Em matéria de sucessão presidencial, a confusão é geral (e vai piorar)

Carlos Newton

A sucessão está apenas esboçada, ainda não há nem candidatos definidos. Por enquanto, são seis pretendentes e uma incógnita. O PT tem Dilma ou Lula para entrar em campo; o PSDB vai de Aécio Neves ou ressuscita José Serra; o PSB arrisca com Eduardo Campos ou Marina Silva. E a incógnita chama-se Joaquim Barbosa, pois ninguém sabe se vai ser candidato ou não.

Em Brasília, há rumores de que ele se aposentará em março, a tempo de arranjar um partido e se filiar até o dia 5 de abril, prazo máximo para candidatura de magistrados. Mas, como diz Raul Gallo,  quem pode confiar em rumores?

O certo é que em junho (entre os dias 10 e 30) haverá as convenções para a decisão final. No PT, a imensa maioria prefere Lula. Ou seja, Dilma somente será candidata se estiver muito bem nas pesquisas, com previsão de ganhar com folga logo no primeiro turno. No PSDB, quem manda é José Serra. Ontem, em mensagem postada no Facebook, ele “defendeu” o lançamento do nome de Aécio Neves. Mas quem pode confiar em Serra? Portanto, se ele continuar na frente de Aécio nas pesquisas, o candidato já estará decidido. E no PSB, a mesma equação: quem manda é Eduardo Campos, e Marina  só terá legenda se disparar nas pesquisas, algo absolutamente improvável.

E Joaquim Barbosa? Só perguntando diretamente a ele, que sempre nega a candidatura, dizendo que no momento não pretende. Mas amanhã é sempre outro dia.

ACORDOS ESTADUAIS

A eleição é particularmente complicada, porque existem os acordos estaduais, que significam uma mistura infernal, basta lembrar que já houve eleição, no passado recente, com PT e PSDB juntos na mesma chapa, vejam se uma situação dessas poderia ser admissível.

É por isso que a ex-ministra Marina Silva tem ressalvado que a aliança da Rede Sustentabilidade com o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, “não é verticalizada” e admite que os dois partidos podem não estar juntos em alianças nos Estados nas eleições de 2014.

Questionada em entrevista sobre as divergências entre a Rede e o PSB nos Estados, ela afirmou que não há obrigação de se repetir a lógica nacional pela qual a Rede se uniu ao PSB para apoiar a candidatura presidencial de Campos. Aliados de Marina afirmam que a Rede vai se separar do PSB nos casos em que a sigla de Campos estiver em coligações estaduais com o PT ou o PSDB, o que já é negociado em pelo menos oito Estados.

Portanto, a confusão ainda é geral. E vai piorar.

9 thoughts on “Em matéria de sucessão presidencial, a confusão é geral (e vai piorar)

  1. Caro Jornalista,

    Como esperar um bolo diferente se os ingredientes são os mesmos?

    Além disso, até mesmo Joaquim Barbosa, caso eleito, terá que “dialogar” com o PMDB se quiser aprovar um simples orçamento!
    A mudança precisa ser mais profunda.
    É difícil…

  2. No PSOL a pré-candidatura do senador do Amapá, chapa-branca, Randolfe, afilhado de Heloisa Helena, que já caiu na rede de Campos, conforme declarou no último seminário da rede em São Paulo, está exposta a feroz resistência da militância psolista que prefere a parceria do partido com o Projeto Novo e Alternativo de Nação e de Política-partidária-eleitoral, como desejam as Ruas do Brasil, e como propõe o HoMeM do Mapa da Mina do bem comum do povo brasileiro, que rejeita peremptóriamente a pré-candidatura Randolfe, tida como linha auxiliar de Campos, conforme manobra ardilosa de Helolisa Helena, Randolfe e Marina dentro do PSOL, impedindo-o de abraçar o Fato Novo de Verdade, que, sem partido em 2014, terá como única opção as Ruas do Brasil para se viabilizar, chegar lá e fazer o que tem que ser feito há muito tempo, tal seja, A Revolução Pacífica do Leão (RPL-PNBC-ME), como pedem as Ruas do Brasil, aquele percentual de 66%, das pesquisas, que mais do que a situação quer, na verdade, a Mega-Solução, e que rejeita a oposição sem projeto novo e alternativo a tudo isso que aí está, com prazo de validade vencido há muito tempo.

  3. Lula não é bobo. Não vai ser candidato. Está com o filme torrado. Até a eleição fabricarão mais escândalos. E a Dilma que se cuide porque o solo político virou anti PT. Eu torço para Dilma, mas se perder não me surpreenderei. Entretanto, os candidatos conhecidos são péssimos. Joaquim Barbosa vai deixar o Supremo porque não tem futebol para jogar no Supremo. E aquela velha pede para ca %$#@gar e sai.

  4. As pesquisas deixam muito a desejar, lembro que uma vez no RJ aconteceu o voto envergonhado, os entrevistados respondiam de um modo e na hora de acionar a maquininha votavam em outro nome. Pode acontecer novamente. Além disso deve ser incluída a presença das ruas, que certamente voltarão à tona… no Rio o prefeito já indicou que vai haver aumento das passagens… e as ruas … vão aceitar?

  5. BRASÍLIA – A 2ª Vara da Fazenda Pública condenou o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR), nesta segunda-feira, à perda de direitos políticos por oito anos e à devolução aos cofres públicos de R$ 300 mil, parte do dinheiro que teria desviado dos cofres públicos. O ex-governador, que passou 60 dias presos e perdeu o cargo no início de 2010, é acusado de chefiar o chamado mensalão do DEM, esquema de arrecadação e distribuição de propina a aliados políticos entre 2006 e 2010, conforme investigações da Operação Caixa de Pandora.

    No mesmo despacho, o juiz Alvaro Luiz Ciarlini estendeu à condenação à deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) e ao marido dela Manoel Costa de Oliveira Neto. Pela decisão do juiz, os três também estão proibidos de ocupar cargos públicos por oito anos e terão ainda que pagar multa de dez vezes o valor desviado. Os valores das multas deverão ser calculados com juros e a devida correção monetária. Arruda, que foi expulso do DEM em meio ao escândalo da Caixa de Pandora, se filiou ao PR em outubro e, segundo pesquisas de opinião, teria fortes chances de se reeleger ao governo em 2014.

    Arruda foi condenado a partir de uma ação por improbidade administrativa ajuizada por um grupo de promotores do Distrito Federal que estiveram na linha de frente das investigações sobre a estrutura de corrupção que teria sido montada pelo ex-governador para se eleger e, depois, para se manter no cargo. Neste caso específico, Arruda foi condenado por repassar a Jaqueline Roriz e ao marido dela R$ 50 mil e rádios Nextel, que teriam sido usados na campanha da deputada em 2006. O dinheiro foi entregue ao casal pelo ex-secretário de Assuntos Institucionais Durval Barbosa.

    O ex-secretário gravou as cenas da entrega do dinheiro. Em depoimento ao Ministério Público, Durval disse os recursos tinham como origem o pagamento de propina de empresários do setor de informática. As cenas da deputada e o marido recebendo os R$ 50 mil foi um dos vídeos de maior repercussão durante as investigações da Caixa de Pandora e quase levou a perda do mandato de Jaqueline Roriz. A ação por improbidade contra Arruda, Jaqueline e o marido faz parte de uma série de outras investigações sobre o mesmo assunto que ainda estão em andamento.

    Fonte: http://oglobo.globo.com/pais/ex-governador-do-df-condenado-pagar-multa-de-300-mil-11087081#ixzz2nl86jKIh

    * – Ninguém vai preso ? É só devolver ?
    * – E o dono do blog, não fala coisa alguma ? Estará comprometido ? JB também ?

  6. Não sou mais obrigado a votar, e com esses candidatos que aí estão, não vou mesmo. Só iriei votar se
    Joaquim Barbosa for candidato, pelo fato dele não ser farinha do mesmo saco dos outros candidatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *