EUA, eleições 2012: nas TVs comerciais, o jornalismo já naufragou em dinheiro!

Jack Mirkinson (The Huffington Post)

As empresas de TV nos EUA jamais viram nada semelhante à enchente de anúncios de campanhas eleitorais que as está afogando na campanha eleitoral de 2012. São tantos anúncios, e aportam tal quantidade de dinheiro, que as redes locais têm tomado decisões sem precedentes para lidar com a situação.

Tudo por dinheiro…

O Twitter explodiu na 4ª-feira, em torno de matéria publicada no Washington Post sobre o que o influxo de anúncios pagos está fazendo às empresas de TV que operam em Washington. Um dos canais retirou do ar episódios de “The Simpsons”, substituindo-os por edição expandida de noticiários – exclusivamente para conseguir pôr no ar a maior quantidade possível dos super lucrativos spots das campanhas eleitorais. A receita que chega da venda de tempo para anúncios dos candidatos sextuplicou, em relação a 2008.

Não é difícil ver por que as redes comerciais estão de ponta-cabeça, para conseguir pôr no ar os anúncios. Se se soma tudo que os comitês eleitorais das campanhas para o Congresso, campanhas locais e os Super PAC [Super Comitês de Ação Política] estão gastando em anúncios eleitorais, vê-se que é estratosférica a quantidade de dinheiro que está entrando nos cofres das redes comerciais de TV.

Estima-se que estejam sendo gastos, em todo o país, algo em torno de $3,3 bilhões, só em tempo de televisão para exibição dos spots das campanhas eleitorais. Em Las Vegas, segundo matéria publicada no New York Times, as redes estão reduzindo o tempo dos noticiários para exibir spots de propaganda eleitoral – situação que o país jamais viu antes.

As redes, não raras vezes, veem-se envolvidas em situações anômalas, o que não parece perturbar nenhuma delas, desde que o dinheiro não pare de jorrar. Em Roanoke, Virginia, uma rede local já utilizou o ‘dinheiro novo’ para reabrir um escritório que havia sido extinto e promoveu inúmeras outras mudanças para conseguir mais tempo para mais anúncios de propaganda eleitoral.

Mas as editorias de notícias estão postas na estranha situação de ver as redes reproduzirem anúncios de campanha em que se repetem, infinitamente, declarações e frases que os próprios noticiários desmentem, em alguns casos completamente, sem que, por isso, os spots de propaganda deixem de repetir e repetir, bem feitas as contas, em vários casos, exclusivamente mentiras, 24 horas por dia. Já se ouvem críticas indignadas a esse procedimento.

Mesmo no caso de spots de propaganda de candidatos cujas falas já tenham sido exaustivamente desmentidas pelas editorias de notícias, os anúncios continuam no ar.

Assim se gera a real possibilidade de um consumidor que paga para receber notícias de um ou outro canal pago, ouvir jornalistas que dizem que o anúncio anuncia mentiras e, em seguida, repetidas incansavelmente, as mesmas mentiras. Para piorar, as empresas de televisão só em casos raríssimos recusam-se a por no ar algum spot de propaganda eleitoral, por mentiroso que seja. Matéria do blog Free Press estima que, para cada minuto de serviço jornalístico, as redes comerciais estejam exibindo 162 minutos de material pago.

Aos residentes nos estados indecisos, resta o consolo de saber que, domingo, 7/11, tudo isso será passado [até as próximas eleições].

(Artigo enviado por Sergio Caldieri)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *