Emenda das eleições diretas em caso de vacância avança na Câmara

Imagem relacionada

Charge do Angeli (Folha)

Daniel Carvalho
Folha

Em poucos segundos, sem governistas em plenário, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara aprovou nesta quarta-feira (6) parecer favorável à PEC (proposta de emenda à Constituição) que estabelece a realização de eleições diretas em caso de vacância do cargo de presidente em até seis meses do fim do mandato.

A votação foi simbólica, com apenas sete deputados no plenário e aconteceu uma hora e meia depois do horário marcado para o início da sessão (9h).

MUDANÇA – O texto do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) é uma proposta de mudança à Constituição, que atualmente diz que, em caso de queda do presidente tendo decorrido pelo menos dois anos do mandato, o próximo ocupante deve ser escolhido por eleições indiretas, ou seja, por escolha do Parlamento.

O governo vinha protelando a votação desde maio deste ano. Agora, resolveu adotar a estratégia de ignorar a proposta para que ela saia de foco.

A PEC 227/2016 havia sido apresentada em junho do ano passado. A proposta foi barrada pelo então presidente da comissão, Osmar Serraglio (PMDB-PR), alçado depois a ministro da Justiça.

DESTAQUE – O tema havia ganhado destaque em maio deste ano depois que cresceram as chances de queda do presidente Michel Temer por causa das denúncias que surgiram contra ele. Temer foi alvo de duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República), que foram arquivadas pela Câmara.

Aprovada a admissibilidade da PEC na CCJ, o texto segue para uma comissão especial, que precisa ser criada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Miro Teixeira disse à Folha que vai procurar Maia o quanto antes para que a comissão saia logo do papel. “O Brasil não pode mais viver o que viveu, essa incerteza, insegurança”, disse o autor da PEC.

6 thoughts on “Emenda das eleições diretas em caso de vacância avança na Câmara

  1. Se Raquel Dodge cumprisse seu papel Constitucional já teria feito a 3ª denúncia contra Temer no caso da MP do porto de Santos, mas como foi indicada por ele justamente pra não fazer isso, só uma revolta popular !

    Então essa lei seria testada !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *