Empreiteiros pem culpa em deputado que j morreu

Janene, o falecido, continua sendoacusado

Rubens Valente
Folha

Dois executivos da empresa Unipar Carbocloro, de So Paulo, afirmaram em depoimentos terem sofrido presses do doleiro Alberto Youssef para pagamento de valores sem a prestao de servio.

Eles disseram que pagaram cerca de R$ 812 mil aps ameaas de Youssef e do deputado federal Jos Janene (PP-PR), morto em 2010.

Ao mapear os pagamentos recebidos pelas empresas de Youssef, a fora-tarefa do Ministrio Pblico e da Polcia Federal do Paran encontrou trs depsitos da Unipar Participaes na conta da MO Consultoria e da LCD Informtica de dezembro de 2008 a abril de 2009.

Conforme a investigao, as empresas foram criadas pelo doleiro para receber recursos do esquema de desvios da Petrobras. O dinheiro que entrava nas empresas era depois sacado ou transferido para outras contas com o objetivo de pagar propina a agentes pblicos, diz a PF.

A Polcia Federal deu um passo na investigao ao tomar o depoimento, em outubro, do contador Jos Octavio Vianello de Mello, que trabalhou na Unipar de 2001 a maro de 2014 como diretor financeiro, vice-presidente e presidente-executivo.

Ele contou que o controlador da Unipar, Frank Geyer Abubakir, recebeu de Janene em 2008 proposta de ajuda financeira de “um fundo rabe que pretendia adquirir participao da Unipar e por consequncia da Quattor”, empresa que tem como acionistas a Unipar e a Petrobras.

CUSTO DE CONTRATAO

Mello disse ter sido procurado logo depois por Youssef, que informou existir “um custo de contratao” para “a intermediao do negcio e prestao de servios de consultoria”. Com a anuncia de Abubakir, disse, a Unipar comeou a pag-lo, mas “nenhum servio” foi prestado.

A firma resolveu parar de pagar. Em resposta, disse Mello, Janene o “pressionou” a continuar “o pagamento acordado”. Abubakir tambm teria sido pressionado. Foram feitos ento mais dois depsitos at maio de 2009.

Uma semana depois de ouvir Mello, a PF tomou o depoimento de Abubakir, que tambm alegou presses e confirmou os pagamentos.

Ele disse que a promessa de Janene e Youssef era obter US$ 250 milhes de um grupo rabe. Janene teria o papel de “conselheiro” no negcio. Abubakir contou que, ao suspender os pagamentos a Youssef, Janene o recebeu em seu escritrio “de maneira agressiva”, com o “dedo em riste”, acusando-o de ser “moleque” e ameaando “acabar” com a vida dele.

O advogado de Youssef, Antonio Figueiredo Basto, no foi encontrado para comentar. Ele tem negado as acusaes de que seu cliente extorquiu ou pressionou empresrios. O doleiro fechou acordo de delao premiada, mas o contedo de suas declaraes sigiloso.

###
NOTA DA REAO DO BLOGJ deu para notar que est em curso uma estratgia de atribuir a maior parcela de culpa ao deputado Jos Janene, do PT, que tambm foi envolvido com o mensaleiro, mas morreu antes de cumprir a pena e foi fazer as contas com o Criador, digamos assim. A estratgia velha, mas sempre funciona bem, porque os mortos ainda no podem nomear advogados e tm de se defender sozinhos. (C.N.)

5 thoughts on “Empreiteiros pem culpa em deputado que j morreu

  1. A bem da verdade, esse corrupto no se escrevia com PT maisculo. Talvez no seu “genoma” tivesse um gene assim, mas como diz a matria era do PP. Deve ter ocorrido um lapso no comentrio, mais por causa da fora do hbito de se relatar tanto corruPTo.

  2. A economia e a turma de preto

    O governo de Dilma/PT, at agora tem mantido nossa economia em estado de pleno emprego. Grande faanha econmica e humana, principalmente, se comparada ao gigantesco desemprego do primeiro mundo, sem soluo a vista, desde final de 2008. Porm, temos que reconhecer que continuar mantendo a economia do Brasil fora da grande crise mundial do capitalismo, no coisa simples. Afinal, temos Dona Tecnologia fazendo milhares de desempregados em todas as reas da produo de riquezas, substituindo com grande sucesso, operrios braais e intelectuais. Alm disso, os crnicos e insolveis problemas sistema, dentre eles, a maldita antiqussima corrupo, que somada com a traio Ptria, so capazes de gigantescas destruies na economia.

    Dentro do contexto acima, temos a turma de preto descontente com a Comisso da Verdade. Essa turma da informao paralela, presente em todos os espaos, pblicos e privados, disponveis a coisas inconfessveis, sem nenhum temor a Deus pela pesada carga espiritual dos trgicos horrores dos tempos da ditadura militar, novamente, retomaram a contramo espiritual. Desta vez, empurrando o Brasil para o caos econmico tentando inviabilizar a reeleio da presidente Dilma/PT, a qualquer custo. No satisfeitas com as gigantescas badernas promovidas, nem com a retirada do penta do Brasil nessa Copa do Mundo com a infame filipeta 7×1 para a Alemanha, resolveram focar a velha grande corrupo na Petrobras. At que, denunciar a maldita corrupo seria muito bem vinda se inserida numa dimenso maior e patritica visando efetivo combate e reduo da criminosa devastadora corrupo.

    Na investida contra a Petrobras, o grande capital rapidamente percebeu a oportunidade de ouro nas intenes da turma de preto. Em conjunto, esto mostrando ao mundo, a importantssima Petrobras como antro de corrupes, em persistentes desmoralizaes de contnuas reportagens por toda a grande mdia livre, expondo a muito antiga conhecida roubalheira, fazendo a cabea do povo com claros objetivos: privatizao da Petrobras junto com as suas fantsticas reservas de petrleo existentes no Pr Sal. De outra forma, no teriam dado tanto apoio a eleio de Acio/PSDB (junto com FHC e Armnio Fraga).

    Se Acio/PSDB ganha, junto com FHC e Armnio Fraga, tudo leva a acreditar que a Petrobras e sua sideral riqueza em petrleo do Pr Sal seriam privatizados, leiloados a preos de bananas como no governo FHC/PSDB, nunca esquecendo da importantssima CVRD (hoje Vale) privatizada a preos nfimos e ridculos. Deste modo, dariam incio a novo ciclo de entreguismo, abrindo as portas para outras privatizaes em seguida, Banco do Brasil, Caixa Econmica, CEDAE, SABESP, etc. Lanando nossa economia na vala da falncia e do desemprego, geral.

    Nunca podemos esquecer as malditas privatizaes FHC/PSDB destroando nossa economia. Jogando o trabalhador e suas famlias, em grande desespero, nunca antes vistos. Por todo o Brasil, s ruas desertas, portas arriadas e milhares de placas Vende e Aluga, a falncia era geral. Grande parte da populao, em pouco tempo ficou desempregada. No Rio de Janeiro, em pleno horrio de trabalho, os nibus e metr circulavam quase que vazios. O aquecido e agitado centro do Rio de Janeiro ficou um deserto, com pouca gente transitando. Se computando os prejuzos a valores de hoje decorrentes das privatizaes FHC/PSDB, passam de R$ 10 trilhes. Dez trilhes de reais, isso sim que podemos chamar de sideral impune roubalheira.

    Por outro lado, nessa vergonhosa corrupo na Petrobras, diante das serssimas denncias decorrente da Operao Lava-Jato, a sociedade organizada deveria aproveitar essa oportunidade para recolher assinaturas visando elaborao de eficiente lei contra a corrupo, j sugeridas pelo povo h muitas dcadas atrs: total transparncia tributria e bancria de todas as pessoas, sem exceo alguma.

    Por conta da j demonstrada competncia e integridade, essa transparncia bem que poderia ficar a cargo da Polcia Federal PF, s que, dotada de todos os meios e recursos necessrios para efetuar contnua fiscalizao bancria, tributria e de registros de imveis, de todo cidado, pessoa fsica e jurdica, em permanentemente varredura digital de contas bancrias e registros de imveis buscando indicao de inconsistncias.

    Semelhantes providncias, somadas as outras mais, reduziria muito a destrutiva corrupo. Com certeza. O grande obstculo na implantao de qualquer espcie de eficiente ratoeira viria da prpria elite, nunca interessada nesse assunto. Apesar dessa resistncia, no podemos deixar passar o atual momento para implantar eficientes meios de informtica objetivando inviabilizar a velha grande corrupo, pai e me da traio a Ptria, do subdesenvolvimento, dos altos impostos, das injustias, das misrias e da pobreza. Que Deus nos ilumine. Acorda, Brasil.

  3. Vamos “Excelentissimas Excelencias” que tem o poder de darem sentenas e aceitarem denuncias, imputarem a Sergio Guerra, a Serjo e a Janene as culpas pela corrupo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.