ESCÂNDALO! Guedes incluiu no “Orçamento de Guerra” um item para beneficiar os bancos

Maria Lúcia Fattorelli desmascarou a grande armação de Guedes

Carlos Newton

O comentarista Mathias Erdtmann, sempre atento, mandou uma mensagem ao Editor da TI, perguntando se eu estava acompanhando a denúncia da Maria Lúcia Fattorelli (site Auditoria Cidadã) acerca da PEC do chamado “Orçamento de Guerra” para enfrentamento econômico da Covid-19. Nosso amigo Erdtmann disse que a auditora analisou em profundidade a proposta da equipe econômica e verificou que o projeto permitia a compra de títulos podres do mercado secundário, de forma não transparente, para beneficiar os bancos.

“Maria Lúcia Fattorelli enviou um apelo ao Senado e desta vez foi ouvida. O relator Antonio Anastasia (PSDB-MG) incluiu regras acautelatórias para que somente títulos razoáveis (com alguma garantia) sejam comprados pelo Tesouro Nacional. Não sei ainda a opinião da equipe da Auditoria Cidadã, mas me pareceu uma vitória deles”, comentou Erdtmann.

​MULHER GUERREIRA – Agradeço demais a Mathias Erdtmann esse destaque ao trabalho incansável de Maria Lúcia Fattorelli, auditora aposentada da Receita Federal, que dedica sua vida à defesa dos interesses do Brasil e de outros países em dificuldades financeiras.

A especialista brasileira trabalhou em 2006 na auditoria da dívida do Equador, no governo de Rafael Correa, quando foram constatados superfaturamentos e fraudes que possibilitaram abater cerca de 70% do total do endividamento. Depois, foi convidada a trabalhar na investigação da dívida da Grécia, mas surpreendentemente o governo recuou com a auditagem já em andamento.

​Aqui no Brasil Maria Lúcia Fattorelli criou o site Auditoria Cidadã e vem lutando para que haja uma investigação oficial sobre a dívida pública brasileira, por entender que o vultosíssimo montante pode vir a ser reduzido, em benefício do país.

CRÉDITOS PODRES – Na mensagem enviada ao relator do “Orçamento de Guerra”, senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), a auditora disse que notícia publicada em novembro de 2019, antes da decretação da calamidade pública, revelou que já havia mais de R$ 1 trilhão de créditos podres nas carteiras de bancos – e isso, sem contar a correção monetária e juros de mora…

Explicou que o tamanho do mercado de dívidas não pagas por pessoas físicas e empresas no Brasil era estimado em cerca de R$ 600 bilhões até o segundo trimestre de 2019, valor considerado recorde, segundo a Prime Yield, consultoria portuguesa de avaliação patrimonial.

Porém, se considerados os débitos acumulados nos últimos 15 anos, chega-se a quase R$ 1 trilhão – R$ 915 bilhões, sem correção da inflação, de acordo com levantamento da Ivix, especializada em reestruturação de empresas em crise, a pedido do jornal O Estado de S. Paulo.

A HORA DE DAR O BOTE – Durante a última crise, entre 2015 e 2016, os bancos ainda não tinham informações suficientes sobre o potencial de recuperação da saúde financeira de seus clientes, nem espaço para otimizar essas vendas de créditos. Havia um risco de piora da crise. Eles preferiram aguardar. E agora, com a pandemia, surgiu o momento ideal para que os banqueiros e demais agentes financeiros recuperem parte desses créditos.

Os bancos querem transferir essa carteira podre para o Tesouro Nacional, e o parágrafo 9º  do artigo 115 da PEC 10/2020 viabilizava exatamente isso, ao autorizar o Banco Central a adquirir qualquer tipo de título de crédito privado em mercado secundário, isto é, mercado de balcão, que funciona sem regulação ou supervisão alguma, sem transparência, podendo as operações serem realizadas por telefone!

SITUAÇÃO ABSURDA – Maria Lúcia Fattorelli revelou ao relator Anastasia que, caso seja aprovado esse absurdo, um funcionário do Banco Central poderá comprar, por telefone, esses papéis antigos existentes nas carteiras de bancos que chegavam a R$ 1 trilhão em 2019, sem computar a atualização monetária! Caso calculada a referida atualização e demais acréscimos, a quantos trilhões essa conta poderá chegar?

“E, segundo a PEC 10/2020, quem vai pagar essa conta absurda é o Tesouro Nacional, ou seja, o povo!”, disse a auditora, acrescentando:

“Segundo o § 10 do artigo 115 da mesma PEC 10/2020, o Tesouro Nacional efetuará o pagamento de pelo menos 25% das compras feitas pelo Banco Central nesse mercado de balcão! Porém, na prática, o povo vai arcar com toda a conta, pois qualquer prejuízo do Banco Central é transferido para o Tesouro Nacional, segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (Art. 7º, § 1º)”.

JOGADA DE MESTRE… – Aproveitando-se da camuflagem da pandemia, o ministro Paulo Guedes pretendia fazer com que o Tesouro Nacional pagasse esses trilhões com recursos do orçamento público, sacrificando todas as demais rubricas orçamentárias, e às custas do aumento brutal da dívida pública. “Estamos diante da mais escandalosa transformação de dívidas privadas de bancos em dívida pública!” – afirmou Maria Lúcia Fattorelli.

O relator Antônio Anastasia ficou assustado com a denúncia e alterou o texto. Estabeleceu que o BC só comprará ações privadas desde que: 1) sejam classificadas como “BB- ou superior” no mercado local; 2) os ativos tenham comprovação de qualidade de crédito dada por pelo menos uma das três maiores agências internacionais de classificação de risco; 3) o preço de referência tenha sido publicado por entidade do mercado financeiro acreditada pelo Banco Central.

Bem, Anastasia melhorou o texto, mas ainda há riscos de os banqueiros arranjarem um jeitinho brasileiro para incluir seus créditos podres nas operações com o Tesouro Nacional.

###
LEIA AMANHÃ – Câmara precisa desfazer a jogada de Guedes que beneficia aos banqueiros

14 thoughts on “ESCÂNDALO! Guedes incluiu no “Orçamento de Guerra” um item para beneficiar os bancos

  1. E o que vc acha que o tucano Anastasia, parceiro do Aécio, sócio da Friboi, da Odebrecht e CIA, vai fazer com essas informações em mãos ?: Extorquir os banqueiros, exigir pelo menos uns 20% no lucro dele$, ou vai jogar a favor do povo brasileiro ?

  2. Seria importante que algum comentarista enviasse ao Sr. Carlos Newton um vídeo recente do Economista Eduardo Moreira – ex-banqueiro, em conjunto com a Maria Lúcia Fattorelli, discutindo sobre o mesmo tema exposto hoje pelo Editor da TI. Pena que eu não tenha como enviar.

  3. Segundo os fanáticos , que por isso têm uma religião, a socialista =, qualquer atitude que desagrade suas taras, é crime.
    Provas e testemunhas que bom essa gente doentia não possui como teve, às dezenas ou centenas, nos processos dos crimes do maior governo corrupto de toda história da humanidade, que foi da esquerda.

  4. Obrigado Sr. Carlos Newton. Necessitaríamos ter no comando dos interesses da Economia brasileira, pessoas descompromissadas com as artimanhas nefastas dos verdadeiros donos do Poder, os banqueiros, verdadeiros artífices na arte maligna de manipulação do Erário.
    Um bom dia pro Sr. e demais leitores.

  5. Alessandro Vieira: A Constituição não pode ser mais uma vítima do coronavírus

    Publicado em13 de abril de 2020

    Não se pode banalizar a votação de mudanças constitucionais, sobretudo em sessões remotas

    Vivemos tempos difíceis. A emergência causada pelo avanço da pandemia de coronavírus levou o Congresso Nacional a se manter atento e reunido, em inéditas sessões remotas, para dar velocidade à votação das medidas urgentes nas áreas de saúde, renda emergencial e emprego.

    Estamos dedicados a construir soluções para os impasses econômicos, como o da preservação de empregos, das micro, pequenas e médias empresas e, principalmente, ao socorro aos mais vulneráveis na crise. Não é um esforço trivial, especialmente vivendo em distanciamento social. Por isso, trabalhar de forma coordenada e organizada é fundamental.

    Ninguém tem uma fórmula pronta para superar essa crise inédita. Sem racionalidade, corremos riscos. Não faz sentido, por exemplo, aprovar projetos de autoria do Parlamento ao mesmo tempo em que chegam ao Legislativo medidas provisórias sobre os mesmos temas. Não pode dar certo porque não é produtivo.

    Mesmo diante da calamidade, precisamos de calma e reflexão, o que não se confunde com morosidade. E cabe ao Senado ajustar o tom, moderando as iniciativas parlamentares ao mesmo tempo em que colabora, fiscaliza e corrige os rumos do governo.

    Providências que requerem urgência devem ser tomadas preferencialmente por meio de medida provisória, com vigência imediata. O governo demorou a agir, como ocorreu na maioria dos países, mas agora está exercendo seu papel, ainda que de forma fragmentada.

    Cabe a nós, congressistas, estabelecer um cronograma de votações articulado com o Executivo e, internamente, garantir espaço para parlamentares que tiveram a iniciativa de apresentar projetos redundantes em relação às MPs, seja assegurando relatorias ou contemplando emendas. Dessa forma, preserva-se o legítimo protagonismo político com resultados mais eficazes. O Senado tem a obrigação de ser a Casa que conduzirá, com tranquilidade, a transição para o Brasil pós-crise.

    Alessandro Vieira, senador da República (Cidadania-SE) e ex-delegado-geral da Polícia Civil de Sergipe (2016-2017)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *