EUA autorizam China a negociar, diretamente com o Tesouro, a compra de títulos norte-americanos

Emily Flitter (Martin Howell e Steve Orlofsky) Reuters, New York, EUA

A China já pode ignorar Wall Street, ao comprar títulos da dívida dos EUA: foi autorizada a negociar diretamente com o Tesouro dos EUA, na primeira vez, em toda a história, em que governo estrangeiro recebe autorização semelhante – segundo documentos aos quais Reuters teve acesso.

As novas regras de relacionamento significam que o Banco do Povo da China compra agora papéis da dívida dos EUA por método exclusivo, diferente do autorizado para qualquer outro banco central no mundo.

Os demais bancos centrais, inclusive o Banco do Japão, que tem ávido apetite pelos chamados Treasuries, os compram através de opções depositadas nos grandes bancos de Wall Street designados pelo governo dos EUA como corretores primários. Esses corretores vão aos leilões de venda de títulos da dívida dos EUA e negociam em nome dos interessados.

A China, proprietária de $1,17 trilhões em papéis da dívida dos EUA, os Treasuries, ainda compra alguns desses papéis mediante os corretores primários, mas desde junho de 2011, essa via já não é necessária.

Documentos aos quais a Reuters teve acesso mostram que o Departamento do Tesouro dos EUA deu ao Banco do Povo da China um link de computador direto para seu sistema de leilões. Os chineses o usaram pela primeira vez, para comprar títulos com vencimento para dois anos, no final de junho de 2011.

A China pode agora concorrer nos leilões de compra de títulos da dívida dos EUA, sem contato com os corretores primários. Mas, se quiser vendê-los, ainda tem de fazê-lo no mercado.

A mudança não foi anunciada publicamente, nem em mensagem de qualquer tipo dirigida aos corretores primários.

“A compra direta é aberta a vários tipos de investidores, mas como questão de política geral, não comentamos sobre interessados individuais” – disse Matt Anderson, um dos porta-vozes do Departamento do Tesouro.

Apesar de não haver qualquer proibição que impeça governos estrangeiros de comprar diretamente, o arranjo feito exclusivamente com a China é sem precedentes.

A venda de títulos da dívida dos EUA à China tornou-se tema de debate público carregado de forte conteúdo político sobre o papel da China como principal exportador para os EUA e, ao mesmo tempo, como maior credor do país.

O privilégio pode ajudar a China a comprar a dívida dos EUA por melhor preço, reduzindo ao mínimo a informação acessível a Wall Street sobre suas compras.

Os corretores primários não podem cobrar dos clientes, pelo serviço de disputar, em nome deles, nos leilões do Tesouro. A China, portanto, não está economizando dinheiro algum.

###
SIGILO EFICAZ

Em vez disso, a China está podendo garantir o sigilo de informações específicas valiosas sobre seus hábitos de compra. Podendo negociar diretamente com o Tesouro, a China impede os bancos de Wall Street de tentar explorar a presença chinesa num ou noutro específico leilão – forçando os preços para cima.

É uma dentre várias cortesias garantidas a um comprador único, em termos de poder de compra. Embora os japoneses, por exemplo, possuam cerca de $1,1 trilhão em Treasuries, as comprar japonesas têm sido menos centralizadas. O Japão compra mediante várias instituições, incluindo fundos de pensão, bancos japoneses e o Banco do Japão, sem que qualquer delas domine as demais.

Não é a primeira vez que o Tesouro dos EUA mostra grande empenho em manter satisfeito seu principal cliente.

Em 2009, quando funcionários do Tesouro descobriram que a China tinha contatos especiais com corretores primários, para manter ocultas suas compras de papéis da dívida dos EUA, o Tesouro mudou os métodos, para impedir esse tipo de negócio – como a Reuters noticiou em junho passado. Mas, simultaneamente, o Tesouro afrouxou uma de suas exigências de notificação, para manter o conforto dos chineses, no novo regime de regras.

Outro traço do relacionamento especial entre EUA e China nesse campo é a discrição: o Tesouro tentou manter sob sigilo os seus motivos para mudar as regras, em 2009 – como observou a agência Reuters.

Outra vez, documentos que tratam do novo status da China, como comprador direto, mostram o mesmo desejo de sigilo – em relação a Wall Street. E, para proteger o sistema contra hackers, o sistema do Tesouro que dá à China acesso direto aos leilões de títulos foi upgraded.

Em seguida, os técnicos do Tesouro discutiram meios para desviar as perguntas que viriam, dos corretores de Wall Street, no momento em que os resultados dos leilões começassem a mostrar a inegável presença de um comprador direto estrangeiro.

“A maioria entende que compradores estrangeiros só apresentam “ofertas indiretas” pelos corretores primários. A novidade provavelmente causará boatos significativos na rua, e muitas perguntas provavelmente chegarão até nós” – escreveu um funcionário do governo, em e-mail que Reuters leu.

No mesmo e-mail, o mesmo funcionário sugeria que se oferecessem respostas básicas, gerais, a perguntas sobre quem está autorizado a participar de leilões dos títulos da dívida dos EUA.

“Parece-me que será prudente, no caso de perguntas mais complexas ou de natureza mais sensível, que as perguntas sejam encaminhadas à área de Relações Públicas do Tesouro” – escreveu o funcionário.

###
SEGURANÇA NACIONAL

Dar à China status de comprador direto pode gerar controvérsias, porque alguns funcionários do governo dos EUA já se preocupam por a China ter alcançado posição muito alavancada, sobre os EUA, graças à sua gorda carteira de papéis do Tesouro.

Por exemplo, o economista Brad Setser, membro do Conselho Econômico Nacional e que também trabalhou para o Conselho Nacional de Segurança, já disse que o fato de a China ser proprietária de grande quantidade de Treasuries implica ameaça à segurança nacional.

Em carta ao Conselho de Relações Exteriores em 2009, Setser argumentou que o fato de a China ter em seu poder quantidades massivas de papéis da dívida dos EUA dava ao país poder sobre os EUA, pelo risco de um movimento massivo de venda daqueles papéis, o que criaria perigosa agitação nos mercados e faria subir as taxas de juros.

Mas funcionários do Tesouro sustentam, há muito tempo, que a venda de papéis da dívida à China é assunto mantido à parte, separado de considerações políticas, numa relação negocial que beneficia os dois países. Os chineses usam os Treasuries para manter a cotação dos dólares que recebem em pagamento dos produtos que vendem para os EUA; e ao governo dos EUA interessa que haja essa forte demanda pelos títulos de sua dívida, porque assim se mantêm baixas as taxas de juro.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *