Está proibida a entrada da turma do contra na nova orla do Rio Guaíba

Resultado de imagem para nova orla do guaiba

Nova orla revitaliza a belíssima orla do Rio Guaíba

Percival Puggina

 Sei que nada é mais livre do que a burrice. A inteligência tem limites e a sabedoria exige imenso autocontrole. Mas a burrice não conhece obstáculos. Quando contrai matrimônio com uma ideologia, qualquer dessas que por serem também burras se opõem a tudo que delas não provier, surge uma energia destrutiva na sociedade.

Porto Alegre, a bela capital gaúcha que escolhi para viver, lá pelas tantas de sua história mais recente se tornou conhecida como Havana do Sul. Tudo começou no final dos anos 80 do século passado, quando parte expressiva da população encantou-se e se deixou conduzir pelos ditames da esquerda mais retrógrada do país.

FÓRUM SOCIAL – A cidade elegeu, consecutivamente, quatro prefeitos – fato inédito na história universal – tão esquerdistas quanto Olívio Dutra, Tarso Genro (duas vezes!) e Raul Pont. Com essa sequência ainda em curso, Porto Alegre se credenciou a ser a cidade símbolo do Fórum Social Mundial, aquele convescote do comunismo internacional que aqui começou e levou anos dando cria.

Valendo-se do mecanismo de recíproco reconhecimento e mútua promoção característico dos aparelhos esquerdistas mundo afora, a capital gaúcha era exibida como “referência mundial” em democracia popular. Democracia popular, você sabe, era a trademark daquelas infelizes repúblicas dominadas pelo comunismo no Leste Europeu e na Ásia, cuja principal característica consistia em serem não democráticas e impopulares.

PROSELITISMO – Essa esquerda, com o passar dos anos, perdeu o prestígio, mas continuou seu proselitismo, atuando coletivamente como efetiva vanguarda do atraso, título, aliás, de um bom livro do jornalista Diego Casagrande. Os espaços dessa atuação são os usuais e é desnecessário repeti-los aqui. Entre suas pautas estava a ferrenha oposição a toda forma de progresso, desenvolvimento econômico, oportunidade de negócios (para quem não lembra, foi durante o período em que Olívio Dutra governou o Estado que a mais nova planta industrial da Ford, que já produziu 3 milhões de veículos, foi despachada para a Bahia).

Pelo viés oposto, mesmo fora do poder, seguiu alimentando o corporativismo e promovendo o aparelhamento da administração pública e das instituições do Estado.

Entre as consequências desse infeliz pacote esteve a resistência à modernização da orla do esplêndido Guaíba e o aproveitamento das antigas instalações portuárias do Cais Mauá e do Estaleiro Só, relegadas ao abandono e à degradação. Qualquer projeto de melhoria para essas áreas passou a ser combatido como desrespeito à natureza, ao Guaíba e à cidade.

Atos de repúdio, abraços públicos de proteção, plebiscitos, acaloradas audiências e quanto mais estivesse disponibilizado no arsenal do mais tacanho retrocesso foram usados ao longo dos anos para impedir a integração desses locais à vida urbana.

A NOVA ORLA – Finalmente, há poucos dias, fez-se visível o resultado da primeira vitória da população da cidade contra tais absurdos: aproveitando-se do primeiro domingo de sol após a inauguração da nova orla do Guaíba, verdadeira multidão estimada em 40 mil pessoas tomou posse do local. Só faltou um cartaz advertindo que quem foi contra deveria manter-se afastado dali. Essas pessoas deveriam dirigir-se ao trecho seguinte, onde tudo ainda está como lhes agrada – a terra é nua, propriedade privada das macegas, ratos, rãs, tuco-tucos e lixo.

 

 

11 thoughts on “Está proibida a entrada da turma do contra na nova orla do Rio Guaíba

  1. O amigo e grande escritor Puggina, com sua caneta mágica, conseguiu construir, em poucas palavras, a decadência de uma sociedade.

    É tudo verdade, de verdade, o que relata. Porto Alegre, cidade cultural do mercosul (vai com letras minúsculas porque também ele tornou-se uma bosta), apenas respira, agora com auxílio de tubos de oxigênio.

    Um dia os porto-alegrenses, pelo menos uma camada deles, abraçou a mentira e a desfaçatez da esquerda bolorenta. Alguns dos líderes continuam vivos, em casa.

    Foi com eles que Dilma aprendeu a falar o “dilmês”, claro que ainda no ensino fundamental daquela língua.

    A próxima batalha é o caís do porto, apodrecido pelo tempo e pelas mazelas da retórica dos vermelhos (nada com os colorados…).

    Quem sabe um dia, minha cidade natal volte a respirar com os próprios pulmões.

    Fallavena

  2. O objetivo do PT sempre foi impedir o desenvolvimento.

    Alguma indústria petista?
    Alguma fábrica por mais simples que seja petista?
    Alguma montadora que tenha sido trazida para o Brasil pelo PT?

    A orla do Guaíba, que tem um pôr do sol esplêndido, jamais poderia ser cedida para que o público usufruísse porque entendia que o pobre seria rejeitado??!!
    Os bares, restaurantes, teriam preços acima do que um pobre poderia pagar, logo, a margem do lago deveria ser intocável, por mais feia e suja que fosse!

    Pois depois de décadas de discussão, finalmente uma parte dessa margem foi concluída e, o povo, aplaudiu.

    O PT é sinônimo de atraso, de decadência, de um povo pobre, dependente dos benefícios governamentais, então eleitores cooptados, mas muita política e discussão acusando os ricos de culpados pela situação do necessitado.

  3. Deu no NYT: Há uma revolução à esquerda. Democratas estão se preparando

    Os jovens estão empurrando o partido democrata para a esquerda.

    A pressão de uma nova geração de progressistas confrontadores colocou os democratas no limiar de uma transição radical.

    https://goo.gl/jKySFY

  4. Sr Percival Puggina; em 2015/16, estava em São José do Norte, participando da construção de obra offshore para extração de óleo na Bacia de Santos e acompanhava o jornal televisivo. Fiquei impressionado com o que estava acontecendo principalmente na Grande POA, que era o fato do assaltante após tirar os pertences das vítimas, esfaqueá-las havendo muitos óbitos; era praticamente ímpar esses acontecidos no país e agora entendo; há o fator ideológico por trás desses atos.
    O marginal tem raiva do estudante ou trabalhador de classe um pouco acima e “desfere” sua ira adquirida na ideologia doentia no próximo.
    PS: Logo depois, este comportamento começou a ser “imitado” na Cidade do Rio de Janeiro; mas, parece que o problema foi “solucionado”.

  5. Apesar do Rio de Janeiro ter fama de cidade violenta, não podemos deixar de admirar sua beleza e sua hospitalidade na figura do expressivo povo carioca que sabe fazer festa como ninguém nesse planeta.

    Por isso a bandidagem petista nunca ganhou eleição por aqui, e não ganhará nunca porque carioca sempre viveu na vanguarda cultural e isso é o inverso da mentalidade dos seguidores de luiz inácio que se sente orgulhoso de ser burro.

    Parabéns ao povo gaúcho que se libertou dessa prática de eleger bandidos vermelhos que transformaram a capital do glorioso Rio Grande do Sul numa praça de guerra, onde sempre perde o pobre e o trabalhador e ganha os comunistóides do foro de São Paulo.

    Viva Percival, grande homem brasileiro que só não é ´perfeito porque não é vascaíno.

    Viva o Clube de Regatas Vasco da Gama que torna mais bela a cidade do Rio de Janeiro e enfeita os estádios com suas faixas diagonais inconfundíveis de um autêntico e eterno campeão.

    • Que comentário ridículo.

      Oito anos de casal Garotinho (com direito a petista Benedita entre os dois), seguidos de oito anos de Cabralzinho e quatro de Pezão não representam vanguarda nenhuma, a não ser de ladroagem.

  6. O que é necessário pra raça humana sobreviver?
    Abrigar-se dos fenômenos da natureza, alimentação e sexo pra perpetuação das espécie.
    O desenvolvimento é conhecido como “limpezzzza urban@”.
    Tira os pobres das áreas nobre e deixa os ricos!
    A discussão principal é a despoluição dos lagos e a navegação em rios limpos!
    O resto é opinião besta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *