Ex-assessor vai comprovar que devolvia maior parte do salário a Geddel e Lúcio

Lúcio e Geddel exploravam o assessor parlamentar

Camila Mattoso e Letícia Casado
Folha

Um dos ex-assessores da família do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) e do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), Job Ribeiro pretende entregar à Polícia Federal e à PGR (Procuradoria-Geral da República) extratos para provar que devolvia parte de seu salário da Câmara para os políticos. Em prisão domiciliar desde o fim de outubro, o auxiliar encontrou alguns registros de transferências bancárias que fez ao longo dos últimos cinco anos em nome de parentes de Geddel. Procurado pela Folha, o advogado de Job, Marcelo Ferreira, confirmou a pretensão de apresentar os documentos e disse que, além da movimentação entre contas, os registros mostram um “modus operandi” do que acontecia mensalmente.

Segundo Ferreira, os extratos revelam que havia um padrão de saques nas horas seguintes do depósito do salário a cada mês. Em depoimento à PF, no dia 14 de novembro, Ribeiro disse que ficava com cerca de R$ 2.500 por mês e devolvia cerca de R$ 9.000 para a família dos políticos durante todo o período que trabalhou na Câmara dos Deputados.

SERVIÇOS PESSOAIS – Ele disse que prestou serviços à família por 28 anos e, apesar de exercer o cargo de assessor parlamentar, fazia serviços pessoais para os irmãos — como ir ao supermercado, cuidar de fazendas e da saúde do pai de Geddel.

O ex-assessor disse que trabalhou com Geddel entre fevereiro de 1991 e março de 2007, quando o peemedebista assumiu o Ministério da Integração Nacional no governo Lula. Job passou então a trabalhar como assessor do suplente, Edgar Mão Branca, até março de 2010.

Em abril daquele ano, já no governo Dilma, Geddel voltou para o Congresso, e Job passou a ser novamente seu assessor parlamentar, até janeiro de 2011, quando passou a trabalhar com Lúcio e ficou no cargo até outubro de 2017. Ele disse que foi apenas uma vez a Brasília durante o período em que ocupou o cargo.

DELAÇÃO – Job negocia com a PGR uma delação premiada. De acordo com apuração da reportagem, o depoimento do ex-funcionário da família convenceu procuradores e delegados, que viram uma situação de exploração.

O ex-auxiliar afirmou à PF que destruiu documentos a pedido dos peemedebistas, no período em que Geddel cumpria prisão domiciliar, em julho deste ano — na primeira prisão, quando foi acusado de tentar obstruir à Justiça.

Job teve a prisão decretada após a PF identificar fragmentos de suas digitais no “bunker” em Salvador (BA) em que foram encontrados mais de R$ 51 milhões atribuídos a Geddel.

NA PAPUDA – O ex-ministro teve a segunda prisão decretada, após a descoberta da polícia, e está no presídio da Papuda (DF) desde o início de setembro.

Assim que o STF decidiu pela prisão domiciliar de Job, o deputado Lúcio Vieira Lima decidiu exonerá-lo do cargo. A defesa da família Vieira Lima afirmou que irá se pronunciar somente após ter acesso ao depoimento — os advogados fizeram o pedido no início desta semana.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Os irmãos Geddel e Lúcio Vieira Lima personificam o que há de pior na espécie humana – a exploração do trabalhador pelo empregador. Apesar de serem ilicitamente riquíssimos, eles ainda ficavam com a maior parte do salário do assessor. A ganância deste tipo de gente é chocante, degradante e revoltante. (C.N.)

10 thoughts on “Ex-assessor vai comprovar que devolvia maior parte do salário a Geddel e Lúcio

  1. Só eles? Ou quase todos fazem assim? Por isto que todo congressista gosta de ter dezenas de assessores que não fazem nada e recebem muito bem. Mas, a maior parte do salário acaba ficando com o bandido maior.

    • A 3ª denúncia contra Temer no caso da MP do porto de Santos acabaria com essa brincadeira e todos iriam pra prisão.

      Mas Temer colocou Segovia e Raquel Dodge em seus postos para evitar que isso aconteça !

  2. Caramba, não é atoa que muita gente quer ser político, não querem trabalhar e viver honestamente, querem enriquecer as custas do erario público a base da corrupção, haja policia federal para combater tanta corrupção, não há a menor ideologia de melhorar este país, o pior é que acontece em todo o país, nos poderes federais, estaduais e municipais, ou seja, será quse impossivel acabar com os corruptos, talvez fazendo leis mais rigorosas como declar crime hediondo para corrupção, sem direito a fiança e condenação imediata.

  3. Conseguem ser mais degradantes que o assaltante que rouba com fuzil os trocados do vendedor de cachorro quente. Cena esta que ocorreu no Rio semanas atrás.

  4. Assessor ou aspone ter de devolver a maior parte do seu salário para o parlamentar é mais velho do que andar para a frente!

    Nenhuma novidade neste aspecto.

    O RS teve vários casos que chegaram à mídia a respeito, e só eu sei de três, demonstrando a honestidade do canalha ao ser eleito, o corrupto e traidor parlamentar!

  5. Newton, nesta situação é crível que os advogados de Job Ribeiro deve pedir a justiça a devolução da diferênça do ordenado com correção monetária e “danos morais”. É um crime abjeto praticado por esses canalhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *