Eram quatro amigos, três Paulos

Sebastião Nery

Era um grupo de amigos da Rua Rodrigo Otávio, na Gávea, no Rio dos anos 60. Numa sexta-feira, sem programa, quatro deles resolveram ir a Petrópolis, arriscar alguma aventura. Pegaram a litorina, um trem que fazia Rio-Belo Horizonte, desceram em Petrópolis, hospedaram-se no Hotel Comercial, perto da estação, quatro camas em um quarto só.

Saíram para curtir a cidade. Fazia um frio do cão, ninguém pelas ruas. Deixaram o programa para o dia seguinte, voltaram para o hotel. De madrugada, “uma voz arfante, nervosa e solitária, gemia”. Na janela, com um enorme lenço branco, um deles tentava respirar o ar frio de Petrópolis.

Os outros acordaram, foram socorrê-lo:

– O que é que você tem?

– Asma. Sou asmático e às vezes não consigo dormir por falta de ar.

###
PAULO COELHO

Bombeava seu remédio na boca, tomava fôlego, gemia e se maldizia:

– Vejam vocês. Que futuro posso ter, se nem consigo respirar, feio, tímido e inseguro como sou e ainda por cima doente, quase tuberculoso?

“Tossia, levava o lenço à boca, cuspia do alto da janela, fazendo lembrar os poetas tísicos que morreram moços, muito moços. Naquela janela, pernas encolhidas, queixo nos joelhos magros, era a fotografia da desesperança. Custava-lhe muito falar. A impressão é que não chegaria vivo ao amanhecer”.

Os amigos tentavam animá-lo e ele ali sofrendo. Eram quatro, três Paulos: Paulinho, hoje coronel da reserva da Aeronáutica; Paulo César, hoje o artista plástico Mendes Faria, e o terceiro Paulo, o asmático, tossindo e cuspindo na janela, “frágil, inseguro e amedrontado como um filhote sem mãe, queixava-se de ser muito feio, raquítico, sem nenhum charme para as garotas e predizia para si mesmo um destino infeliz. Seu sonho era ser rico, famoso e membro da Academia Brasileira de Letras”.

O nome dele era Paulo Coelho, hoje rico, famoso, membro da Academia Brasileira de Letras e o maior fenômeno mundial do livro.

###
MENDONÇA NETO

O quarto amigo, que contou esta história em um primoroso livro de crônicas (O Ministro Que Virou Garçon), é o veterano jornalista Mendonça Neto, mineiro que passou por algumas das mais importantes redações do Rio, como o Diário de Notícias, O Cruzeiro, a Manchete, Tribuna da Imprensa e foi duas vezes deputado estadual e duas vezes federal pelo PDT e pelo PMDB de Alagoas.

Além de Paulo Coelho, seu livro tem numerosos outros brilhantes perfis: dom Helder, Carlos Lacerda, Prestes, Brizola, Jânio Quadros, Adolfo Bloch, Castelo Branco, Teôtonio Vilela, Fernando Henrique, etc. Imperdível.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *