Esvaziado, Guedes sugere criação do “superconselho” de política econômica

Resultado de imagem para paulo guedes

Guedes já começou a ser escanteado por Bolsonaro

Deu em O Tempo
(Estadão Conteúdo)

Coordenador do programa econômico de Jair Bolsonaro (PSL) e fiador de seu programa liberal, o economista Paulo Guedes ventilou para colaboradores da campanha e empresários entusiastas da candidatura do capitão reformado a ideia de criar um conselho econômico aos moldes do que existe nos Estados Unidos. No governo americano, o Conselho Nacional Econômico (The National Economic Council, em inglês) tem como função definir a política econômica e assessorar o presidente em temas sobre economia.

Nesta quinta-feira, Guedes foi anunciado novamente por Bolsonaro como seu nome para a Fazenda, embora as propostas do economista tenham causado confusão nos bastidores.

Alguns aliados interpretaram a menção à formação de um conselho desse tipo como indicação de que Guedes acabaria declinando do posto de chefe da Economia de Bolsonaro para assumir o papel de “superassessor”, dando as diretrizes liberais do novo governo para um gestor executar. Oficialmente, ele nega a intenção.

Duas fontes da campanha confirmam que a ideia foi exposta por Guedes em reuniões, mas asseguram que ele mantém intenção de se tornar o ministro da Economia de um eventual governo Bolsonaro. Questionado pela reportagem, Guedes afirmou que falar sobre esse tema é iniciativa de “quem quer tomar o meu lugar”.

Para Bolsonaro e seu núcleo duro, a figura de Guedes é crucial para dar credibilidade aos intentos liberais do presidenciável. Um aliado de Bolsonaro, que esteve em reuniões com Guedes, diz ter conhecimento da ideia, mas que ela não avançou para uma proposta formal.

Outra fonte da equipe diz que a formação de um conselho chegou a ser mencionada em reunião com integrantes da equipe econômica de Michel Temer, mas no contexto de um elogio ao time do governo. A intenção de Guedes, explicou essa fonte que pediu para não ser identificada, era sinalizar que nomes do atual Ministério da Fazenda teriam espaço na equipe do Bolsonaro caso assim quisessem.

Guedes gosta do trabalho do ministro Eduardo Guardia, do secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, e da secretária executiva do Tesouro, Ana Paula Vescovi. Por isso, diz o aliado, ele brincou em uma reunião que, se esse grupo permanecesse, “ele nem precisaria assumir” e poderia ficar apenas como conselheiro econômico de Bolsonaro.

REPERCUSSÃO – As conversas sobre a formação desse conselho econômico, contudo, reverberaram rapidamente entre apoiadores da campanha no mercado financeiro e no setor empresarial, que iniciaram de forma informal debates sobre nomes que poderiam ocupar o papel de “gestor da Fazenda” e seguir as determinações de Guedes.

A interlocutores, o economista tem reforçado nos últimos dias que está decidido a tocar a equipe econômica de Bolsonaro caso ele seja eleito. Guedes, que é sócio da Bozano Investimentos, dedica-se há meses a moldar o que seria o plano liberal de um eventual governo do PSL. Mas, em entrevistas, vinha resistindo em confirmar se estaria de fato na Esplanada dos Ministérios de Bolsonaro, alimentando a desconfiança de agentes de mercado.

À revista Piauí de setembro, numa de suas últimas entrevistas antes do primeiro turno, Guedes afirmou: “Se não der para fazer o negócio bem feito, que valha a pena, para quê eu vou?”. Pressionado sobre se desistiria, disse à publicação: “Esse prazer eu não dou. Só depois que ele for eleito”.

DO TIPO EUA – Criado pelo ex-presidente democrata Bill Clinton, o Conselho Nacional Econômico foi mantido ao longo dos anos e é subordinado à Casa Branca. Ele tem como função definir os rumos da política econômica e garantir que os órgãos da administração estejam implementando-a corretamente.

O diretor do conselho não precisa ser confirmado pelo Senado americano. Ele é apenas indicado pelo presidente. Já o secretário do Tesouro, cargo que seria correspondente ao do ministro da Fazenda no Brasil, precisa passar pelo crivos dos congressistas americanos.

No início do governo Donald Trump, a chegada do ex-presidente do Goldman Sachs Gary Cohn para o conselho ajudou a dar credibilidade à administração do republicano. O executivo acabou deixando o posto no início deste ano após Trump elevar tarifas de importação, intensificando sua guerra comercial e dando feição protecionista à administração republicana.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Diz o Estadão que Bolsonaro reafirmou o nome de Guedes para tentar dirimir as dúvidas de investidores e eleitores que buscam um projeto liberal. Em tradução simultânea, Guedes foi esvaziado pelos prejuízos aos fundos de pensão. E Bolsonaro aproveitou para reafirmar que Guedes e o vice Mourão foram solicitados a não dar entrevistas, por não terem traquejo em lidar com a imprensa. (C.N.)

17 thoughts on “Esvaziado, Guedes sugere criação do “superconselho” de política econômica

  1. Lamentável. A ideia de conselhos de qualidade, com pessoas sérias e competentes é algo que foi abandonado pelo personalismo. Grandes corporações, instituições públicas e privadas utilizam esta forma de debate, sugestões e deliberações para seus grandes negócios.

    Alguns não funcionaram como espera mas, a maioria, produziu trabalho e qualidade.

    Se me fosse possível sugerir ao futuro Presidente Bolsonaro, indicaria a criação de conselhos para diversos ministérios. Sem cargo no governo e sem salário, quando muito reembolso das despesas de viagem, hospedagem e alimentação. nada mais do que isto.

    Tem muita gente capaz e que deseja ajudar o país.

    Várias cabeças pensariam mais e melhor. E o país agradeceria aos seus filhos pela dedicação e contribuição.

    Fallavena

  2. Devemos dar o tempo certo para qualquer situação de dúvidas quanto a probidade de figuras de destaque da política nesta época de disputa eleitoral, principalmente por que se não forem do PT, havendo alguma confirmação de maus feitos, deverá ser afastado e responder por isso.

    Já, como a nação toda sabe, que sendo do PT , todo e qualquer criminoso é apoiado pelo partido, mesmo dentro da cadeia.

  3. A mídia que apoiou governos corruptos com dono de agência de automóvel como ministro da saúde, um médico ladrão no ministério da fazenda, terroristas para o ministério da defesa, não pode falar nada do ilustríssimo Paulo Guedes que sequer foi indiciado.

    Bolsonaro está se lixando para futricas de bastidores petistas.

    A Caravana seguirá firme e forte detonando petralhas e Cia.

  4. Essa imprensa que aí está podre. Completamente podre. Classe pútrida que acumpliciada e bate continência para o capitão reformado e palmas para esse senhor subserviente, que colocará o Brasil na linha, sim, mas da cartilha do projeto de governos alienígenas e do capital internacional. Um país sem personalidade no cenário internacional como agora aí está.
    Quem vai votar nesse capitão tem hipoxia cerebral.

    • Mas como é que fica os 14 milhões de trabalhadores que ficaram desempregados pelos desgoverno petista?

      E os roubos nos fundo de pensão, Petrobrás, Refinaria de Passadena, etc?

      E as violências no campo e na cidade financiada por esses governos corruPTos?

      • Desemprego que aí está é fruto não de uma ou duas pessoas. Mas do estado das coisas.
        Se o país está dependente de investimentos (vai entender! Um país com tantos recursos aqui depender dos outros), do ânimo e da classificação dada por alienígenas.

        Governos estrangeiros (especialmente EUA) não querem que o Brasil, como qualquer outro gigante, cresça, sem controle, e se torne um influenciador na região.
        Muita coincidência o país ir mal logo após eles (estrangeiros) passarem por um período de crise, com recessão de suas economias ou baixíssimo crescimento…
        E veja o que acontece também na Argentina – O Macri não era um salvador e candidato fiado ao mercado?

        Todos esses crimes que citou, em fundos de pensão (da Varig também teve lá atrás), de empresa estatal de economia mista, toda essa dilapidação do patrimônio tem responsabilidade de pessoa(s) – mais de uma, certamente.
        No caso da Petrobras, não nos esqueçamos que o Conselho de Administração composto por supostos grandes homens ditos honestos autorizou a compra dessa refinaria no estrangeiro.

        Violência está nessas terras desde quando os portugueses desembarcara pilharam-nas e violaram os indígenas de todas as maneiras, no corpo, na “alma” e na sua cultura.
        Depois o que sucedeu foram abusos de todos os tipos da coroa portuguesa e seus mandatários a quem destinadas as terras e que deveriam desenvolvê-las e remeter muitas de suas riquezas para corte.

    • Vamos lá

      Primeiramente, convém observar que das 32 ações, 15 são ações populares, movidos por qualquer um, até mesmo um imbecil.

      1 – Acusação de caixa dois de campanha
      Quem moveu a ação (promotor) era assessor de ex-secretário do tucano antes de ser promotor.

      2 – Da acusação de ocultação de patrimônio. Onde declaração de bens há um apartamento comprado e declarado como valendo R$ 90 mil / 120 mil e que na verdade valeria mais de R$ 900 mil.
      Está claro que se o apartamento foi comprado em 1998 por aquele valor, porque tem ele que declarar o valor venal se não vendeu?

      3 – Superfaturamento nas obras de ciclovia Ceagesp ao Ibirapuera
      Na época outras ações foram movidas objetivando a paralisação da implantação de ciclovias e elas foram arquivadas. Uma, no entanto, prosseguiu: Ceagesp ao Ibirapuera.
      4 – Gasto com diárias e passagens acima do permitido na pasta comandada por ele (MEC). Nominado como farra das passagens e com recomendação de controle. O que foi feito posteriormente pela CGU.
      Essa irregularidade está longe, infelizmente, de ser exclusividade no órgão. Muitos órgãos. Até tribunais e MP’s tem descontrole disso.

      5 – Outra ação é por razão das multas de trânsito.

      6 – Outra é por suposta omissão para conter as fraudes no Enem quando era ministro.
      Como se o problema não fosse criminal, logo, caso de Polícia e da Justiça. Ia fazer o que, adotar biometria e encarecer o custo do exame?

    • (retificando)
      Vamos lá

      Primeiramente, convém observar que das 32 ações, 15 são ações populares, movidos por qualquer um, até mesmo um imbecil.

      1 – Acusação de caixa dois de campanha
      Quem moveu a ação (promotor) era assessor de ex-secretário do tucano antes de ser promotor.

      2 – Da acusação de ocultação de patrimônio. Onde declaração de bens há um apartamento comprado e declarado como valendo R$ 90 mil / 120 mil e que na verdade valeria mais de R$ 900 mil.
      Está claro que se o apartamento foi comprado em 1998 por aquele valor, porque tem ele que declarar o valor venal se não vendeu?

      3 – Superfaturamento nas obras de ciclovia Ceagesp ao Ibirapuera
      Na época outras ações foram movidas objetivando a paralisação da implantação de ciclovias e elas foram arquivadas. Uma, no entanto, prosseguiu: Ceagesp ao Ibirapuera.

      4 – Gasto com diárias e passagens acima do permitido na pasta comandada por ele (MEC). Nominado como farra das passagens e com recomendação de controle. O que foi feito posteriormente pela CGU.
      Essa irregularidade está longe, infelizmente, de ser exclusividade no órgão. Muitos órgãos. Até tribunais e MP’s tem descontrole disso.

      5 – Superfaturamento na compra de merenda escolar (salsichas)
      Tem compra superfaturada em vários órgãos públicos e nem sempre o chefe máximo está a par dos atos de muitos funcionários que respondem, de fato, em razão de delegação – como ordenador de despesas. Só que perante à justiça ela (responsabilidade) é solidária.

      6 – Outra ação é por razão das multas de trânsito.
      Foi inicialmente declarada inconsistente e mandado o autor da ação emendá-la. Valha-me Deus!

      7 – Outra é por suposta omissão para conter as fraudes no Enem quando era ministro.
      Como se o problema não fosse criminal, logo, caso de Polícia e da Justiça. Ia fazer o que, adotar biometria e encarecer o custo do exame?

  5. Nada é de graça. Sabemos muito bem disso.
    O fato de haver essa doação em período eleitoral é inapropriado e somente pode indicar que nos bastidores há uma movimentação tencionada para eleger o Bozo, ou qualquer um contra o candidato Haddad como movimento anti-petista que se verifica especialmente insuflado pelos donos da mídia.

  6. Como prejuízo aos fundos de pensão?
    Na investigação o fundo disse ao Jornal Nacional que tiveram lucros com as aplicações do Guedes e foi acima do que o mercado pagava. Acho que o comentarista deveria se informar antes de jogar fakenews no ar.

    • Acorda, agente do Arquivo X! Se não houvesse prejuízo aos fundos de pensão, não existiria a investigação da força-tarefa e a verdade não estaria lá fora. Essas peraltices do Paulo Guedes já eram conhecidas há meses. Bolsonaro terá de se livrar dele. Para disfarçar, poderia colocá-lo na presidência da Casa da Moeda…

      CN

  7. Como o PT Estatal vai perder a eleição, nós, empregados da nomenklatura (Banco do Brasil, Caixa Economica, Petrobrás, etc) temos que derrubar este tal de Guedes. Sabemos que Bolsonaro é igual a Geisel, que é igual a Dilma. Assim, nossos empregos com estabilidade e aposentadoria diferenciada, estarão garantid0s.

  8. Leão da Montanha; nós brasileiros, confundimos sempre responsabilidade com culpa.
    Nos desmandos da era Dilma/PT, a culpa foi de muitos mau brasileiros; inclusive por omissão. Mas, a responsabilidade era de uma só pessoa do sistema presidencialista.
    Abraço.

  9. Alguns comentaristas vão dizer que se o Bolsonaro
    “soltar gases” são gases cheirosos.

    Não vou me dirigir ao cidadão, mas pelo o que ele escreveu a carapuça vai encaixar certinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *