Em poucas linhas, um poema dilacerante do modernista e imortal Cassiano Ricardo

RETALHOS DO MODERNISMO: ¨1922: DEPOIMENTO INÉDITO" (CASSIANO RICARDO)

Cassiano Ricardo, grande poeta paulista

Paulo Peres
Poemas & Canções

 

O jornalista, ensaísta e poeta paulista Cassiano Ricardo (1895-1974) nasceu em São José dos Campos (SP). Formado em Direito, foi um dos líderes do Modernismo , iniciado em 1922, tendo participado dos grupos “Verde-Amarelo” e “Anta”. Estréia em 1915, com o livro Dentro da Noite, de cunho sentimental, passou pelo parnasianismo com A Frauta de Pan  e define-se como modernista e nacionalista, a partir de 1925, com Vamos caçar papagaios, Borrões de Verde e Amarelo.

Neste poema, “Depois de Tudo”, Cassiano Ricardo afirma que hoje seu coração é um pássaro pousado “depois de tudo” passar tão depressa.

DEPOIS DE TUDO
Cassiano Ricardo

Mas tudo passou tão depressa
Não consigo dormir agora.
Nunca o silêncio gritou tanto
Nas ruas da minha memória.
Como agarrar líquido o tempo
Que pelos vãos dos dedos flui?
Meu coração é hoje um pássaro
Pousado na árvore que eu fui.

2 thoughts on “Em poucas linhas, um poema dilacerante do modernista e imortal Cassiano Ricardo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *