governo Lula. Também conhecido como Caso Francenildo Santos Costa)
      68. Escândalo das Cartilhas do PT
      69. Escândalo do Banco BMG (Empr éstimos para aposentados)
      70. Escând alo do Proer
      71. Escândalo dos Fundos de Pensão
      72. Escândalo dos Grampos na Abin
      73. Escândalo do Foro de São Paulo
      74. Esquema do Plano Safra Legal (Máfia dos Cupins)
      75. Escândalo do Mensalinho
      76. Escândalo das Vendas de Madeira da Amazônia (ou Escândalo Ministério do Meio Ambiente).
      77. 69 CPIs Abafadas pelo Geraldo Alckmin ( em São Paulo )
      78. Escândalo de Corrupção dos Ministros no Governo Lula
      79. Crise da Vari g
      80. Escândalo das Sanguessugas (Quinta grave crise política do governo Lula. Inicialmente conhecida como Operação Sanguessuga e Escândalo das Ambulâncias)
      81. Escândalo dos Gastos de Combustíveis dos Deputados
      82. CPI da Imigração Ilegal
      83. CPI do Tráfico de Armas
      84. Escândalo da Suposta Ligação do PT com o PCC
      85. Escândalo da Suposta Ligação do PT com o MLST
      86. Operação Conf raria
      87. Operação Dominó
      88. O peração Saúva
      89. Escândalo do Vazamento de Informações da Operação Mão-de-Obra
      90. Escândalo dos Funcionários Federais Empregados que não Trabalhavam
      91. Mensalinho nas Prefeituras do Estado de São Paulo
      92. Escândalo dos Grampos no TSE
      93. Escândalo do Dossiê (Sexta grave crise política do governo Lula)
      94. ONG Unitrabalho
      95. Escândalo da Renascer em Cristo
      96. CPI das ONGs
      97. Operação Testamento
      98. CPI do Apagão Aéreo ( Câmara dos Deputados)
      99. Operação Hurricane (também conhecida Operação Furacão )
      100. Operação Navalha
      101. Operação Xeque-Mate
      102. Escândalo da Venda da Varig

      Lista só vai até Novembro de 2010
      http://eduardohomemdecarvalho.blogspot.com.br/2010/11/lista-dos-escandalos-do-governo.html

  2. O Guilherme Almeida está tão cego de ódio e espumando pela boca, que na sua lista inventada consta a “Doação de Roupas da Lu Alckmin” como associado ao PT. Menos, seu desequilibrado mental.

  3. Em menos de quatro anos dona Dilma lançou 34 pacotes para tentar solucionar problemas da economia. Devendo, talvez, lançar o 35º pacote após as eleições.

    Mesmo assim o crescimento do PIB é medíocre e a inflação anda acima da mediana da meta por vários anos e a conta do supermercado só sobe.

    Abaixo seguem os 34 pacotinhos ineficientes da dona Dilma e o possível 35º:

    1. Brasil Maior: Desoneração da folha de pagamentos de quatro setores; criação do programa. Reintegra, de devolução imediata de crédito tributário à indústria exportadora (02/08/2011).

    2. Liberação de crédito: Banco Central (BC) reduz de 16,5% para 11% o requerimento de capital mínimo para empréstimos ao consumo; corta de 20% para 15% o porcentual mínimo de pagamento das faturas de cartão de crédito (16/10/2011).

    3. Desonerações: Governo reduz de 3% para 2,5% a alíquota do IOF que incide sobre o crédito para o consumidor; corta o IPI sobre eletrodomésticos da linha branca; zera o PIS/Cofins sobre massas (01/12/2011).

    4. Ampliação do Brasil Maior: Desoneração da folha de pagamentos é ampliada de 4 para 15 setores; Tesouro Nacional repassa R$ 45 bilhões ao BNDES; forte redução das taxas de juros nas linhas PSI e Finame; e anúncio do novo regime automotivo (02/04/2012).

    5. Medidas emergenciais para veículos: BC libera R$ 18 bilhões do depósito compulsório dos bancos para financiamento de carros novos; redução do IPI para indústria automotiva; nova redução do IOF que incide sobre o crédito ao consumidor, de 2,5% para 1,5% (21/05/2012).

    6. Investimento dos Estados: BNDES cria linha especial de R$ 20 bilhões (“Pró-Investe”) para financiar os investimentos em infraestrutura dos Estados; elevação do limite dos Estados para contratação de PPPs, de 3% para 5% da receita corrente líquida (15/06/2012).

    7. Dilma vai às compras: Governo anuncia programa de R$ 8,4 bilhões em compras públicas de máquinas, equipamentos, material escolar, retroescavadeiras, materiais hospitalares, e fármacos; redução da TJLP, a taxa básica dos empréstimos do BNDES, de 6% para 5,5% (27/06/2012).

    8. Concessões começam: Presidente Dilma Rousseff anuncia concessões de R$ 166 bilhões em 7,5 mil km de rodovias e 10 mil km de ferrovias (15/08/2012).

    9. Pacote na TV: Dilma anuncia o corte nas tarifas de energia elétrica a partir de 2013 durante seu pronunciamento em cadeia nacional de TV e rádio para as festividades da Independência (06/09/2012).

    10. Estímulos para construção civil: Governo anuncia estímulos para financiamento habitacional; inclui o setor de construção civil na desoneração da folha de pagamentos (03/12/2012).

    11. Reforma no setor portuário: Nem o velório de Oscar Niemeyer diminui o ritmo do governo. Horas antes da cerimônia no Palácio do Planalto, Dilma anuncia ampla reforma nos portos do País (05/12/2012).

    12. Linha do BNDES: O ministro da Fazenda, Guido Mantega,anuncia a prorrogação do PSI por mais um ano, e leva o caixa dessa linha do BNDES a R$ 100 bilhões. (05/12/2012).

    13. Novo modelo para aeroportos: Governo anuncia a concessão de três grandes terminais à iniciativa privada, um programa estatal de R$ 7,2 bilhões em investimentos em construção e reforma de 270 aeroportos regionais (20/12/2012).

    14. Cesta básica pela TV: A presidente Dilma anuncia a desoneração total de tributos federais
    dos produtos da cesta básica, numa renúncia de R$ 5,5 bilhões em receitas já em 2013. A cesta também é ampliada de 13 para 16 produtos. Dilma também anuncia medidas para aumentar a defesa do consumidor (08/03/2013).

    15. Inovação: Governo lança o “Inova Empresa”, com linha especial de crédito subsidiado da ordem de R$ 32,9 bilhões (entre Finep e BNDES) para financiar investimentos de seis setores em inovação, além da criação de uma nova empresa pública para aumentar a relação entre empresas e universidades, a Embrapii. (14/03/2013).

    16. Mais desoneração da folha: Governo edita MP com a inclusão de novos 14 setores no benefício, além de desonerações para construção civil. Renúncia fiscal total de R$ 5,4 bilhões.
    (05/04/2013).

    17. Setor químico: governo reduz de 5,6% para 1% a alíquota do PIS/Cofins para os fabricantes de matérias-primas para a indústria química. Renúncia fiscal de R$ 1,1 bi em 2013 e R$ 1,7 bi em 2014. (23/04/2013).

    18. Etanol: Governo zera o PIS/Cofins dos fabricantes de etanol e mantem o crédito presumido das usinas com o Fisco. Renúncia fiscal de R$ 1 bi em 2013 e R$ 1,4 bi em 2014. Além disso, há redução dos juros do BNDES, de 8,5% para 5,5%, para linha voltada a renovação dos canaviais. (23/04/2013).

    19. Governo reforça caixa da Valec e do BNDES para aumentar o crédito e os investimentos em infraestrutura. (08/06/2013).

    20. Mineração: Governo anuncia novo marco regulatório da mineração, para aumentar arrecadação e estimular os investimentos no setor. (18/06/2013).

    21. Dilma anuncia pacote de R$ 3 bilhões para melhorar contas das prefeituras, e pede em troca mais investimentos (16/07/2013).

    22. Governo altera regras do FGTS, e amplia o teto para contrapartida de investimentos do PAC e do Minha Casa, Minha Vida. Objetivo era ampliar os investimentos no setor. (30/09/2013).

    23. Governo baixa pacote de R$ 12 bilhões e anuncia leilão extraordinário de energia térmica
    para evitar que a conta de luz subisse em 2014, e assim travasse investimentos e aumentasse preços. (13/03/2014)

    24. Dilma anuncia reajuste dos benefícios do Bolsa Família e promete estender a política de valorização do salário mínimo, em estímulos direto ao consumo das famílias. (01/05/2014).

    25. Mantega anuncia mais um pacote para estimular a indústria, agora com recriação do Reintegra, agora com alíquota de 0,3%, instituição de alíquota única de 25% de sobrepreço para produto nacional nas compras governamentais e promessa de prorrogação do PSI. (18/05/2014).

    26. Governo baixa um pacote de R$ 1,1 bilhão para as indústrias automobilística e moveleira. Ambas ganharam a prorrogação do IPI reduzido até dezembro. A renúncia fiscal para a União ficou em R$ 800 milhões para fabricantes de veículos e outros R$ 320 milhões para o setor de móveis. (30/06/2014).

    27. Dilma anuncia o programa Minha Casa, Minha Vida 3, voltado à estimular a indústria de construção civil e material de construção e acabamento. O programa tem como meta a construção de 3 milhões de moradias populares. Segundo a presidente, o anúncio do programa já geraria estímulos para todo o setor da construção, que começaria a investir e se preparar com contratações de mão de obra. (03/07/2014).

    28. O ministro da Indústria (MDIC), Mauro Borges confirma oficialmente que o governo lançará, ainda neste ano, um amplo programa de crédito subsidiado para que a indústria brasileira renove suas máquinas e equipamentos. Segundo Borges, as medidas começariam em 2015, mas o anúncio já serviria para animar a indústria antes. (05/07/2014).

    29. Governo edita medidas de estímulo ao mercado de capitais, como a isenção do IR sobre os ganhos de capital no investimento em ações de empresas pequenas e médias. Além disso, a isenção do IR no investimento em debêntures destinadas a financiar infraestrutura foi prorrogada até o fim de 2020. O pacote foi antecipado por Mantega em junho, ao visitar a BM&FBovespa, em São Paulo. (11/07/2014).

    30. Banco Central anuncia um grande pacote para incentivar o crédito ao consumo e para investimentos. Foram liberados nada menos do que R$ 30 bilhões em depósitos compulsórios aos bancos, para que estes ampliem o crédito e também comprem carteiras de
    instituições menores. Os efeitos do pacote podem aumentar em até R$ 15 bilhões, segundo o BC, totalizando um pacote de R$ 45 bilhões. (25/07/2014).

    31. Banco Central anuncia mais um pacote para estimular o crédito. Foram liberados mais R$ 25 bilhões. Os recursos vieram da redução do capital para risco de crédito (R$ 15 bilhões) e da liberação de depósitos compulsórios (R$ 10 bilhões). Adicionalmente, a Fazenda anuncia a criação de um título imobiliário financeiro e medidas para o mercado de habitação. (20/08/2014).

    32. Mantega anuncia benefícios a dois setores: os produtores de açúcar e de etanol. O benefício é a inclusão desses segmentos no Reintegra, que devolve uma parte do crédito tributário, em dinheiro, aos exportadores. (10/09/2014).

    33. Mantega anuncia a ampliação do Minha Casa, Minha Vida 2, em 350 mil unidades, com prazo final até julho de 2015, atendendo aos pedidos dos empresários da construção civil. (17/09/2014).

    34. Mantega anuncia mais um pacote para a indústria. Antecipou para outubro a alíquota de 3% do Reintegra. Além disso, ampliou em R$ 200 milhões os fundos do Programa de Financiamento às Exportações (Proex). (29/09/2014).

    35. A simplificação do PIS/Cofins (outubro ou novembro 2014).

  4. Guilherme
    Importante o levantamento dos malfeitos (apelido meio sem graça!) petistas. São tantos que podemos até misturar um ou outro de autoria diferente.
    Também importante é a “patrulha fantasma”.
    Até parece que a inclusão de “unzinho” a mais fará grande diferença.
    Vamos tirar uma colher de lama do lamaçal.
    Continue a não deixar estas coisas ficar no esquecimento.
    Abraço.

    • Aécio nunca foi o mais preparado, todos os cargos que ocupou foram através de apadrinhamento político, funcionário da câmara, dono de emissora de rádio, vice-presidente da Caixa. Apenas a sandice e a falta de cultura de vocês é que pode colocar um candidato tão despreparado como a melhor opção. É por causa de pessoas como vocês que o Brasil está condenado a ser um país pobre e atrasado.

      • Calma… fraterno Giuseppe…

        O senhor Aécio, antes de ser eleito Senador, foi Governador do Estado de Minas Gerais, uma potência geográfica, econômica, cultural e social…
        Ao sair, ganhou, no placard, do seu conterrâneo Itamar Franco, que do topetinho não se esqueçam, foi o presidente que completou o mandato do impinchado Collor, no caso, em dois anos, criou o salvador Real e teve ao sair, 85% da aprovação dos brasileiros.
        Pois bem, dos exigentes mineirinhos, o senhor Aécio teve 92% de aprovação.
        Daí, é um caso a considerar, sem parcialidade.
        Comparando os postulantes, e senhor Aécio Neves, por um acaso, não é, de fato, o mais preparado?
        Abs.

        • Não sei por que o Sr. me pede calma, pois estou sereníssimo. O fato de discordar não implica estar nervoso, discordar não é sinônimo de enervar-se.
          Não sei de onde o senhor conseguiu este dado INÚTIL de que Aécio teria 92% de aprovação dos mineiros, quando o FATO eleitoral demonstrou que o mesmo possui apenas 39,7% de aprovação e na categoria dos professores apenas 2%. Abaixo inclusive da aprovação de Dilma, que foi de 43,4% em MG.
          Ao declarar que Aécio é o mais preparado surge naturalmente a pergunta: mais preparado para que?
          Se for para dar continuidade a entrega do Brasil como foi feito nos 8 anos de governo do PSDB, rebaixando-o à categoria de colônia, eu concordo com o Sr.
          Mas se for para dar continuidade ao engrandecimento do Brasil como nação, eu discordo completamente da vossa opinião. Atenciosamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *