Empresário suspeito foi finalista de prêmio internacional

Costa foi apenas ouvido

Deu na Folha

Os empresários Arthur Edmundo Alves Costa e Luis Alfeu Alves de Mendonça foram conduzidos à sede da Polícia Federal, no Rio, na segunda-feira passada, na 17ª fase da Operação Lava Jato. O Ministério Público chegou a pedir a prisão de Costa, mas o juiz federal Sergio Moro indeferiu e pediu que fossem encontradas evidências.

Costa é diretor da Personal Service, empresa que fornecia mão de obra terceirizada de limpeza para a Petrobras. A estatal não informa se o contrato ainda está vigente. Em 2015, ele foi finalista de um concurso sobre empreendedores do ano, que envolveu empresários de 60 países.

Segundo a delação do lobista Milton Pascowitch, pivô desta fase da operação, ele recebia propinas diretamente de Costa, até 2014, que giravam em torno de R$ 500 mil mensais. Os valores teriam sido pagos em espécie.

MULTITEK

Luis Alfeu Alves de Mendonça é diretor da Multitek, empresa que teria contratos com a Petrobrás no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro). De acordo com o delator, o acerto da propina era referente a três contratos fictícios referentes a três obras distintas, que somavam aproximadamente R$ 5 milhões, e foram realizados para embasar o recebimento do dinheiro que teria sido pago a Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras.

Segundo os procuradores da Lava Jato, Duque foi indicado para o cargo pelo ex-ministro José Dirceu, preso na segunda-feira passada. A reportagem não conseguiu entrar em contato com os advogados dos empresários. Os dois foram liberados após prestar esclarecimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *