Em outubro, quase 2 milhões de jovens irão às urnas votar pela primeira vez

Resultado de imagem para eleitor jovem charge

Charge do Pelicano (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Reportagem de Marina Merlo e Sarah Mota Rezende, edição de ontem da Folha de São Paulo, revela um dado muito importante capaz de influir nas eleições de outubro para a presidência da República. Levantamento que acaba de ser realizado pela Justiça Eleitoral revela que 1 milhão e novecentos mil jovens, entre 16 e 18 anos de idade, inscreveram-se para votar nas urnas de outubro. Esse contingente supera o ingresso no universo do voto nas eleições anteriores. 

As inscrições em 2006 alcançaram um nível mais alto do que nos períodos que antecederam. Mas este ano a marca de 2006 foi batida em 2018. O fato é importante e pode influir para tornar menor a abstenção.

VOTO OBRIGATÓRIO -O crescimento, na verdade, registra-se entre os que têm 16 e 17 anos, isso porque o voto torna-se obrigatório a partir de 18 anos de idade. Assim, os quase dois milhões de jovens se inscreveram espontaneamente. Talvez, digo eu, pelo temor de uma candidatura radical chegar ao segundo turno.

O primeiro turno é a 7 de outubro, os dois mais votados vão para a final, marcada para o dia 28 de outubro. É possível que o índice de abstenção seja reduzido este ano em face do ingresso dessa parcela expressiva do eleitorado jovem. Aliás, por falar em abstenção, registre-se o seguinte: quanto mais a eleição se distanciar do último recadastramento, a abstenção pode ser notada. Mas não é só uma questão de ausência por iniciativa própria, mas sim em função de alguns fatores.

MORTALIDADE – Um dos fatores é a taxa de mortalidade, que no Brasil oscila em torno de 0,7% a/a. Grande parte das famílias não procura a Justiça Eleitoral para dar baixa nos títulos. Outro fator é que existe uma parcela de pessoas que completam 70 anos e que, portanto, não são obrigadas a votar. A soma desses fatores pode assinalar uma abstenção que na verdade não significa somente um desprezo pela política e pelo voto.

O desprezo pela política e pelo voto existe e reflete uma disposição que aumenta com o passar do tempo, principalmente nos últimos seis anos. Fatos não faltam para justificar esse sentimento. A corrupção, as manobras políticas tradicionais, a baixa qualificação dos governantes e parlamentares, tudo isso desagua num mar de amargura e decepção. Vamos ver o que acontecerá nas urnas de outubro.

###
BOLSONARO E MARINA LIDERAM PESQUISA NA VEJA

A revista Veja que se encontra nas bancas publicou reportagem de Ana Clara Costa, destacando pesquisa realizada pela Ideia Big Data que confirma as mesmas tendências anteriormente detectadas pelo Ibope e pelo Datafolha. O levantamento divide-se em dois seguimentos essenciais: um com a presença do ex-presidente Lula, outro sem ele.

No primeiro caso hipotético, Lula aparece com 29%, Bolsonaro 14 pontos, Marina Silva com 10 pontos seguida por Ciro Gomes e Geraldo Alckmin, ambos com 7%. Os demais candidatos aparecem com índices insignificantes. Exceção de Álvaro Dias cuja candidatura atinge 4 pontos.

No cenário sem Lula Bolsonaro lidera com 18, Marina com 11, Ciro Gomes confirma os 7%, um ponto acima de Geraldo Alckmin.

TRANSFERÊNCIA – A pesquisa do Ideia Big Data colocou um ítem importante. O apoio do ex-presidente Lula a qualquer candidatura, incluindo a do PT seu próprio partido, transfere 9% dos eleitores e eleitoras. Essa pergunta é muito importante e revela que concretamente Lula tem um limite de transferência de votos da ordem de 30% daqueles que se afirmam serem seus eleitores. Ele, sozinho tem 29, quase 30 portanto, mas sua capacidade de transformar em votos sua escolha está limitada hoje a 1/3 de seus apoiadores.

Como se verifica, as tendências que vêm surgindo de alguns meses para cá mantem-se numa faixa na qual navegam os quatro candidatos com possibilidade de chegarem ao segundo turno.

No segundo turno o panorama permanece indefinido.

3 thoughts on “Em outubro, quase 2 milhões de jovens irão às urnas votar pela primeira vez

  1. Esses votos já pode o pt já pode dar adeus, foi no governo de pt que essas crianças viram suas mesadas irem pro brejo, isso ninguém esquece.

  2. de qualquer modo, pode-se perguntar:
    – desses quase dois milhões,
    quantos, quantos, têm o discernimento necessário
    para escolher e bem escolher seus candidatos ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *