Estadão denuncia esquema de Dirceu e Lindbergh na Refinaria de Manguinhos, no Rio

O jornal Estado de S. Paulo, em sua edição do dia 16, afirma que as divergências entre o governador Sérgio Cabral e a direção de Manguinhos começaram em 2008, quando o economista Marcelo Sereno (atual primeiro suplente de vereador do PT do Rio), que foi chefe de gabinete do ex-ministro José Dirceu na Casa Civil, assumiu a presidência da empresa Grandiflorum.

Dias após a posse, a companhia adquiriu a refinaria. O governador Cabral sabia que o grupo era liderado por Dirceu – o “chefe do mensalão”, segundo o Ministério Público Federal – e o objetivo era tentar se capitalizar para a eleição de 2010 no Estado.

Secretário de Comunicação do PT em 2005, início do processo do mensalão, Sereno ficou um ano à frente da Grandiflorum e no conselho de administração de Manguinhos.

Segundo o Estadão, a presença de Sereno nas duas cúpulas irritou o governador, que retaliou de imediato e mandou acionar judicialmente a refinaria, acusando-a de, em 2002, ter dado R$ 600 milhões de prejuízo ao Estado ao valer-se do regime especial tributário instituído naquele ano pela governadora Benedita da Silva (PT), também vinculada a Dirceu. Detalhe: na época, Sereno era secretário executivo da governadora.

Ainda segundo o Estadão, o esquema Dirceu, ao controlar a refinaria, buscava recursos para financiar em 2010 a candidatura do prefeito de Nova Iguaçu (hoje senador), Lindbergh Faria, ao governo estadual. O petista Lindbergh é inimigo político de Cabral até hoje.

####
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG Na Baixada, as informações são de que o apoio de Lindbergh Farias ao candidato Alexandre Cardoso (PSB) em Duque de Caxias, impedindo que o PT lançasse candidato próprio, faz parte do novo plano de capitalização da campanha de Lindbergh ao governo do Estado em 2014. 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *