Empresários defendem negócios com a China e as exportações devem dobrar em dez anos

Mourão e outros governistas que já acenaram à Coronavac | VEJA

A pesquisa da comissão será entregue hoje a Mourão

Eduardo Cucolo
Folha

Estudo encomendado pelo Conselho Empresarial Brasil-China propõe que os brasileiros olhem o parceiro asiático cada vez menos como competidor e ameaça e cada vez mais como referência e oportunidade, em especial para diversificar a pauta de exportação e absorver novas tecnologias.

O documento, que foi batizado de “Bases para uma Estratégia de Longo Prazo do Brasil para a China”, será divulgado nesta quinta-feira (26) pela entidade em um evento que prevê a presença do vice-presidente Hamilton Mourão.

INTEGRANTES – O conselho reúne diplomatas brasileiros e empresários que já mantêm relações com a China ou têm interesse no parceiro comercial. Entre os associados estão instituições financeiras e empresas como Banco do Brasil, Bradesco, BRF, CPFL Energia, Embraer, Itaú e Vale.

O estudo é lançado num momento de seguidas controvérsias políticas e econômicas, em que o país asiático é apontado como ameaça pelo governo Jair Bolsonaro e no contexto de uma disputa comercial e tecnológica mais acirrada com os Estados Unidos.

No capítulo mais recente, Eduardo Bolsonaro postou na sua conta no Twitter, na segunda-feira (23), que o programa Clean Network, ao qual o Brasil declarou apoio, protege seus participantes de invasões e violações. Segundo ele, a iniciativa afasta a tecnologia da China e evita a sua espionagem. No dia seguinte, o governo chinês rebateu.

CONSEQUÊNCIAS NEGATIVAS -A embaixada da China no Brasil afirmou na terça-feira (24) que o deputado segue os Estados Unidos para caluniar a China e pediu que a retórica norte-americana seja abandonada para evitar “consequências negativas”.

O embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, presidente do Conselho Empresarial Brasil-China, afirma esperar uma boa recepção das propostas pelo governo brasileiro, mas diz que o alvo prioritário é a iniciativa privada.

“Eu chamaria a atenção de que ele está sendo apresentado ao vice-presidente da República. Esperamos que receba uma boa acolhida por parte do governo brasileiro, mas lembraria que somos um conselho empresarial, formado por empresas privadas que têm interesses em fazer negócios com a China, em vender, investir e receber investimentos”, afirma Castro Neves.

COMISSÃO SINO-BRASILEIRA – Hamilton Mourão faz parte da Comissão Sino-Brasileira presidida pelos vice-presidentes dos dois países, que voltará a se reunir em 2021.

O estudo foi elaborado pela diplomata e economista Tatiana Rosito, que integra o Comitê Consultivo da entidade e representou o Brasil como diplomata e como chefe do escritório da Petrobras em Pequim.

Ele indica três principais caminhos para aproveitar as oportunidades geradas pelo avanço da economia chinesa. Também aponta três eixos (econômico, institucional e de sustentabilidade) e três agendas (infraestrutura, finanças e tecnologia) para o relacionamento com a China.

AGREGAÇÃO DE VALOR – O primeiro caminho é a agregação de valor às commodities exportadas pelo Brasil para a China, por meio da intensificação das relações com o mercado chinês e da descoberta de novos nichos.

A proposta cita também a adoção pelo país de tecnologias ou de partes das cadeias de produção que deixarão a China, além de uma combinação de importações de commodities industriais chinesas com a agregação de valor para consumo no Brasil ou exportação.

“Tão importante quanto o que o Brasil pode exportar para a China é o que o Brasil importa ou pode importar e como pode construir canais estáveis e eficientes para absorção de novas tecnologias em que a China oferece liderança crescente”, diz o documento.

NOVOS MERCADOS – “Há ainda oportunidades a serem exploradas pelas empresas brasileiras fornecedoras de matérias-primas para a China no desenvolvimento de negócios que possam ir ao encontro das necessidades chinesas, inclusive através da criação de novos mercados mediante a educação dos consumidores chineses para produtos sustentáveis produzidos no Brasil ou associados a marcas brasileiras”, assinala o trabalho da diplomata brasileira, dizendo que as exportações brasileiras podem dobrar em dez anos.

 

8 thoughts on “Empresários defendem negócios com a China e as exportações devem dobrar em dez anos

  1. Até quando o idiota do Bananinha vai continuar chutando as canelas do dragão?

    Se o bicho der uma cuspidinha faz virar carvão nosso agro negócio e as contas externas do país.

    Está mais do que na hora de dar um corretivo neste moleque, a primeira providencia é tirá-lo da comissão de relações exteriores da camara dos deputados e o segundo deixar bem claro que ele de maneira nenhuma fala pelo governo brasileiro no máximo ele fala pelos tresloucados terraplanistas da famiglia miliciana bolsonarista.

  2. Sonhar não custa nada. Mas a verdade é que o esforço da diplomacia brasileira é que nós fez reconhecidos internacionalmente. E agora mais por questões de egos pessoais voltamos a ser considerados um país instável. Volta Amorim. Volta Lula.

  3. As exportações devem dobrar em 10 anos?! Só acredito se essa previsão foi feita por pai-de-santo. Economistas só acertam quando revisam o passado.Um bom exemplo de erros que se repetem anualmente é a previsão do nosso PIB.

  4. Tá certo, isso é agir com inteligência. Precisamos desesperadamente de qualificar nossos empregos e para isso temos de obter acesso às tecnologias.

    Parcerias com a China são muito importantes, mas esse entendimento não é captado por muitos, inclusive por alguns de nossos governantes.

  5. Prezados…prezados…lembrem-se….Uma nação nao tem amigos…

    Chega de sermos otários do mundo…China? Me digam com sinceridade onde a tal tem tecnologias de ponta para nos dar como troca em negócios entre estados? China ? Qualquer analista isento…sabe que essa tal China é um Paraguai em maior território…só isso..
    Vejam os tais produtos chineses…vcs estão de brincadeiras….kkkkk

Deixe uma resposta para Gregório Abrantes de Lacerda Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *