Entenda por que Bolsonaro está certo de que conseguirá desmoralizar a urna eletrônica

TRIBUNA DA INTERNET | Bolsonaro volta à carga contra as urnas eletrônicas e vai dar uma trabalheira a Fachin

Charge do Zé Dassilva (NSC Total)

Carlos Newton

A votação eletrônica é um avanço que sempre despertou suspeitas, mesmo assim o Brasil tomou a frente e foi o primeiro país importante a universalizar esse tipo de eleição. Desde sempre houve acusações de fraude, porém jamais foram comprovadas, conforme a Polícia Federal acaba de constatar, após revisitar todos os inquéritos eleitorais abertos a partir de 1990, verificando  que somente houve provas materiais de fraude quando as eleições ainda eram em papel.

Apesar desta realidade concreta, causa espanto a disposição com que o presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a votação eletrônica, desta vez se apoiando na atuação do representante das Forças Armadas na Comissão de Transparência do Tribunal Superior Eleitoral.

DISSE BOLSONARO – Em sua live semanal pela rede social na última quinta-feira, dia 28, Bolsonaro estava ao lado do general-ministro Augusto Heleno e cobrou que o TSE acolha as propostas dos militares para aprimorar o processo eleitoral, mas não citou nenhuma delas.

Terão mais reuniões para convencer o TSE de que as sugestões das Forças Armadas, para o bem de todos, deveriam ser acolhidas”, adiantou, acrescentando: “Estou vendo notícias na imprensa, se é verdade não sei, que eles (TSE) não querem aceitar as observações das Forças Armadas”, acrescentou, ressalvando que os militares nem pediram adoção do voto impresso neste ano, mudança que ele próprio defende.

Para o TSE, tá uma maravilha, vamos confiar nas eleições. E quem desconfiar? Continua desconfiando. O que posso garantir para vocês? Que teremos eleições limpas no corrente ano”, afirmou o presidente, na live. “É o que todo mundo quer, acredito que sem exceção, a não ser aquelas pessoas que pensam em fazer algo que nós não concordamos, esse nós somos todos nós.”

TRADUÇÃO SIMULTÂNEA – Essa linguagem cifrada requer maiores explicações.  Na verdade, Bolsonaro está desafiando abertamente o TSE porque o Exército contratou uma empresa paramilitar israelense, especializada em guerra cibernética, para localizar fraudes nas eleições brasileiras.

Oportuna reportagem de Paulo Motoryn, no site “Brasil de Fato”, revela que o general Héber Garcia Portella, comandante de Defesa Cibernética do Exército e integrante da Comissão de Transparência Eleitoral do TSE, foi responsável pela contratação da empresa CySource, em março deste ano.

Portanto, é tudo um jogo armado para tentar desmoralizar a votação eletrônica, porque a firma israelense é representada no Brasil pelo analista de sistemas Hélio Cabral Sant’ana, que até março era diretor de Tecnologia da Informação da Secretaria-Geral da Presidência da República no próprio governo Bolsonaro. É mais do que coincidência, está tudo em casa.

TUDO EXPLICADO – No mesmo mês, Sant’ana  deixou o governo federal e imediatamente passou a  atuar como representante da CySource na contratação pelo Exército, a pretexto de “capacitação de militares em defesa cibernética”. Detalhe importantíssimo: para sair do Executivo e assumir o cargo na CySource, Sant’ana teve autorização especial da Comissão de Ética Pública da Presidência.

A CySource foi fundada por veteranos das forças de defesa militar de Israel, que se orgulham de contar com “a melhor plataforma de educação e treinamento em segurança cibernética baseada em Inteligência Artificial do mundo”, segundo a surpreendente reportagem de Paulo Motoryn no site Brasil de Fato.

Assim, não mais que de repente, diria Vinicius de Moraes, a cortina se abriu e agora é possível saber por que Bolsonaro está tão autoconfiante.

ABSOLUTA CONVICÇÃO – Os especialiatas israelenses ainda nem apresentaram o primeiro relatório, mas Bolsonaro já se mostra radiante. Está mais do que convicto de que será possível provar que teria vencido a eleição de 2018 no primeiro turno.

Se realmente conseguir essa carta na manga, o presidente então poderá adiar indefinidamente as eleições, mantendo os mandatos de todos os eleitos – ele próprio, os governadores, os parlamentares federais e os deputado estaduais.

Será um golpe branco, sem blindados e tanques nas ruas. Ou seja, um 1964 de terno e gravata, com novo estilo de AI-5. 

###
P.S. –
Bolsonaro, no entanto, não deveria estar tão confiante. Em seu delírio, não lhe passa pela cabeça que os especialistas israelenses possam confirmar a segurança das eleições brasileiras. Se isso acontecer, ele estará irremediavelmente derrotado, seja por Lula ou por algum candidato da terceira via. Somente se os israelenses encontrarem alguma grave falha é que o golpe de Bolsonaro poderá ser facilitado, porque nesta hipótese, com apoio entusiástico dos militares, ele poderá escapar de uma eleição dificílima. Como se sabe, sua rejeição é tão alta que poderá ser derrotado por qualquer outro candidato no segundo turno. Acredite se quiser, como dizia o ator Jack Palance. (C.N.)

9 thoughts on “Entenda por que Bolsonaro está certo de que conseguirá desmoralizar a urna eletrônica

  1. É impressionante como não se entende o problema e sem entender o problema, não há como discutir com seriedade a questão das urnas.
    O problema do modelo de urna eletrônica usada no Brasil, não é a possibilidade de invasão por hackers ou qualquer outra bobagem assim.
    O problema é que está não permite a fiscalização pelo eleitor sobre o próprio voto. E é por isso que ela não é aceita em nenhum outro lugar e foi proibida pela suprema corte alemã.
    Se o cidadão não pode fiscalizar seu próprio voto então está urna deveria ser abandonada imediatamente. Toda a sua fiscalização depende da confiança cega a órgãos do Estado.
    Princípio básico de qualquer democracia é desconfiar sempre do Estado.

  2. Bolsonaro perde tempo atacando as urnas quando a safadeza ocorre na apuração. Foi assim com o Dilma x Aécio quando a manipulação foi feita dentro do TSE através de uma apuração secreta mas, os petistas souberam do resultado antes mesmo da apuração terminar. Podem fazer novamente.

  3. E O BAILÃO DO BLÁ-BLÁ-BLÁ DOS ME$MO$ segue de vento em popa, com Lulas, Bolsonaros, seus puxadinhos e cia da mesmice caprichando nas suas pérolas ignóbeis. BOLSONARO NA LIVE: “O que posso garantir para vocês? Que teremos eleições limpas no corrente ano”. “É o que todo mundo quer, acredito que sem exceção, a não ser aquelas pessoas que pensam em fazer algo que nós não concordamos, esse nós somos todos nós.” Bolsonaro e a eleição dos nós, que ele ama de paixão, a julgar pela sua fala. O fato é que nunca, jamais, em tempo nenhum, existiram eleições limpas no Brasil, e a culpa nunca foi da urna eletrônica, nem do sistema de votação e apuração, mas é, isto sim, do sistema político que nasceu podre e podre continua, à moda pau que nasce torno o destino é morrer torto, tipo samba de uma nota só, digo, de um plano só, que apelidei de Plano CARACU, face ao qual ele$, os candidatos e donos de partidos e ditaduras, de direita, esquerda e centro, entram com a CARA e o povo entra com o C.Ú (caixa único) da república dos me$mo$, sediado, concentrado e centralizado em Brasília, a “Ilha da Fantasia” dos me$mo$. Bolsonaro, a exemplo do resto, infelizmente, tb mente, desbragadamente, descaradamente, compulsivamente… A patuscada dos me$mo$, digo, do militarismo e do partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, até que é divertida, mas o problema da dita-cuja é a relação custo/benefício, que já levou a república dos me$mo$ à lona, e tornou-se insuportável nas costas dos que trabalham e pagam tributos. Daí, a necessidade de pensarmos, seriamente, naquilo que o Bolsonaro disse que nenhum dos “nós”, culpando as pessoas que querem fazer algo que os nós não concordam. QUE ALGO SERÁ ESSE, E QUAIS PESSOAS SÃO ESSAS, que querem fazer algo que o nós não concordam ? Será a Democracia Direta com Meritocracia, a custo zero no lombo do contribuinte, aberta à participação de todos e todas, independentes de partidos, com mandatos de no máximo 5 anos, sem reeleição, com eleições gerais, renovação total e alternância no poder de 5 em 5 anos, para todos os cargos, para que o país e povo possam trabalhar em paz, planejar e tocar a suas vidas respirando outra coisa que eleição todo dia, como propõe a Revolução Pacífica do Leão, o megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, a Democracia Direta com Meritocracia, a nova política de verdade, a Nova Via Extraordinária, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, da qual os nós das velhas vias do velho sistema dos me$mo$ estão fugindo igual o diabo foge da cruz ?

  4. Desde a segunda geração de main frames trabalhei em computadores de diversas marcas, notadamente IBM.
    Embora admita que a urna eletrônica poderia fornecer um comprovante do voto, minha desconfiança é na computação da soma dos mesmos.
    É aí que mora o perigo.

  5. CN não podemos comparar as pesquizas de “boca de urna” com os resultados apurados?!!!
    Não podemos resgatar estas informações dos quatro últimos pleitos?!!!
    Por último foi ‘vero’ que se trancaram na sala de apuração em 2014 e não mais que de repente mudou a evolução dos índices do pleito, onde o Aécio aparentemente foi prejudicado?!!!
    Temos algum tempo ainda para tentar parar o ‘Trump dos trópicos’. Ou seja o ‘tosco’.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.