Embaixador Otávio Brandelli, do Mercosul, será o secretário-geral do Itamaraty

Resultado de imagem para Otávio Brandelli,

Brandelli é muito experiente e conhece o jogo diplomático

José Carlos Werneck

O diretor do departamento do Mercosul, embaixador Otávio Brandelli, será anunciado nesta quarta-feira como Secretário-Geral do Ministério das Relações Exteriores. O cargo é o segundo mais importante na hierarquia do Itamaraty. A informação foi confirmada, em Brasília, pela equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro.

No decorrer de toda esta terça-feira, o nome do diplomata foi citado insistentemente no meio diplomático. E o ministro das Relações Exteriores, embaixador Ernesto Araújo, já se decidiu pelo nome de Brandelli.

Além de diretor para assuntos do Mercosul, Otávio Brandelli integrou a Missão do Brasil junto às Comunidades Econômicas Européias em Bruxelas, da Delegação Permanente do Brasil junto à Associação Latino-Americana de Integração(ALADI) e ao Mercosul e presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG  – Pelo bem do país, espera-se que Brandelli atue para evitar o furor uterino do chanceler no sentido de se alinhar com os Estados Unidos e virar as costas à China. Nossos “aliados” norte-americanos acabam de fechar um acordo comercial com os chineses que deve ser altamente prejudicial às exportações brasileiras, especialmente de soja. Como dizia Ibrahim Sued, olho vivo que cavalo não desce escada. (C.N.)

14 thoughts on “Embaixador Otávio Brandelli, do Mercosul, será o secretário-geral do Itamaraty

  1. A volta ao pragmatismo será inevitável, independente das opiniões de Ernesto Araújo e Olavo de Carvalho. No fim das contas, cada país se vê obrigado a cuidar de seus próprios interesses, como os Estados Unidos fazem e eles não se importam com declarações de amor, como o México e a Argentina tiveram de aprender, mas apenas com as vantagens que podem obter. Além do mais, é bem provável que Trump não se reeleja em 2020, e uma volta à Casa Branca dos democratas controlados por “social justice warriors”, com um discurso carregado de hipercorreção política e ‘”lacração”, irá arrefecer a paixão de Carvalho e Araújo pelos Estados Unidos.

      • Sim, se. Mas é bom ficar alerta. Do jeito que as coisas andam nos Estados Unidos, Trump enfrentará uma reeleição difícil, e quase com certeza perderá na Flórida, onde foi revogada a cassação de direitos eleitorais de ex-presidiários. Os resultados das últimas eleições, com republicanos ganhando por pouco em estados tidos como ultra-conservadores, como foi o caso de Ted Cruz no Texas, não indicam um cenário promissor para 2020.

  2. Segundo se comenta, quem “toca” o Itamaraty é o secretário-geral. O chanceler é figura para galas e grandes encontros de que participe o presidente da República.

  3. Sou do agronegócio e estamos absolutamente tranquilos, as razões: A – O mundo árabe necessita de nossa carne, principalmente frango e ovos para ter acesso a proteína barata. O Brasil é a única nação no mundo superavitária na produção desse tipo de proteína. B – A China necessita de nosso minério de ferro e outros minerais, bauxita, nióbio, etc. para continuar girando sua produção industrial. Somos talvez a única nação exportadora em grande escala no mundo de minérios. O outro ponto é a soja, quem produz soja no mundo é o Brasil e os EUA, a soja americana está restrita ao seu mercado interno, Canadá, países britânicos e alguma coisa para a Alemanha e França. Além da China necessitar de nossa carne em grande escala, já que a Austrália não consegue atender a demanda chinesa. Então é muito mimimi ideológico esse “temor” de que o mercado árabe e chinês vão se fechar se o Brasil se aproximar mais dos EUA, e é justamente o que devemos fazer para termos acesso amplo ao que necessitamos, TECNOLOGIA !

    • Muito lúcido seu comentário.

      Devemos assinar o quanto antes um ambicioso acordo com os EUA.

      E obviamente fazermos a mudança de embaixada em Israel.

    • Perdão,Sr.Silvio.
      Que tecnologia ????

      Recentemente,levei um grupo de Americanos,a andar pelo RS,PR,MS.
      “Visitando”as lavoura de soja.
      Estavam com equipamentos de última geração..scanner.
      Colhendo amostras de terra,adubo,folhas,e soja, tudo em tempo real,enviando EUA.

      Ah,contrataram agência de turismo onde eu labuto,para fazer lazer em Gramado e Canela.
      De fato,peguei esse pessoal rumo a Gramado,chegando a Nova Petrópolis,mudaram o rumo para Passo Fundo, Erechim, Chapecó,etc…

      Isso,tem nome, espionagem.

      Comuniquei a PRF,disseram,nada podia ser feito..

      Por isso,e por outras,estamos num atraso, igual a Guiné.

      • É… vieram fazer isso em nome da CIA… vão invadir o Brasil !!! Vieram seguramente tentar entender as razões pelas quais somos o recordista mundial na produção de grãos. Um acordo Brasil – EUA no âmbito tecnológico é fundamental para nosso avanço. Em relação a Israel, hoje essa nação detêm a tecnologia de ponta para podermos ter produção no nosso imenso semi-árido, que hoje é a nossa última fronteira agrícola a ser explorada.

        • Meu caro Silvio, desculpe-me a hora. Só agora, parei pra fazer um lanche,e olhar TI.

          Já invadiram,e faz tempo.
          Entre Uberlândia e Uberaba-MG,tem uma cidadezinha chamada de Patrocínio.
          Alí,por muito tempo os americanos extraíam ouro.
          E nós, não podíamos nem passar perto.
          Os gringo metiam a mão.
          Assim,como na região norte do país, Nióbio é deles.

          Pode ser,que sr.troque a ironia,pelo conhecimento dos Brasis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *