Em depoimento à PF, Pazuello volta a mentir sobre ter investigado corrupção no caso da Covaxin

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto

Desfaçatez de general Pazuello envergonha o Exército

Isabella Camargo
GloboNews

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse em depoimento à Polícia Federal que foi alertado verbalmente pelo presidente Jair Bolsonaro sobre suspeitas de irregularidades na negociação da vacina indiana Covaxin. Pazuello afirmou ainda que ele, como ministro, repassou as informações para seu secretário-executivo, Élcio Franco, também verbalmente.

À PF, Pazuello contou que o coronel Franco lhe disse que não havia irregularidades no negócio com a Covaxin.

IRMÃOS MIRANDA – As suspeitas de irregularidades na compra da vacina se tornaram públicas por meio dos irmãos Miranda: o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda e o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF).

À imprensa e à CPI da Covid eles contaram que haviam identificado inconsistências na documentação da compra. Relataram também que contaram sobre as suspeitas para o presidente Jair Bolsonaro.

Um inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República investiga se Bolsonaro cometeu crime de prevaricação. Ou seja, se ele deixou de dar o encaminhamento devido às denúncias.

NOTAS IRREGULARES – Entre as suspeitas apresentadas pelos irmãos Miranda está um invoice (nota fiscal internacional) com previsão de pagamento adiantado de US$ 45 milhões, o que não era previsto no contrato original firmado com o Ministério da Saúde

Há outro invoice com previsão de fornecimento de menos doses do que o previsto no contrato. Por fim, foi encaminhado um invoice em nome de empresa com sede em Singapura, que não é citada no contrato.

Detalhe importante: notas ficais foram grotescamente falsificadas pela empresa Precisa, intermediária do negócio.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Depois de mentir na CPI da Covid, Pazuello volta a mentir perante a Polícia Federal. É muito triste ver um oficial-general, no ápice da carreira, prestar um depoimento que é automaticamente desmentido pela cronologia dos fatos. Confira: Bolsonaro recebeu a denúncia dos irmãos Miranda num sábado, 20 de março; disse ter pedido providências ao ministro Pazuello na segunda-feira, dia 22; e Pazuello foi demitido no dia seguinte, 23. Ou seja, não houve tempo para verificar nada. Tudo o que o general (ainda da ativa) Pazuello fala não tem valor algum. É apenas mais um mentiroso corrupto que tenta escapar da Justiça. E o Exército não vê a hora desse mal elemento passar para a reserva. (C.N.)

3 thoughts on “Em depoimento à PF, Pazuello volta a mentir sobre ter investigado corrupção no caso da Covaxin

  1. Não é muito triste não, Sr. Carlos Newton.

    É vergonha, muita vergonha em ver um capacho verde oliva.

    É revoltante ver essa cobra gorda rastejante perder a dignidade por dinheiro.

    Essa porcaria vai pagar…

    Vai … o kilo certo!!

    A JAULA é pouco!

    Um forte abraço,
    José Luis.

    • Discordo. Como os Marines e os Seals americanos, alguns dos nossos generais são especialmente treinados para mentir sem gaguejar em caso de serem aprisionados e torturados pelo inimigo. Esse é o verdadeiro soldado!

Deixe um comentário para Espectro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *