Enquanto o PT “sangra”, a famiglia Lula prospera

http://www.municipiosbaianos.com.br/painel/noticias/imagens/fotos/A%20CHARGE%20DE%20LULINHA.jpgPercival Puggina

A estratégia “oposicionista” que se resume em “fazer o PT sangrar” me fez lembrar deste texto do colunista Felipe Moura Brasil, no site da revista Veja, publicado no início do ano. (http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/02/28)

***

A ELITE VERMELHA: DEPOIS DO LULINHA,
O SOBRINHO DO LULA

Felipe Moura Brasil

1) Era uma vez o sobrinho do Lula.

Taiguara Rodrigues dos Santos, segundo a Veja desta semana, “ganhava a vida em Santos, no litoral de São Paulo, onde se estabelecera como pequeno empresário, dono de 50% de uma firma especializada em fechar varandas de apartamentos. Mas a maré mudou.”

“Em 2012, uma de suas empresas de engenharia, a Exergia Brasil, foi contratada pela Odebrecht para trabalhar na obra de ampliação e modernização da hidrelétrica de Cambambe, em Angola. O acerto entre as partes foi formalizado no mesmo ano em que a Odebrecht conseguiu no BNDES um financiamento para realizar esse projeto na África”.

Resultado: algum tempo depois, Taiguara já “havia comprado uma cobertura dúplex de 255 metros quadrados em Santos, dirigia um Land Rover Discovery de 200.000 reais e tomou gosto por viagens pelas capitais do mundo, hospedando-se sempre em hotéis de alto luxo”.

O sobrinho do Lula está rico.

2) Era uma vez Lulinha.

Fábio Luís Lula da Silva era, nas palavras de Jair Bolsonaro, “limpador de estrume de elefante no Zoológico de São Paulo”. Até os 28 anos, ganhava R$ 600. Mas a maré mudou.

Menos de um ano após a posse do pai em 2002, Lulinha virou sócio de uma produtora especializada em jogos, a Gamecorp, que, com capital de apenas 100.000 reais, conseguiu vender parte de suas ações à Telemar, a então maior empresa de telefonia do país, por 5,2 milhões de reais. Em 2006, a Telemar injetou outros R$ 10 milhões na Gamecorp como antecipação de compra de comerciais na Play TV, antigo Canal 21, arrendado por 10 anos à empresa de Lulinha pela Rede Bandeirantes para seis horas de programação diária.

Como a Telemar tinha capital público e era uma concessionária de serviço público, a sociedade com o filho do presidente sempre causou estranheza. O objetivo mais óbvio seria comprar o acesso que ele tinha a altas figuras da República. Sim: Lulinha foi acionado para defender interesses maiores da Telemar junto ao governo do pai. Em especial, em setores em que se estudava uma mudança na Lei Geral das Telecomunicações, que impedia a compra da Brasil Telecom. No fim de 2008, veio a “coincidência”: a lei foi alterada por decreto de Lula, e a Telemar formou com a Brasil Telecom um império de telecomunicações.

Lulinha está rico.

3) Era uma vez Lula.

Calma: não vou contar a história do sindicalista que subiu ao poder pregando a ética na política.

Só lembro seu comentário em 2006 sobre a estranha evolução de patrimônio do filho:
“Porque deve haver um milhão de pais reclamando: por que meu filho não é o Ronaldinho? Porque não pode todo mundo ser o Ronaldinho.”

Não pode todo mundo enriquecer depois de receber 15 milhões de reais da Telemar. Não pode todo mundo enriquecer depois de assinar um contrato com a Odebrecht. Não pode todo mundo ser filho ou sobrinho do presidente da República.

Lula já tem dois “Ronaldinhos”. Os três estão ricos, enquanto o Brasil está pobre.

2 thoughts on “Enquanto o PT “sangra”, a famiglia Lula prospera

  1. Filho de peixe, é peixinho. Filho de lula, é lulinha. Tudo de pai para filho, desde 2003.
    Assim é o socialismo deles. Ser sócio de tudo o que der lucro e preferencialmente, não ocasione despesas.
    A “viúva” é a preferida para estas sociedades, pois entra com a grana e os “espertos”, com a ganância.
    Aqui em SC, hoje tem uma empresa de grande porte, declarando nos jornais que não pertence ao lulinha.
    Acho que o rapaz realmente aproveitou a “deixa”, porem o que estão atribuindo a ele, já é exagero.
    Lulão e lulinha, tudo haver com o progressismo, principalmente deles.

  2. Eu queria ver também vocês publicarem que o Banco Araucária da Família Bornhausen estava envolvido em fraudes financeiras. Que a venda das teles e da vale foi a preço de bananas pelo FHC, q tem filho bastardo com ex- repórter da Globo. Que um avião cheio de coca caiu em Minas e pertencia a amiguinhos de Aecim. “Há algo de podre no reino da Dinamarca”, mas “Há qualquer coisa no ar, além dos aviões de carreira”. Digo: Não deem guarida a carreiras que não sejam de aviões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *