Entenda por que Lula e Dilma estão pedindo apoio a FHC

Carlos Newton

A política brasileira vive momentos de surrealismo puro. Os jornais divulgam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou amigos em comum a procurar Fernando Henrique e propor uma conversa entre os dois sobre a crise política.

Quando surge esse tipo de notícias “plantada”, é preciso haver tradução simultânea. Trata-se de uma conversa fiada. Lula não autoriza ninguém a fazer nada, ele simplesmente manda fazer. No caso, se quisesse falar com FHC, ele apenas mandaria algum diretor do Instituto Lula telefonar para marcar o encontro. FHC, que é o mais vaidoso dos mortais e não tem o que fazer, salvo atrapalhar o PSDB, aceitaria na hora.

Então, o que houve? Ora, Lula mandou plantar esta notícia para apagar o incêndio no PMDB, ateado por Eduardo Cunha, e que vai se alastrando pouco a pouco.

UM MINISTRO INÚTIL

Apanhado de surpresa pelo “factoide” de Lula, o Planalto seguiu na mesma balada, com o inexpressivo e inútil ministro Edinho Silva deitando falação:

“Em todos os países democráticos é natural que ex-presidentes conversem e, muitas vezes, que sejam chamados pelos presidentes em exercício. Essa é uma prática comum nos Estados Unidos, por exemplo”, afirmou o titular da Comunicação Social, para tirar uma onda de intelectual, mas acabou falando bobagem, porque essa prática não existe em nenhum país democrático. É raríssimo acontecer, salvo em Cuba, onde Raúl Castro tem de estar sempre ouvindo o irmão Fidel, e aqui no Brasil, onde toda a vez que a presidente Dilma Rousseff deixa de ouvir Lula faz alguma bobagem.

FHC NA EUROPA

Lula mandou criar essa notícia falsa, porque sabia que FHC está na Europa, passeando com a nova esposa, e aceita tudo que possa colocá-lo de volta ao noticiário. Os jornais dizem que o objetivo imediato da aproximação seria buscar conciliadores que pudessem frear os líderes oposicionistas que defendem o impeachment de Dilma.

A tradução simultânea indica que o objetivo real é conter o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Lula e o Planalto sabem que ele é o verdadeiro inimigo, porque controla a maioria dos deputados e facilmente poderá conduzir o processo de impeachment, desde que seja apresentado à Mesa da Câmara um pedido bem fundamentado.

Lula e Dilma sonham (?!) que a oposição (PSDB, DEM, Solidariedade e PPS) possa se juntar ao que restou da base aliada, que Cunha demoliu com a maior facilidade. Ainda bem que sonhar ainda não é proibido.

DIA 16 DE AGOSTO

Agosto vem aí e o dia D já está marcado: será dia 16, um domingo. Se as ruas se encherem de opositores de Dilma e do PT, o impeachment passa a ser apenas uma questão de tempo.

Impeachment é um fato político, não é um processo jurídico, que necessite de provas materiais bem comprovadas. Collor foi cassado sem haver uma só prova contra ele, a não ser o fato de ter recebido uma Fiat Elba de presente. O povo não o queria mais, e o Congresso sempre faz o que povo quer, como dizia o ex-presidente da Câmara Ibsen Pinheiro (PMDB-RS). Sábias palavras.

7 thoughts on “Entenda por que Lula e Dilma estão pedindo apoio a FHC

  1. “O Congresso sempre faz o que o povo quer” no último parágrafo … nem sempre … em agosto de 2013 o povo pediu voto facultativo, ainda não veio, seremos obrigados a votar em 2016… aqui na Europa é facultativo … quem não deve não teme, diz a sabedoria popular.

    Com relação ao impeachment, a meu ver, o povo não tem certeza absoluta, pode ser uma boa ou não. Aguardemos …

  2. Mentira
    Edinho Silva (Secom) como todo PeTista é mentiroso ao dizer que é comum nos Estados Unidos o ex presidente conversar com o Presidente em exercício.

    Não é verdade: esporadicamente, presidente em exercício e todos os anteriores podem participar juntos de um evento nacional, nada além disso.

    George W. Bush nunca chamou Bill Clinton para uma conversinha.

  3. O Lula perguntou a Bill Clinton o que ele achava do Bush autorizar os EUA invadir o Iraque.
    O Clinton deu a entender ao mesmo que lá eles quando saíam do governo não opinavam em nada na maneira de governar do seu sucessor.

  4. Manifestação de brasileiro deixa a desejar…
    BRASIL + CARAS PINTADAS É= A PIZZA
    Conheci aqui em Salvador um Cubano em Férias (Não, não foi Fidel que lhe deu férias), o mesmo através de um intercâmbio veio estudar economia na Unicamp.
    Tomando umas cervejinhas com esse gente boa ele me argumenta sobre a questão dos caras pintadas terem tirado o Collor do poder.
    Com uma piada desta quase me engasgo com a cerveja.
    Será que ele estava me gozando?
    Bom, tive que lhe dizer o seguinte: – Prezado, o povo deste país é apenas um detalhe, quem tirou Collor do poder foram os próprios que lá o colocaram. Aqui se colocou na cabeça de nós povão que os caras pintadas derrubaram um presidente…

    Manifestação de Brasileiro nas ruas na maioria das vezes tem que: Ter Samba, carnaval, cantar o hino nacional, o líder ir ao Jô e depois se candidatar a deputado federal e a líder ser convidada para ir ao Jô e depois posar na Playboy e mais balelas e mais outros blás, blás, blás…
    O jornal do Brasil pesquisou sobre os Caras pintadas e descobriu que seus ídolos preferidos eram Xuxa, Ayrton Senna…
    só faltaram incluir Chapeuzinho Vermelho, o Lobo Mau, Cinderela… esse povo pensa? Um povo culto, politizado, que sabe pensar leva a sério e tem como ídolo a Xuxa?
    Segundo a ONU, o país da América do Sul onde o povo é mais politizado é o Chile.

    Puxei da Internet este texto sobre o Movimento popular na França em 1968:
    “O pretexto foi uma vulgar reforma do ensino, pensada pelos donos do poder. Mas as razões profundas eram tensões, tédios e insatisfações que se haviam acumulado na sociedade, particularmente entre os jovens; sem elas maio não teria sido possível e as ruas não se teriam enchido, nem o movimento ultrapassaria os muros das universidades, se espalhando como uma mancha de azeite pelas periferias operárias.”
    Lá funcionou.

    Numa entrevista dada ao Mário Kertész o Sebastião Nery diz:
    – O Collor achava que o apoio popular que ele tinha, os outros não tinham. “Eles não têm coragem de fazer nada con¬tra mim”.
    Eu disse: “Collor, esse apoio popular, o doutor Roberto Marinho tira com uma novela. E não é que ele fez a novela? Foi aquela ‘Anos Rebeldes’, cheia de sacanagens contra Collor. Aí a Globo começou a organi¬zar a derrubada do Collor. Por-que o Collor falhou com o Roberto Marinho. Marinho tinha uma empresa que trabalhava com satélite e estava aliado aos alemães e canadenses para o primeiro satélite brasileiro. E evidente que o presidente da República não assinou”.
    E em outra ocasião o mesmo Sebastião Nery escreveu que uma das coisas onde o Collor falhou foi não ter recebido os donos das empresas de mídia do Brasil. Ele até cita que o mesmo não aceitou receber em audiência o dono do grupo Abril.

    Não que eu ache que um presidente deva dar satisfações a Globo, revista Veja, Folha de S. Paulo…
    Mas como estamos no Brasil…

    Deu em que as Diretas Já? De que adiantou um milhão de pessoas em praças públicas pedindo por eleições diretas?
    Sabem o que aconteceu? Eu sei + ou menos, estudei pouco, mas sempre procurei através da leitura me informar um pouco sobre alguns assuntos de algumas áreas do conhecimento e esse pouco serviu-me para desbloquear meu cérebro. O desbloqueio do meu cérebro levou-me a entender um pouco de como funciona a classe política deste país.
    O presidente da época era o Figueiredo.
    O Dante de Oliveira (antes de morrer esse moço era filiado ao PSDB de FHC e que se aliou ao PFL) lançou para votação a emenda das “Diretas Já” pedindo eleição direta para presidente.
    Podem não acreditar, mas eu tinha certeza de que este projeto não passaria, pois já sabia há tempos como funcionava a política deste país.
    Pois bem, tinha um tal Gastone Righi que me parece ter sido o principal membro do PTB.
    Ele com seu PTB diziam ser oposição ao governo. E foi, até o dia que este mesmo governo lhes deu em troca do apoio de sua bancada, cargos de presidente e diretorias em estatais.
    Pronto, funcionou o toma lá e me dê cá. Daí a emenda das diretas foi pras cucuias.

  5. Ainda sobre as Diretas Já.
    Algumas pessoas pensam que no Brasil só se encontram demagogos e picaretas dentro da política, antes fosse.
    Conheço (claro, não pessoalmente) vários que não militam na política.
    Basta dizer que dentro de templos evangélicos têm picaretas imaginem em outras instituições.
    Vou citar um cara que não é picareta, mas deu uma de demagogo pra cima do povão. Nos seus bons anos de futebol ele aplicou a lei da demagogia pra cima dos bobos que acreditam em Papai Noel.
    Antes da data da votação das “Diretas Já” na Câmara Federal o jogador Sócrates estava sendo comprado por uma fortuna acho que pela Fiorentina da Itália.
    Pois bem, o jogador espalhou pela mídia que se a emenda das diretas passasse, digo, fosse aprovada o mesmo não sairia do Brasil para jogar no futebol estrangeiro.
    Ô Sócrates, você quis enganar a quem? Estás subestimando a inteligência das pessoas? Você acha que todo brasileiro acredita em historinhas da carochinha? Haja com sinceridade meu caro. Siga o exemplo do seu xará da antiga Grécia.
    2 coisas:
    1º Sócrates abria mão de fazer sua independência financeira através de milhares de dólares em pro da sua pátria e seus amados súditos (que bonzinho, é a madre Teresa tupiniquim).
    2º Eu um cara de pouca cultura sabia que o governo Figueiredo ia articular sua base de apoio para compra de políticos (o que é normal na política do Brasil), imaginem o Sócrates não saber, um homem letrado, um dos poucos jogadores a ter formação superior.
    + DEMOGOGIA: Quando estavam fechando o contrato do Sócrates em algum lugar lá pela Av. Paulista o jogador estava presente e segundo a imprensa o mesmo se aborreceu e ameaçou se retirar do local alegando que ele não era mercadoria para ser negociado daquela maneira.
    Tadinho, vendo seu contrato ser fechado e sentindo milhares de dólares entrando em seus bolsos um dos “heróis” das diretas fica zangado por nada.
    Só faltou dizer: Olha eu não quero ser rico não, não quero, não quero e não quero.
    Será que não disse?

    Obs.: Escrevi este texto em 2006 e postei aqui como comentário em 2010
    Motivo pelo qual posto novamente: PARA MOSTRAR O QUANTO ACREDITO NA FORÇA E NA CAPACIDADE DE LUTA DO POVO BRASILEIRO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *