Entenda por que a Globo continua fora do escândalo da Fifa

Carlos Newton

O escândalo da Fifa é interessantíssimo, porque mexe com a maior paixão mundial, a ponto de a Federação Internacional de Futebol ter mais países-membros do que a própria Organização das Nações Unidas (ONU). E como o Brasil, por justa razão, ainda é considerado o País do Futebol, é claro que uma confusão desse tipo, envolvendo diretamente a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), desperta interessa invulgar.

Quem possui o mínimo de noção a respeito da estrutura do futebol brasileiro está estranhando que até agora o escândalo não tenha atingido a Organização Globo, que sempre teve grande aproximação com a CBF, desde os tempos do presidente João Havelange, quando a Confederação não era apenas de Futebol, mas de Desportos em geral, sob a sigla CBD.

O fato é que a Organização Globo foi dominando o futebol progressivamente, até conquistar o direito de transmitir com exclusividade todos os campeonatos nacionais, estaduais e internacionais. A Band e o SBT chegaram a tentar enfrentá-la, mas a rede de Silvio Santos acabou desistindo e a Band hoje funciona como linha auxiliar, apenas para fazer crer que não existe monopólio da Globo, que determina até mesmo o horário de início das partidas, para não atrapalhar sua programação.

A pergunta que fica no ar é a seguinte: Mantendo tamanho envolvimento com o futebol brasileiro e internacional, então por que a Globo continua fora do escândalo da Fifa?

O MOTIVO É SIMPLES

Acontece que o principal pivô da investigação sobre a Fifa é o ex-repórter José Hawilla, dono da empresa Traffic, que usou o futebol para se tornar um dos mais ricos empresários brasileiros. Para se livrar da prisão, ele colabora com o FBI (Polícia Federal dos EUA) desde 2013, usando grampo para gravar conversas com outros envolvidos em esquemas de pagamento de propina e lavagem de dinheiro ligados a contratos de futebol, incluindo o então presidente da CBF, José Maria Marin, que está preso na Suíça há uma semana.

Supõe-se que o delator Hawilla tenha gravado todos os principais envolvidos, como José Maria Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero. Gravou até mesmo o representante da Traffic nos EUA, Aaron Davidson. Mas estrategicamente Hawilla deixou de gravar as negociações com a Globo, que é a organização para a qual ele realmente trabalha, como operador da maioria dos canais de retransmissão da emissora no próspero interior de São Paulo. Hawilla pode perder tudo, menos a parceria com a Globo, e foi justamente por isso que ele deixou de fora das investigações o grupo dos irmãos Marinho. Simples assim.

A Globo é altamente profissional, especialmente  nas maracutaias. Foi exatamente para não se ver envolvida nelas que a Globo parou de disputar concorrências esportivas internacionais. Não disputou nem mesmo a transmissão da Copa do Brasil, vocês acreditam?

Preferiu deixar essa grandiosa missão para J. Hawilla, que soube executá-la quase à perfeição. Nunca lhe passou pela cabeça que sua vida fosse ser esquadrinhada pelas autoridades norte-americanas. Mas a Fifa decidiu excluir os Estados Unidos como candidato novamente a sediar a Copa, beneficiou a Rússia e os norte-americanos decidiram investigar o que estava acontecendo.

O resultado aí está. Vamos aguardar os próximos capítulos, porque a novela é longa.

3 thoughts on “Entenda por que a Globo continua fora do escândalo da Fifa

  1. Estimado sr. Carlos Newton, será que a poderosa organização mafiosa escapará até mesmo dos poderosos tentáculos das imparciais instituições norte-americanas (ou “estadunidenses”, como diria seu famigerado colaborador “genésioboff”)? Ou estará tudo irremediavelmente dominado e perdido?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *