“Esquerda foi vitimada pelo antipetismo criado a partir da Lava Jato”, diz presidente do PSOL

Para Medeiros, a esquerda passa por um momento de transformação

Ricardo Galhardo
Estadão

Presidente nacional do PSOL, o historiador gaúcho Juliano Medeiros, de 37 anos, afirmou que a aparição do partido no segundo turno de duas capitais faz a legenda se credenciar a influenciar na disputa presidencial de 2022, como oposição ao presidente Jair Bolsonaro. Com o candidato Guilherme Boulos, perdeu o segundo turno em São Paulo, para Bruno Covas, do PSDB,  e também em Porto Alegre, com a vitória de Sebastião Melo (MDB) contra Manuela D’Avila, mas ganhou em Belém, com Edmilson Rodrigues, que venceu o  Delegado Eguchi (Patriota).

Em entrevista ao Estadão, Medeiros disse que os partidos de esquerda no Brasil passam por um momento de transformação e de reequilíbrio de forças e que todos os políticos desse campo são atingidos pelo antipetismo.

HOMOFOBIA E RACISMO – Segundo ele, o PSOL se beneficiou da chegada de novos atores, como Boulos e ativistas de causas identitárias, como o combate à homofobia e ao racismo. Na avaliação do dirigente, isso aproxima a legenda de um novo ciclo da esquerda mundial, conectada a movimentos como o Podemos, da Espanha, e a Frente Ampla, do Chile.

Qual o balanço do primeiro turno das eleições municipais?
Primeiro, o grande derrotado é o Jair Bolsonaro. A imensa maioria dos candidatos apoiados por ele teve péssima votação. Segundo, há um relativo enfraquecimento da polarização de 2018 e uma nova polarização toma lugar, não tanto entre personagens e partidos, mas entre projetos. De um lado, forte intervenção do Estado, recuperação da capacidade de investimento, financiamento adequado de políticas públicas. De outro, ajuste fiscal, privatizações.

E em relação à esquerda?
Ficou evidente que a teoria do demônio de duas cabeças, de um lado o bolsonarismo e, de outro, a esquerda caiu por terra. O PSOL foi o partido que mais cresceu no Brasil, embora em números absolutos não seja comparável com os antigos partidos. E o restante da esquerda não foi mal.

Qual o impacto do resultado desta eleição numa recomposição da esquerda no Brasil?
Acho que isso já está acontecendo. Há uma saudável e positiva disputa de projetos na esquerda que não tem impedido a unidade na oposição ao Bolsonaro, mas é expressa em formas diferentes de interpretar a sociedade brasileira. O PSOL representa a agenda da nova esquerda que tem suas representações na Europa e na América Latina. O PT vem de uma tradição mais longeva, um partido socialista moderado. E tem um bloco de forças reivindicando a posição de um bloco social-democrata no Brasil, o PDT, o PSB, a Rede, o PV. A gente ouve falar de lideranças que não estão confortáveis em seus partidos e alimentariam a expectativa de uma nova legenda, mas não vejo espaço para isso.

O que tem provocado essa transformação do PSOL?
O PSOL acabou sendo escolhido por uma série de ativistas de uma nova geração. Este projeto de repaginação do PSOL se dá com a entrada do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), de uma série de movimentos sociais, lideranças dos movimentos negro, feminista, LGBT e alguns deslocamentos pontuais.

Você considera o PSOL uma opção de projeto nacional viável?
Está se tornando. Nós ainda não temos nenhum governo de Estado e esperamos agora governar as primeiras grandes capitais. Com isso, o PSOL se torna uma opção de poder real e um ator decisivo para 2022.

O Podemos, da Espanha, é uma inspiração?
Sim. O PSOL faz parte de um ciclo de partidos que criticam os limites da social-democracia e da simples administração do capitalismo. O Podemos, o Bloco de Esquerda em Portugal, a Frente Ampla no Chile e, mais lá atrás, o Syriza na Grécia eram partidos que surgiram em um contexto de crise da democracia representativa se postulando como uma esquerda vinculada às lutas sociais. Então, deste ponto de vista o PSOL guarda semelhanças e tem boas relações com estes partidos. Mas o PSOL, por nascer de uma dissidência do PT, também traz consigo marcas dessa experiência. São lideranças que neste novo contexto histórico adicionam às lutas pelo trabalho, por democracia, toda uma agenda que estava presente, mas de forma secundária na esquerda do século 20. A gente quer ser uma esquerda socialista e libertária, mas conectada com as lutas do século 21.

As denúncias de corrupção contra o PT acabam resvalando no restante da esquerda?
Toda a esquerda foi vitimada pelo antipetismo que se construiu a partir da Operação Lava Jato e das denúncias de corrupção. Demonstrar que a associação automática entre esquerda e corrupção e ineficiência administrativa não tem fundamento é dever de todos nós. Isso se faz com boas administrações, com o exemplo, muito mais do que com palavras.

17 thoughts on ““Esquerda foi vitimada pelo antipetismo criado a partir da Lava Jato”, diz presidente do PSOL

  1. Pegue nas mãos da Manuela e vão chorar as pitangas em New York., porque , Cuba Venezuela china Coréia vocês não querem nem saber. Né não
    Capitalismo para vocês e miséria pobreza violência para o povo.

    Chora mais, ainda não paga imposto.
    Cuidado com o Paulo paulada.

    Eh eh eh eh

  2. “Antipetismo criado após a Lava-Jato” ou após a Lava-Jato descobrir o assalto aos cofres públicos ?

    Parece que é uma questão de como colocar o supositório doado pelos eleitores …

  3. No caso do Boulos, pior: visto que ele exibe uma ligeira aparência facial com Lula, quando mais jovem.
    Além disso: o brasileiro tem uma mente capciosa, para estabelecer conexões depreciativas, mesmo entre referências distantes. Exemplo: se o ladrão é meu primo de segundo grau, daqui a pouco, passa a ser de primeiro grau. Daí para meu irmão, meu filho até chegar em mim.

    • Calma, Paulo, Guilherme Boulos vem de família de médicos, é professor e se preocupa com as causas sociais tal como Engels. É uma figura admirável, não ? Ele e seus pais funcionários públicos ..

      Um histórico também muito bom:

      Na juventude e nos anos de formação, engajou-se no movimento estudantil começou em 1997, aos 15 anos, quando ingressou no movimento estudantil brasileiro como militante na União da Juventude Comunista (UJC). Ingressou no Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) em 2002.

      Ficou conhecido em 2003 quando participou da coordenação da ocupação de um terreno da Volkswagen, em São Bernardo do Campo.

      Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Guilherme_Boulos

    • E se seu primo de segundo grau fosse deputado estadual e fizesse uso do que apelidaram de rachadinha ? Apesar do Princípio da Intranscendência da Pena que define que a pena imputada a alguém não pode ser transferida a outrem, os “adevogados” locais ignoram solenemente este princípio desde que satisfaçam às suas conveniências.

      Você tem sorte de não ter um primo nesta situação.

      • “Nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido”
        Quando um rábula ou chicaneiro pega uma causa indenizatória, com possibilidades de extorquir uma boa grana:
        1- ele tenta transferir a culpa do acusado para um ente público, que, porventura, ele tenha algum vínculo, por mais tênue que seja. -A coisa pública é “casa de mãe Joana”
        2- Outra manobra suja é quando o advogado tenta transferir para o empregador a culpa por um cometimento, de algo que o empregado causou fora do seu mister com aquele patrão. -O dinheiro do empregador é mais abundante!

        • Esqueci: eu falava da Lei Penal (Código Penal).. Sei, é o inciso XLV.

          Nos dois exemplos que você citou, o julgador – se não estiver sendo ‘beneficiado’ – perceberá a maldade.

  4. Xô, PT, sai pra lá. Tá na hora de outros da esquerda conquistarem sua boquinha, sô !

    A matéria saiu porque tem o nome do Bozo nela. Mas, apesar de se afirmar aqui o tempo todo, que não existe mais esquerda ou direita, faz-se referências à esquerda por todos os partidos que a representam. Não é um paradoxo ? Mas muitos colaboradores acreditam.

    Não existe comunista light nem capitalista não radical.

    “É uma questão de tempo pra gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição” José Dirceu (apoiado consciente e inconscientemente por vários colaboradores)

    JD tem razão. Basta a morte de negros por não negros (quando coincidir, evita-se) ou de pessoas do LGBTQI++ e a tomada será feita.

  5. É quase impossivel cravar o que vai acontecer em 2022, mas assim como em 2016 dava para afirmar que o candidato que ganharia seria um candidato anti PT, extrapolando até mesmo anti sistema(out sider) , hoje dá para se afirmar que o vitorioso em 2022 fatalmente vai ser um candidato anti Bolsonaro.Quem vai ser, nem com bola de cristal é possivel cravar. Mas dá para se observar os movimentos dos presidenciaveis. Ciro Gomes até o momento seria o mais anti bolsonaro. É seguido de perto por João Dória, aliás no discurso de vitória de Bruno Covas, já se observa o delineamento claro de uma ampla aliança, tendo o PSDB como centro, seguido até o momento do PMDB(pelo menos a nivel estadual, tem que se considerar que em cada estado o PMDB é diferente). Quanto ao PT fica claro que é o único partido que o Bolsonaro pode ainda sonhar em ter alguma chance de vencer. As eleições deixaram claro que o anti petismo continua muito forte, mas tudo indica que o anti bolsonarismo já está ganhando essa parada. Ai tem a turma de esquerda radical como o PSOL. Não passa de uma turminha sonhadora, esquerda bem caviar, tipo Leblon, Pinheiros, aparentemente não tem nenhuma chance de vingar para 2022, na verdade estão ganhando uma capital de porte médio como Belem, mas é muito pouco e em termos de vitrine tem tudo para se tornar vidraça.
    E finalmente tem os prefeitos que se tornaram verdadeiras vitrines como o de BH e de Curitiba. Um do PSD outro do Democratas. Politicos muito locais sem envergadura nacional, no máximo regional.Ambos derivam do antigo PFL que por sua vez deriva do antigo PDS, antiga Arena. Não vejo muito espaço para outsiders, tipo Hulk. Sergio Moro aparentemente só terá espaço competitivo se for acolhido por algum partido tradicional, mesmo assim o que será oferecido a ele deve ser no máximo a vice presidencia , uma vaga para senador pelo Paraná ou menos provável o governo do mesmo estado.
    Resumindo até o momento candidato confirmado é o Ciro Gomes que é o mais anti bolsonaro, seguido de perto por João Dória( a duvida é se vai ter apoio do MDB, DEM,PSD e outros, mas isso só se define mesmo em 2022). Se o PT tiver o minimo de bom senso, tenta emplacar a vice do Ciro Gomes, mas é muito mais fácil o Botafogo ser campeão brasileiro em 2020 do que o PT admitir ser vice de alguém).

    • Sem se encostar numa super alavanca, como o PSOL foi alavancado pelo Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, em São Paulo, que o tirou o PSOL do natural 3%, a exemplo do RJ, RS e MG, tamanho natural do PSOL e o levou ao segundo turno, e só não derrotou a ditadura tucana em SP, porque o negou fogo na reta final, não mostrou na TV o Novo de Verdade, a esperança concreta, que teria detonado a tucanada. Ciro Gomes, Huck, Sérgio Moro e Dória, entre outros congêneres, na cena eleitoral, vão continuar boiando igual merda n’água no primeiro turno, batendo cabeças, brincando de cabra cega, para servir no segundo turno como puxadinho e linha auxiliar do bolsonarismo, à direita, e do lulopetismo, à esquerda, que continuam sendo as forças hegemônicas sustentadas por dois exércitos…, que só podem ser vencidos na boa e na moral pelo Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, a Terceira Via de Verdade, porque evoluir é preciso, que tem bala na agulha, porque o resto é tudo mais dos mesmos.

  6. PARABÉNS, PSOL, Boulos, Erundina e Militância, parabéns e muito obrigado São Paulo, quem conhece Política sabe que vocês do PSOL se superaram, conseguiram ir muito além das suas forças, e saem do campo de batalhas de cabeça erguida, vitoriosos, com certeza. Realmente, existe Esperança em SP, mas devo dizer-lhe que foi exatamente ai que residiu o grande erro da dupla e do PSOL, não mostraram na TV, no rádio, e nem nas redes sociais, a Esperança concreta para São Paulo e o Brasil, capaz de fazer a diferença, tal seja o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, a Terceira Via de Verdade, que, doravante, só se ligará a partido que tenha o desprendimento de lhe entregar o comando da campanha. Portanto, faltou-lhes a grande Mãe Esperança, e a suas grandes filhas: a Coragem e a Ousadia. Enfim, parabéns à dupla, ao PSOL e a militância, que lutaram heroicamente mais uma luta de Davi contra Golias, e ninguém pode negar que foi uma luta relativa e parcialmente vitoriosa. Ademais, sem Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, e sem quebrar a hegemonia midiática partidária da rede globo e demais veículos de comunicação que, desde a famigerada ditadura militar, manejam e manipulam a famigerada democracia partidária representativa, indireta (na verdade, plutocracia putrefata com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia), conforme os seus próprios interesse$ em benefício$ próprio$, com os seus golpe$, pesquisa$ e eleiçõe$, que conduzem o povo como boiada para as suas respectivas fazenda$, e o país à bancarrota, não há como resolver o Brasil , e nem como tirar grande parte da nossa população da vida de gado que lhe impuseram. https://www.youtube.com/watch?v=JGdy_kc27zI&fbclid=IwAR0Re0RmGcLkD_5_V5iTT7mE1TuyxDKe8vW32qDTFNdI_z15tiLPv-ugaaY

  7. Historiador gaúcho, um Zé ruela, conversinha fiada, só engana os paraíba do Campo Limpo, gastaram milhões, dinheiro do fundo partidário, veio fácil, do povo, foi-se, nadou, nadou e morreu na praia, o gigolô de sem teto já era! Campo Limpo, vcs não elegem prefeito, otários!

  8. Quando o “joy Biden” brasuca, do PSOL, e do Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação entrou na campanha do Boulos, via rede social, na primeira hora, de cara, deu um ultimato no Boulos, na lata, sem meias palavras, dizendo o seguinte se VC quiser vencer a eleição e o retrocesso tem que sair da bolha, tem que ampliar o discurso, tem que mudar a narrativa, falar para São Paulo, o Brasil e o mundo, tem que dizer e fazer o que o povo de São e do Brasil está pedindo nas ruas do país desde Junho de 2013, mostrar e desbravar o novo caminho para o possível novo Brasil de verdade. Antenado que é, Boulos, como cria dos movimentos sociais, rápido no gatilho, topou no ato, tacitamente, ousou correr o risco, bancou a proposta e nova narrativa sugerida pela revolução redentora da política, do país e da população, surgiu no novo PSOL e com ele a Nova Esquerda, entusiasmou a militância e partiu com tudo pra cima da velha política de direita, de esquerda e de centro, e não deu outra, PSOL no segundo turno, o impossível aconteceu, e só não venceu no segundo turno porque o famigerado PIG, liderado pela famigerada rede globo, FSP, Estadão…, e CIA (apaixonada pelo demotucanismo), que têm os seus méritos e até a nossa estima mas que quando se intromete na seara política, como faz desde 1964, só faz titica, estragou tudo de novo.

  9. Antigamente se dizia que desculpa de aleijado era muleta, hoje é feio falar assim. A culpa da esquerda está em ela nunca admitir, que participou da corrupção. junto com o pestismo nos 13 anos de desgoverno, nunca ter feito um mea culpa. E jamais ter renunciado em legar o comando da esquerda ao 51, ladrão já com duas condenações no costado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *