Escândalo deixa Petrobras num clima de apocalipse em 2015

Mario Cesar Carvalho
Folha

“Annus horribilis” –expressão em latim que significa, como se imagina, “ano horrível”– é pouco para definir o que aconteceu com a Petrobras em 2014. Pela primeira vez na história do país, dois ex-diretores da petroleira foram presos sob acusação de receber propina de fornecedores. Pela primeira vez, mais de 20 dirigentes de empreiteiras foram presos.

Pela primeira vez, o que se dizia à boca-pequena foi vocalizado por um ministro do Superior Tribunal de Justiça e pelo procurador-geral da República: “roubalheira”, cenário “desastroso”, assalto.

Pela primeira vez, também, um integrante da cúpula da petroleira, o ex-diretor Paulo Roberto Costa, falou que os contratos eram superfaturados, e que o valor a mais virava suborno, distribuído a políticos e servidores.

O que triturou a imagem da empresa, apontada pelo ex-presidente Lula como aquela que mudaria o futuro do Brasil com o pré-sal, foi a Operação Lava Jato da Polícia Federal –além, é claro, da gestão desastrosa da estatal.

DOLEIRO DE PROVÍNCIA

O que parecia inicialmente uma investigação da PF sobre um doleiro de província, Alberto Youssef, que iniciara seu trabalho em Londrina (PR), acabou virando uma ameaça para políticos como o presidente do Senado, Renan Cavalheiros (PMDB-AL), citado por delatores entre os beneficiados do esquema. A lista de envolvidos deve ultrapassar 50 parlamentares do PT, do PMDB e do PP, sobretudo.

Há alguns indícios de que os desvios da Petrobras substituíram o mensalão, esquema de financiamento da base de apoio do PT na Câmara dos Deputados, revelado pela Folha em junho de 2005.

ESCALA DE VALORES

Se os dois esquemas têm alguma semelhança no modus operandi (contratos superfaturados dos quais saíam recursos para o suborno), há um abismo a separar a escala de valores. No mensalão, a propina era retirada de contratos de publicidade de R$ 130 milhões. Na Petrobras, só duas das obras investigadas, a refinaria Abreu e Lima e o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, custaram mais de R$ 200 bilhões, o equivalente a 1.500 vezes a base financeira do mensalão. Os desvios são estimados em R$ 11 bilhões.

Essas cifras superlativas talvez ajudem a explicar por que a Petrobras foi a companhia que mais se desvalorizou no governo Dilma (2011-2014), segundo estudo de uma consultoria. Seu valor caiu de R$ 380,2 bilhões para R$ 179,5 bilhões, uma sangria de R$ 200 bilhões. “Annus apocalyptus” talvez seja a melhor definição para o 2014 da estatal.

6 thoughts on “Escândalo deixa Petrobras num clima de apocalipse em 2015

  1. Está difícil até de comentar, pela continuidade do assunto (desmonte da Petrobras e das demais estatais) que começou com FHC, passando (?) por Lula e agora com Dilma, sem esquecer os presidentes antigos que se aliaram com estes últimos. É claro que sofreram e sofrem de pressões de todos os tipos (externas e internas) porém, não se concebe que não tenham, pelo menos, esboçado alguma reação que seja perceptível pelo povo de que pelo menos tentaram remar contra a maré que tenta destruir o Estado, com todas as consequencias advindas para a população, independentemente da condição social. Esperemos que os resultados desta operação “Lava-jato”, não se tornem um “simples” mensalão, processo onde a apuração e so para brasileiro ver, pois estão quase todos soltos (em prisão domiciliar, mas passeando pelo país).

    • Um adendo:
      Sou crítico quanto à forma como foram e são feitas as privatizações, através das negociatas estampadas nos jornais, com utilização de recursos públicos através dos bancos estatais e fundos de pensão, além de envolverem as empresas estratégicas para o desenvolvimento do país.

  2. Um País para se desenvolver, capitalizar e dar bom Padrão de Vida a seu Povo, necessita de Empresas Nacionais com Matriz no País. Só elas desenvolvem TECNOLOGIA NACIONAL, o fator que diferencia um País Desenvolvido ( Capitalizado), de um sub-Desenvolvido. A Petrobras SA é a maior Empresa Mista, com Matriz no Brasil, Rio de Janeiro-RJ, ancora +- 13% do PIB ( Produto Interno Bruto) via Indústria Nacional do Petróleo/Gás, e é responsável por +- 10% do INVESTIMENTO NACIONAL. A verdadeira Petrobras SA composta pelos Técnicos/Empregados, que vencendo todos os desafios extraem petróleo/gás em um território difícil de explorar, do mar, primeiro em águas normais, até lâmina de água de 500 m, e agora em águas profundas, lâmina de água até 3.000 m, extraem, transportam, refinam, distribuem e até revendem, a verdadeira Petrobras SA existe e está aí produzindo +- 2.500.000 barris/dia, nos dando praticamente a importante auto-suficiência, e TUDO COM MATRIZ NO BRASIL.
    A Petrobras SA foi vítima de ação de desviu de Recursos, detectado pela Polícia Federal e processado pela Justiça Brasileira, que deve agora, mais rápido do que nunca, PUNIR os culpados e livrar o mais rapidamente a Petrobras SA desses prejuízos. URGE que a Justiça Brasileira atue RÁPIDO para que a verdadeira Petrobras SA volte a produzir e a crescer, mais forte do que antes.

  3. Deve ser a maior desvalorização de uma empresa no mundo todo. Idem quanto aos valores da corrupção, já que falam em 10 bi, considerada a maior roubalheira de uma empresa na historia da humanidade. Ou como diria o Barba: “nunca antes na história deste país”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *