Estadão mostra que Carlos Bolsonaro mantém aliados dentro do Planalto

Resultado de imagem para carlos bolsonaro

Ex-funcionários de Carlos Bolsonaro se tornaram assessores

Camila Turtelli, Julia Lindner e Anne Warth
Estadão

 Pivô da crise que derrubou do governo o ministro Gustavo Bebianno, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) comanda um grupo que atua nas redes sociais da Presidência da República. São pelo menos quatro aliados com acesso às contas pessoais do presidente Jair Bolsonaro, pai do parlamentar.

Seriam da cota de Carlos no Planalto, segundo ministros ouvidos pelo Estado, Tercio Arnaud Tomaz e José Matheus Sales Gomes, ambos ex-assessores do vereador na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Sem contar o primo Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio. O Estadão mostrou que, mesmo sem cargo no Planalto, Léo já foi 58 vezes ao prédio, mais do que o próprio presidente da República.

CRIADOR DE CRISES – Com 893 mil seguidores no Twitter, Carlos esteve à frente da crise que tirou Bebianno da Secretaria-Geral da Presidência. Ele usou a rede social para chamar o agora ex-ministro de mentiroso e divulgar mensagem de áudio do pai para corroborar seu ataque. Bebianno não foi seu único alvo.

Nos últimos dias, ministros civis e do núcleo militar aconselharam o presidente a exigir do filho que parasse de criar crises para o governo pelas redes sociais. O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, desconversou nesta segunda-feira, 18, ao ser questionado sobre o assunto após anunciar a demissão de Bebianno.

A atuação da equipe tem despertado incômodo entre auxiliares e ministros que despacham no Planalto, a ponto de desafetos acusarem o grupo de comandar ataques virtuais contra opositores.

ASSESSORES ESPECIAIS – Tomaz e Gomes foram nomeados para o cargo de assessor especial da Presidência e recebem salário bruto de R$ 13 mil. Os dois ajudam Carlos a administrar as contas do presidente Bolsonaro nas redes sociais.

Tomaz também foi assessor de Bolsonaro na campanha presidencial. Ele administrava a página “Bolsonaro Opressor 2.0”, no Facebook, que foi alvo de representações na Justiça e era acusada de propagar discurso de ódio.

A chapa do presidenciável Ciro Gomes (PDT) chegou a pedir que Tomaz e Bolsonaro removessem um vídeo e recebessem uma multa, mas o pedido foi negado pelo ministro Luis Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

MAIS UM – O quarto aliado de Carlos Bolsonaro no Planalto é Filipe Martins, nomeado como assessor da Presidência para assuntos internacionais. Martins foi apadrinhado pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), mas é visto por auxiliares de Bolsonaro como integrante do grupo de Carlos. Na campanha eleitoral, atuou no núcleo ideológico que cercou Bolsonaro.

Em meio à crise política, envolvendo Carlos e Bebianno, Martins publicou no Twitter uma passagem da Bíblia para apoiar o vereador. “Eis que os filhos são herança da parte do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão”, escreveu.

POR DECRETO – Por meio de um decreto publicado no dia 3 de janeiro no Diário Oficial da União, Bolsonaro estabeleceu que suas contas pessoais no Twitter e no Facebook poderiam ser geridas por integrantes de sua Assessoria Especial. A Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) ficou responsável pelas contas institucionais do governo, mas podendo atuar em conjunto com os assessores. Na eleição, Carlos comandou a estratégia de comunicação nas redes sociais.

Procurado, o Planalto não respondeu sobre as funções exercidas pelos assessores até a conclusão desta edição. Também não esclareceu a atuação de Carlos nas redes sociais do pai. Ao Estado, Tomaz disse que é o próprio Bolsonaro quem administra suas contas pessoais e que “auxiliar não é comandar”. Ele não respondeu sobre a participação de Carlos.

22 thoughts on “Estadão mostra que Carlos Bolsonaro mantém aliados dentro do Planalto

  1. A América do Sul está de fato pesteada, desbundada e sem futuro. Maduro pela esquerda na Venezuela, Verdolengos, pela direita no Brasil…, o Suíno Alpino delirante norte-americano querendo invadir tudo…, e assim segue o enterro da América do Sul. Que parte da Democracia Direta com Meritocracia será que a banda ainda sadia da mídia não entendeu enquanto única saída política para o Brasil e o mundo contra as tranqueiras geradas pelo golpismo ditatorial, o partidarismo eleitoral e seus tentáculos, velhaco$, que já levaram o Brasil e o mundo à loucura ?

  2. Quando chegar o dia de tirar esses parasitas veremos o quanto são mais peçonhentos que os petistas….
    Pedreiros serão chamados para rebocar os furos de bala nos palácios e prédios governamentais…

    Protocolo virou Putaria….

  3. Em política ninguém diz nada por acaso, obviamente. Esta declaração de Bebianno repõe no imaginário as suspeitas de que algo eleitoralmente e planejado ocorreu nos precedentes daquela facada. https://www.revistaforum.com.br/por-que-bebianno-disse-a-jovem-pan-que-carlos-bolsonaro-so-viajou-em-campanha-para-juiz-de-fora/

    O quê, Bebianno? Alguém seria rapaz de se suicidar, simplesmente por ter sido chamado por Carlos Bolsonaro de vagabundo nas redes sociais? “Ele passou uma faca no pescoço e foi parar no hospital”, informou. Diz logo o que sabe! https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/bebianno-diz-que-carlos-bolsonaro-levou-jovem-a-tentar-suicidio/

  4. Jornalista Alexandre Garcia desmonta caso Bebianno: “Novo Joesley”
    República de Curitiba Editora

    O sempre brilhante Alexandre Garcia destacou o caso de Gustavo Bebianno como o “novo Joesley” Disse ele: “Ouvi os áudios do novo joesley”, em clara referencia ao empresário Joesley Batista que num caso similar agitou a imprensa com um estardalhaço que depois se comprovou muito mais barulhento do que realmente merecia ser. É mais um caso onde a imprensa tenta agir como um dos Poderes. Lamentável.

  5. Tem gente que não vê muito menos ouve:

    “BEBIANNO DESMENTIDO”

    “Áudios confirmam que Bolsonaro só tratou uma vez sobre ‘laranjas’ na eleiçãoDos sete áudios de Bolsonaro, só um menciona o caso do PSL”

    “Os áudios vazados nesta terça (19) confirmam o que o presidente Jair Bolsonaro e o filho Carlos afirmaram. O ex-ministro Gustavo Bebianno deu a entender que havia conversado três vezes com o presidente sobre “laranjas do PSL”, mas os áudios revelam que não foi nada disso. Mostram que o presidente só tratou do caso PSL uma vez. Em todos, ele se mostra irritado com Bebianno sobre vários assuntos. Certamente por isso, Carlos, que viu tudo, chamou-o de “mentiroso”. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.”

    https://diariodopoder.com.br/audios-confirmam-unica-conversa-sobre-caso-psl-2/

    Felizmente a população está sendo esclarecida pelas redes sociais e sites isentos.

    Até O Antagonista treme e sente o boicote.

  6. Me admira CN cair nesta invenção de crise no governo, muito ingênuo!
    Está transformando a TI com artigos de jornais que perderam a boquinha!
    Com STF, políticos, traficantes, todos contra Bolsonaro e não descobriram realmente nada significativo? Vai ver é porque não tem nada!
    Tá feio, CN, mas está dando público, não é?

  7. Por ser filho do presidente, Carlos Bolsonaro está proibido de exercer o direito de apontar fatos como os do caso recente em que um malandro tentou manipular seu pai.
    Essa é a ética da esquerdinha. Pode?????

    A esquerdinha está fazendo de tudo para sabotar o governo de Bolsonaro.

  8. Bebiano, infelizmente, cometeu um grave erro de avaliação: achar que inimigos declarados do presidente (Rede Globo + Grupo Folha) agiriam de modo honesto com o governo. Primeiro, a prostituta petista (Folha) fez matéria inculpando o ex-ministro por problema que não lhe dizia respeito, com o objetivo de ‘criar’ uma crise no núcleo do governo; depois, a Globo fala com Bebiano sobre a tal da ‘crise do governo’ numa matéria onde o tema principal é a candidata ‘laranja’ do Bivar. Bebiano, coitado, morde a isca e … envolve o PR.
    Bolsonaro, sentindo o cheiro de carne queimada, pula fora e, a partir daí, a condição do ministro fica insustentável. Esse é o resumo da treta. A desnecessária divulgação dos áudios das conversas com o PR, pela baixeza, depõe contra o ex-ministro. Bolsonaro deveria proibir os seus ministros de conversarem com as víboras da Globo/Folha … simples assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *