Estratégia “brilhante” de Trump pode abalar a hegemonia mundial do dólar

Resultado de imagem para uniao europeia

Europa já criou seu próprio sistema de compensação financeira

Michael Hudson
Hudson Website

O fim da dominação econômica norte-americana não contestada chegou antes do esperado, graças aos mesmos neoconservadores que deram ao mundo a guerra do Iraque, da Síria e as sujas guerras na América Latina. Assim como a Guerra do Vietnã arrancou os EUA do padrão ouro em 1971, o patrocínio e o financiamento que estão garantindo as violentas guerras para mudança de regime contra a Venezuela e a Síria – e as ameaças de sanções contra outros países que não se unam na mesma cruzada – estão hoje levando países europeus e outros a ter de criar suas próprias instituições financeiras alternativas, para desmantelar a hegemonia do EUA-dólar, do FMI ao sistema SWIFT de compensações.

O país que os diplomatas norte-americanos mais odeiam é o Irã. O fim decidido pelo presidente Trump dos acordos nucleares de 2015 negociados por europeus e o governo Obama escalou a ponto de Alemanha e outros países europeus já estarem ameaçados de sanções se não se retirarem dos acordos que assinaram.

AUTOPRESERVAÇÃO – Como se não bastasse a oposição a que Alemanha e outros países europeus importem gás russo, as ameaças dos EUA sobre o Irã acabaram por empurrar a Europa a buscar algum modo de se autopreservar.

As ameaças imperiais já não são militares. Nenhum país (nem Rússia ou China) tem meios para montar invasão militar a outro grande país. Desde os dias do Vietnã, o único tipo de guerra possível para países ainda democráticos é a guerra atômica, ou pelo menos guerra de bombardeios pesados como os que EUA infligiram ao Iraque, Líbia e Síria. Mas agora a ciberguerra tornou-se meio eficaz para quebrar as conexões de qualquer economia. E as principais ciberconexões hoje são ordens financeiras de transferência de dinheiro – compensações bancárias mundiais –, coordenadas pela SWIFT, sigla em inglês da Sociedade Mundial para Telecomunicações Financeiras Interbancárias, que tem sede na Bélgica.

MOVIMENTAÇÃO – Rússia e China já se movimentaram para criar um sistema alternativo de compensações bancárias, para o caso de os EUA desconectarem os dois países, tirando-os do sistema SWIFT. Mas agora países europeus já entenderam que as ameaças feitas pelo governo Trump podem gerar multas pesadas e confisco de patrimônio, se tentarem insistir em manter o comércio com o Irã, como determinado nos acordos que todos firmaram.

Dia 31 de janeiro, o bloqueio ao Irã foi rompido, com o anúncio de que a Europa criou seu próprio sistema de compensação de pagamentos para usar com o Irã e outros países que sejam alvo dos ataques ‘diplomáticos’ dos norte-americanos.

Alemanha, França e até a Grã-Bretanha, poodle dos EUA, uniram-se para criar o INSTEX — Instrumento para Apoio de Compensações Interbancárias [em inglês, Instrument in Support of Trade Exchanges].

AJUDA HUMANITÁRIA? – A promessa é que será usado só para ajuda “humanitária” para salvar o Irã de uma devastação provocada pelos EUA semelhante à que a Venezuela sofreu. Mas, é considerada também a crescente e cada dia mais furiosa oposição que os EUA fazem à ideia de que o gasoduto Ramo Norte transporte gás russo, essa via alternativa para compensações bancárias está pronta e capacitada para se tornar plenamente operante, caso os EUA tentem um ataque com sanções contra a Europa.

Acabo de voltar da Alemanha e vi impressionante divisão entre empresários e industriais e o governo político. Durante anos, as grandes empresas viram a Rússia como mercado natural, como economia complementar que precisava modernizar a própria base manufatureira e capaz de abastecer a Europa com gás natural e outras matérias-primas. A posição dos EUA nessa Nova Guerra Fria tenta bloquear essa complementaridade comercial.

GÁS RUSSO – EUA alertaram a Europa contra o risco de se tornar ‘dependente’ do gás russo de baixo preço, para vender o gás natural liquefeito caríssimo que os EUA oferecem (prometendo instalações portuárias que ainda não existem em lugar algum, sequer próximas do volume exigido). O presidente Trump também tem insistido em que membros da OTAN gastem na compra de armas no mínimo 2% dos respectivos PIB – e armas a serem compradas, claro, dos mercadores de morte norte-americanos, não franceses nem alemães.

O modo como os EUA fazem pesar a mão está levando a aproximar Rússia e China. A diplomacia norte-americana está ‘unindo’ a Europa ao “pivô geográfico” bem conhecido dos norte-americanos, operando contra, até, o mesmo tal estado de dependência, para cuja criação a diplomacia norte-americana trabalha desde 1945.

FÚRIA DOS EUA – A Europa já se deu conta de que seu próprio sistema monetário de trocas internacionais e suas conexões financeiras podem a qualquer momento atrair a fúria dos EUA. Foi o que ficou muito claro no outono passado, nos funerais de George H. W. Bush, quando o diplomata representante da União Europeia foi deixado para o fim da lista de autoridades chamadas para assumir seu lugar na cerimônia. Foi informado de que os EUA já não consideram a União Europeia entidade muito importante.

Em dezembro, o secretário de Estado Mike Pompeo fez um discurso em Bruxelas sobre a Europa – seu primeiro discurso, ansiosamente aguardado – no qual exortou as virtudes do nacionalismo, criticou o multilateralismo e a União Europeia e disse que “corpos internacionais” que limitam a soberania nacional “devem ser reformados ou eliminados.”

A maior parte desses eventos apareceram na mídia num só dia, 31/1/2019. A conjunção de tantos movimentos dos EUA em tantos fronts, contra Venezuela, Irã e Europa (para nem falar da China e das ameaças de retaliação comercial e ações contra a Huawei, que também emergiram hoje) faz crer que esse será um ano de tensões e rupturas no mundo.

8 thoughts on “Estratégia “brilhante” de Trump pode abalar a hegemonia mundial do dólar

    • Caro Chegamais, no mesmo link teu:

      “Ainda ontem, o jornalista Cristian Derosa publicou um artigo intitulado “Fundações estrangeiras doaram US$ 52 milhões às pautas do Sínodo da Amazônia”. O autor afirma que “com base no banco de dados das fundações internacionais, só em 2014, o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) recebeu 450 mil dólares somente da Fundação Ford, entidade que financia outras centenas de pautas, indigenistas, quilombolas, questão racial, identidade de gênero, aborto, audiência de custódia e desarmamento no Brasil. Já a Pastoral Carcerária, também ligada à Igreja Católica, recebeu 420 mil dólares entre 2016 e 2018, da mesma fundação. O mesmo dinheiro que organiza eventos LGBT é doado à entidades albergadas na estrutura da Igreja Católica no Brasil. Segundo o mesmo levantamento, pautas relacionadas ao território nacional receberam, de outras grandes fundações internacionais, 52 milhões de dólares entre 2013 e 2018”.”

      https://fratresinunum.com/2019/02/12/a-cortina-de-fumaca-do-sinodo-da-amazonia/

      Abraços.

  1. Consta que, durante os estertores, o veneno da víbora se torna mais letal: nequela fase pré-agônica, o ofídio concentra toda a sua carga mortal, para tentar eliminar quem o açoita.
    Atualmente, Estados Unidos vive um estágio amuck (fúria assassina). Pois já percebeu que o seu reinado, nutrido por manipulação, roubo e genocídio está downhill (despencando morro abaixo). E para tentar salvar a sua hegemonia, recorre à dissuasão do seu aterrorizante arsenal, belipotente. Aumentou a sua presença militar no Ártico, no Mar da China, Mar Negro e deflagra uma campanha suja, mundial, contra: Rússia, China, Irã e Coreia do Norte. Outra batalha particular vem sendo tratado com o Dragão Asiático por questões de mercado.
    E a apropriação indébita da face oculta da lua? Tio Sam já vem brigando pela ocupação pioneira; antes que outras nações, incluso, o Japão, cheguem na dianteira.

  2. No dia em que o mundo descobrir que o dólar é um falso brilhante, uma moeda podre, apenas um papel pintado sem lastro, e que não causa inflação galopante dentro dos EUA face ao excesso de emissão apenas porque é vendido em profusão como produto tipo exportação a otários do mundo inteiro, inclusive os chineses, não tenha dúvida de que a nação norte-americana irá à bancarrota, e daí, para evitar o colapso total, só lhe restará a terceira guerra mundial e, se vitoriosa, iniciar um novo ciclo de espoliação de otários. Daí o desespero intervencionista norte-americano ante a aproximação estratégica entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, perfazendo os BRICs como instrumento de possível libertação face ao antigo domínio norte-americano sobre a América do Sul e o mundo, tendo o Brasil como possível carro-chefe da nova formulação internacional contra a qual lutar é lutar contra si próprio, contra os seus próprios interesses, é fazer o papel de perfeito idiota dos interesses norte-americanos, bucha de canhão, vira-lata, capacho da casa branca, quinta-coluna, lesa-pátria, X9, traidor dos legítimos interesses e necessidades do Brasil e do povo brasileiro. https://www.brasil247.com/pt/247/poder/384140/Bannon-diz-que-Bolsonaro-irá-a

  3. Pronto, mais um vaticínio, o Capitalismo faliu quebrou, se lascou.
    Agora só falta avisar aos neo comunas que acabou-se o negócio de passar férias em Nova Iorque ou Miami.
    Que venha o rublo ou o Cup, peso cubano, chega de dólares, já deu o que tinha que dar.
    Vai ser um orgasmo trifásico como diria Millôr à bela e descabelada Luciana Genro cantando a plenos pulmões defronte a Estatua da Liberdade o hino da Internacional Socialista>
    Ridendo castigat mores

Deixe uma resposta para Loriaga Leão Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *