Eunício desafiou o Supremo e três dias depois foi humilhado pelo ministro Barroso

Senator Eunicio Oliveira during the Senate session to elect the new president of Brazil's upper house of Congress in Brasilia on February 1, 2017. The dispute for the presidency of the Brazilian Senate is between Eunicio Oliveira (PMDB-CE), who has the support of the current president Renan Calheiros (PMDB-AL), and Jose Medeiros (PSD-MT). / AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE

Eunício bate continência ao Planalto e se dá mal no Supremo

Carlos Newton

Eleito presidente do Senado na última quarta-feira (dia 1º), Eunício Oliveira (PMDB-CE) usou seu discurso de apresentação para enviar recados a cada um dos três Poderes. Mostrou submissão ao governo Michel Temer, prometendo aprovação das reformas (Previdência e leis trabalhistas) e apoio para superar a crise. Tentou agradar ao Congresso, dizendo que atuará como uma espécie de embaixador dos políticos. E subiu nas tamancas, ao fazer uma clara ameaça ao Judiciário.

Sem citar o Supremo Tribunal Federal ou a Operação Lava Jato, Eunício prometeu “ser firme, duro e líder quando um Poder parecer se levantar contra outro Poder”.

SUPREMO CONTRA-ATACA – Três dias depois, veio a inesperada resposta do Supremo. Em pleno sábado, o ministro Luís Roberto Barroso invadiu a competência do Senado e colocou o neopresidente Eunício Oliveira em seu devido lugar, ao determinar que o projeto de lei que define o Marco Regulatório das Telecomunicações seja retirado da sanção presidencial até julgamento do mérito pelo plenário do Supremo.

E agora, presidente Eunício? Vai ser firme, duro e líder quando um Poder parece se levantar contra outro Poder? Ou, na verdade, seu pronunciamento afrontoso foi apenas mais uma boa candidatura à Piada do Ano?

HERDEIRO POLÍTICO – Mas quem é Eunício Oliveira, para se julgar assim tão importante, a ponto de desafiar o Supremo. Na verdade, ele não é nada. Somente chegou à presidente do Senado, porque os caciques do PMDB autorizaram a escolha de seu nome. Como político, Eunício ( o “Índio” da Odebrecht) é apenas o herdeiro de seu sogro, o falecido deputado Paes de Andrade, ex-presidente da Câmara, que enfrentou com firmeza o governo militar, chegou a ser cassado, mas escapou por um erro de datilografia – o ato da ditadura mandava afastar “Vaz de Andrade”, e a Mesa da Câmara então desconsiderou, porque não havia deputado com esse nome…

Paes de Andrade era um homem sério. Seu único deslize foi ter usado o avião da FAB para visitar sua cidade natal, Mombaça, no Ceará, para ser festejado quando assumiu interinamente a Presidência da República.

Quanto ao genro, que chegou a ministro no governo Lula, jamais poderá se comparar a Paes de Andrade. Todos sabem que Eunício é um político-empresário que enriqueceu nas tetas do governo e está citado na Lava Jato como recebedor de propinas da Odebrecht para sustentar a compra e venda de uma Medida Provisória no governo Dilma Rousseff.

BOA INTERVENÇÃO – Em boa hora, o ministro Barroso interveio e evitou a sanção presidencial ao projeto, cuja aprovação foi armada por Renan Calheiros, como presidente do Senado, e Eliseu Padilha, na chefia da Casa Civil, para favorecer as operadoras de telecomunicações, através de uma proposta aprovada apenas nas comissões, sem passar pelo plenário do Senado.

O estranho e apressado projeto, que envolve interesses avaliados em R$ 100 bilhões, já estava na Casa Civil para ser sancionado pelo presidente Michel Temer, que a mídia garantia ser favorável à aprovação, embora jamais tivesse se manifestado publicamente a respeito.

Com a oportuna decisão do ministro Barroso, os senadores agora terão de tirar a máscara da face e dizer se apoiam ou não essa excrescência legislativa, que beneficia de maneira absurda as operadoras de telefonia fixa e celular, em prejuízo dos interesses nacionais.

###
PS
Em 14 de dezembro, o Supremo já havia mostrado ao Congresso que as armações têm limites, com o ministro Luiz Fux concedendo liminar para que o famoso projeto anticorrupção voltasse à Câmara e fosse rediscutido, porque havia sido transformado num projeto pró-corrupção. Agora, com a intervenção de Barroso, fica claro que o Supremo está mudando para melhor, mas o Congresso e o Planalto continuam fingindo que não aconteceu nada. (C.N.)

16 thoughts on “Eunício desafiou o Supremo e três dias depois foi humilhado pelo ministro Barroso

    • “O poder de Gilmar Mendes (O Antagonista)

      Brasil 05.02.17 21:56

      De acordo com Lauro Jardim, “Gilmar Mendes está ativo na articulação para a indicação para as duas novas vagas do TSE, que serão abertas dentro de dois meses”.

      Gilmar quer ter o máximo controle possível sobre a ação contra a chapa Dilma-Temer.”

  1. A fortuna amealhada por Eunicio é produto de seus contratos de terceirização com o poder público.

    Paes de Andrade era um homem tão sério que fez Eunicio enriquecer nas tetas do governo através de contratos de terceirização.

  2. Quando durmo, sonho, quando acordo, estou no pesadelo, até quando meus DEUS, veremos a podridão nos poderes transformar o Brasil em republiqueta, Presidências do Legislativo e executivo, indiciados como ladrões do “cofre”, dos Direitos básicos da Cidadania, o STF, estar stf, com Ministros (sinistros) a vilipendiar e estuprar a Srª Justiça. Essas almas eternas negras, já garantem seu lugar no “Ranger de dentes”, no além túmulo.

  3. Não podemos mais ficar surpresos quando Temer empossa um ministro corrupto e desonesto, da mesma forma quando a Casa do Ladrão (Congresso) elege seus dois presidentes também criminosos!

    Na verdade este processo é consequência DE NÃO EXISTIR PARLAMENTAR HONESTO E DECENTE, portanto, quem for eleito ou escolhido será naturalmente alguém deletério e abjeto.

    Resultado:
    Executivo e Legislativo somente se protegem e trabalham para se manter, e embolsando ilicitamente milhares de reais mensais, enquanto o País continua em recessão econômica, desemprego recorde, inadimplência inacreditável, juros extorsivos, e falido ética e moralmente.

    Acho que será a milésima vez que repito:
    Se quisermos ter um resquício de esperança para daqui a dois, três anos, A SOLUÇÃO É FECHARMOS A CASA DO LADRÃO, ou seja, o Legislativo em todas as suas esferas, pois é o antro dos nossos males há décadas!

  4. O Eunício era sócio do Gaudêncio numa empresa de carro forte ,a CORPVS. Vendeu a parte dele ao Gaudêncio,por isso deve ter levado um bom
    dinheiro.

    PS-Gaudêncio, filiado ao PMDB, é ex-deputado.
    PS1-Não estou com isso defendendo o Eunício.Disse apenas, que não sabia que ele fosse ladrão.Sei que ele foi acusado de receber propina na Lava Jato, mas tem que provar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *