Em prisão domiciliar, acusado de chefiar esquema de propina, Crivella não pode usar celular ou computador

Charge do Adnael (A Charge Online)

Renato Souza
Correio Braziliense

A revogação da prisão do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), tornou-se uma novela no Poder Judiciário. O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, substituiu a prisão preventiva por regime domiciliar. No entanto, a decisão não foi acatada de imediato pelo plantonista do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto.

Ele afirmou que a expedição do alvará de soltura deveria ser realizada pela relatora do caso, Rosa Helena Macedo. A magistrada, no entanto, determinou busca e apreensão na casa do político antes de autorizar a ida dele para o domicílio, um condomínio na Barra da Tijuca.

ESQUEMA – Crivella é acusado de chefiar um esquema de pagamento de propina para agentes públicos por parte de empresários. Ontem, no começo da noite, 24 horas após determinar a prisão domiciliar, Humberto Martins editou um novo despacho, desta vez, dando prazo de 48 horas para que Crivella fosse mandado para casa. O ministro alegou que a determinação anterior não foi cumprida. Ele pediu que o presidente do TJ do Rio, Henrique Figueira, preste informações sobre o andamento do caso.

Na terça-feira, ao receber a ordem de soltura, o desembargador Joaquim Domingos afirmou que não poderia expedir o documento que autoriza a ida do prefeito para a prisão domiciliar. Ele determinou que Rosa Helena, juíza natural do caso, fosse oficiada para decidir.

A magistrada, por sua vez, antes de autorizar a soltura, decidiu pelo cumprimento de um mandado de busca e apreensão. De acordo com o despacho, antes da ida de Crivella para o local, deveriam ser apreendidos “terminais telefônicos fixos, computadores, tablets, laptops, aparelhos de telefone celular e smart tevês da residência”, com a finalidade de auxiliar na investigação. Além disso, Rosa Helena determinou o uso de tornozeleira eletrônica por parte do investigado.

MOVIMENTAÇÕES –  No momento em que ia realizar exame de corpo de delito, procedimento de rotina para ingressar no sistema penal, Crivella afirmou ser inocente. Durante as investigações, relatórios de inteligência financeira apontaram movimentações atípicas na Igreja Universal do Reino de Deus, onde Crivella atua como bispo, mas se mantém afastado para exercer o cargo político.

Os valores suspeitos nas contas da instituição religiosa chegam à cifra de R$ 6 bilhões. Em nota, a Universal nega qualquer irregularidade. “A Universal já enviou à desembargadora relatora do processo no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), em outubro de 2020, uma petição esclarecendo cada uma das entradas e saídas dos valores que constam do relatório do Coaf.

“TRANSPARÊNCIA” – Dessa forma, com total transparência, a Igreja comprovou que não há ‘movimentação atípica’ ou ‘anormal’. Todos os valores têm origem e destino legais e declarados”, informou a igreja. Além do prefeito Marcelo Crivella, foram presos o empresário Rafael Lopes e delegado aposentado Fernando Moraes.

O ex-senador Eduardo Lopes, também do Republicanos, está sendo procurado pela polícia. As investigações conduzidas pelo Ministério Público do RJ e pela Polícia Civil indicam que empresários com interesse em fechar contratos ou com dinheiro a receber do município entregariam cheques para o empresário, irmão de Marcelo Alves, então presidente da Riotur. Em troca, Rafael facilitaria a assinatura dos contratos e o pagamento das dívidas.

5 thoughts on “Em prisão domiciliar, acusado de chefiar esquema de propina, Crivella não pode usar celular ou computador

  1. Sim o Crivella é indiciado e deve estar com tornozeleira e privado de celular e outros contatos.

    E o Lularápio, já condenado, pode ir passear no exterior sem tornozeleira, sem celular e sem falar com a sua quadrilha?

  2. Uma possível explicação sobre por quê o ministro Humberto Martins, presidente do STJ, retirou Marcelo Crivella imediatamente da prisão, forçou a barra para que saísse imediatamente o alvará de soltura do prefeito afastado por corrupção, peitou a desembargadora Rosa Helena Macedo que sentenciou a prisão (a única desembargadora que poderia emitir o alvará de soltura,), peitou o plantonista plantonista do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto que afirmou que a única autoridade competente para emitir o alvará de soltura era a desembargadora Rosa Helena Macedo, e o ministro Humberto Martins, presidente do STJ, que não detinha competência para emitir o alvará de soltura, uma vez que teve de mandar que a desembargadora, única que tinha competência legal para emitir o alvará, e ele mesmo, sem a devida competência legal jurídica para tanto, que antes reconhecera, emitiu o alvará de soltura de Crivella, no mesmo dia, transformando a prisão no cárcere em prisão domiciliar, no confortável apartamento do bispo Marcelo Crivella : o presidente do STJ, Humberto Martins é também evangélico adventista, veja-se no link abaixo. Lembro que a Constituição reza que o Brasil é um Estado Laico. Assim como não se pode misturar política com religião, também não se pode misturar decisões da magistratura com religião.

    Felizmente, à partir de 1º de Janeiro, Crivella perde o foro privilegiado, o julgamento começará pela judicatura de primeiro grau. Se o processo chegasse às mãos do STJ, provavelmente Marcelo Crivella seria absolvido, já que o presidente do STJ, crente evangélico, faria de tudo para absolver o prefeito afastado por corrupção que desgraçou a cidade do Rio de Janeiro.

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Humberto_Eust%C3%A1quio_Soares_Martins

  3. Fonte : WIKIPÉDIA

    Presidente do Superior Tribunal de Justiça do Brasil
    Mandato: 27 de agosto de 2020
    até a atualidade
    Ministro do Superior Tribunal de Justiça do Brasil
    Mandato: 14 de junho de 2006
    até a atualidade
    Nomeação por: Luiz Inácio Lula da Silva
    Antecessor(a): Domingos Franciulli Netto
    Dados pessoais
    Nascimento: 7 de outubro de 1956 (64 anos)
    Maceió, Alagoas
    Progenitores:
    Alma mater: Universidade Federal de Alagoas
    Centro de Estudos Superiores de Maceió
    Religião: protestantismo (adventista)[1]

  4. PRISÃO DOMICILIAR DE CRIVELLA FOI DECIDIDA POR MINISTRO EVANGÉLICO DO STJ

    Por Ancelmo Gois – 24/12/2020 • 05:00

    Prisão domiciliar de Crivella: ministro Humberto Martins, evangélico, já tinha votado a favor do prefeito na encampação da Linha Amarela. Prisão domiciliar de Crivella: ministro Humberto Martins, evangélico, já tinha votado a favor do prefeito na encampação da Linha Amarela | Reprodução
    Humberto Martins, presidente do STJ que decidiu que Marcelo Crivella fosse para prisão domiciliar, votou também a favor do prefeito na encampação da Linha Amarela.

    Evangélico, o ministro chegou a ser cotado para substituir Celso de Mello no Supremo.

  5. Bom dia , leitores (as):

    Senhor Ednei José Dutra de Freitas , com toda certeza e sem nenhuma sombra de dúvidas o presidente do STJ, Humberto Martins faz parte desse esquema de roubar e saquear dinheiro dos sofres públicos , sem contar que as igrejas evangélicas devem mais de 1,6 bilhões de só de encargos ” PREVIDENCIÁRIOS E TRABALHISTAS ” , pois descontaram de seus funcionários e não entregaram á quem de direito , como se não fosse pouco querem o perdão dessa dívida , pois já tem até uma proposta no congresso nacional quanto á isso , ou seja , apropriação indébita e roubo , um dos dez mandamentos de ” JESUS CRISTO , é não roubar , mas para os líderes religiosos evangélicos existe exceção , tal como para alguns ministros/juízes do STF fazem .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *