Ex-mulher de Bolsonaro também comprou imóvel pagando R$ 621,5 mil dinheiro

Rogéria Bolsonaro, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro e mãe de Flávio, Carlos e Eduardo Foto: Reprodução

Ao se separar, Rogéria acusou Bolsonaro de ocultar bens

Juliana Dal Piva e Chico Otavio
O Globo

 Primeira mulher do presidente Jair Bolsonaro e mãe de Carlos, Flávio e Eduardo, Rogéria comprou em 22 de janeiro de 1996 um apartamento no bairro de Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, por R$ 95 mil — equivalente hoje a R$ 621,5 mil, valor atualizado pela inflação. A escritura pública do 21º Ofício de Notas do Rio, obtida pelo GLOBO, registrou que o pagamento ocorreu em dinheiro vivo, e foi “integralmente recebido” no ato de produção do documento de venda.

 Na ocasião da aquisição, ela era casada em regime de comunhão parcial de bens com o então deputado federal e agora presidente Jair Bolsonaro. O casal se separou entre 1997 e 1998.

VOLTA À POLÍTICA – Agora, Rogéria se prepara para voltar à política, após quase 20 anos, e é pré-candidata pelo Republicanos a uma das vagas na Câmara de Vereadores do Rio.

No domingo, O Globo mostrou que seu filho Flávio também optou por usar dinheiro vivo para pagar por parte de um conjunto de 12 salas comerciais na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, em 2008. O valor pago à época em espécie foi de R$ 86,7 mil.

Em depoimento ao Ministério Público do Rio, Flávio afirmou que pediu dinheiro emprestado ao pai, a um irmão, sem identificar qual, e possivelmente a Jorge Francisco, chefe de gabinete do então deputado Jair Bolsonaro.

DIZ O CARTÓRIO – Na escritura do apartamento comprado por Rogéria, o escrevente do cartório, Irenio da Silveira Duarte Júnior, anotou que, em janeiro de 1996, “compareceram como outorgantes vendedores Francisco Antonio da Paixão Brandi, militar reformado, e sua mulher, Alba de Medeiros Brandi, do lar… E, como outorgada compradora, Rogéria Nantes Braga Bolsonaro, brasileira, professora, casada em regime de comunhão parcial de bens com Jair Messias Bolsonaro”.

Após descrever o imóvel que estava em negociação, um apartamento que a família Bolsonaro já alugava para morar, o escrevente registrou que a venda ocorreu “pelo preço certo e ajustado de R$ 95 mil integralmente recebido neste ato (…) através de moeda corrente devidamente conferida e, digo, corrente contada e achada certa e examinada pelos outorgantes (vendedores)”.

Ele anotou ainda que o casal Brandi e Rogéria anunciavam perante o cartório que, após o pagamento, foi colocada “irrevogável quitação” e “nada mais a reclamar com fundamento no dito preço” do apartamento que estava sendo vendido naquele momento. O escrevente do cartório anotou ainda que Rogéria aceitou a “escritura como está redigida”.

MOEDA CORRENTE – No final do documento, como havia uma rasura em um trecho, o escrivão reafirmou que a compra foi feita por meio de moeda “corrente, contada e achada certa”.

Confrontada com os dados da escritura e questionada se a negociação teria sido feita pelo marido, Alba negou a negociação: “Nunca morei lá, nem coisa nenhuma. Não sei. Ele (Francisco) já morreu há muito tempo”.

Na escritura, porém, constam as assinaturas de Alba e Francisco Brandi. O escrevente também morreu. O GLOBO submeteu a escritura para análise de um colega de Duarte Júnior no 21º Ofício, à época. Ele confirmou as informações registradas , mas pediu anonimato. Procurada desde a semana passada, Rogéria, não se manifestou. O Palácio do Planalto não retornou.

VIROU VEREADORA – Rogéria foi a primeira pessoa da família que o presidente Jair Bolsonaro inseriu na política, ainda na disputa de 1992, três anos depois que ele próprio fez a transição das Forças Armadas para o Legislativo municipal. Eleita, ela foi vereadora na Câmara Municipal do Rio de Janeiro por dois mandatos, entre janeiro de 1993 e janeiro de 2001 — quando, já separada de Bolsonaro, perdeu a cadeira em uma eleição na qual o filho Carlos foi eleito pela primeira vez, aos 17 anos.

O apartamento, portanto, foi comprado três anos depois que ela se tornou vereadora e quando Bolsonaro exercia seu segundo mandato na Câmara dos Deputados.

GABINETE FAMILIAR – Em janeiro, a revista Época mostrou que em seus dois mandatos, a vereadora Rogéria Bolsonaro teve 66 assessores e, assim como o ex-marido e os filhos, também empregou diversas pessoas com algum grau de parentesco entre si. Ao longo dos oito anos na Câmara dos Vereadores, oito pessoas de quatro famílias diferentes chegaram a ser nomeadas entre os funcionários de seu gabinete.

Ela ainda empregou outras três pessoas que depois conseguiram cargos para parentes nos gabinetes de Jair, Carlos e Flávio, que só entrou para a política em 2003. É o mesmo padrão mostrado pelo GLOBO no ano passado, em reportagem que apontou os 102 assessores da família Bolsonaro que tinham laços familiares entre si.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Bolsonaro sempre defendeu a família. Tanto assim que já está no terceiro casamento. E o dinheiro vivo é uma espécie de marca registrada, que passa de pai para filho e até para ex-mulher. Aliás, ao se separar, Rogéria acusou Bolsonaro de ocultar bens, coisas assim. (C.N.)

19 thoughts on “Ex-mulher de Bolsonaro também comprou imóvel pagando R$ 621,5 mil dinheiro

  1. E o seu Jair enganou todo mundo com o papo de acabar com a corrupção, ou pelo menos combatê-la.

    Na verdade, a corrupção é ele próprio e a família.

    Grande bandido político ou político bandido, tanto faz!

  2. Para familícia, “rachadinha” é café pequeno. Talvez porta de entrada para assaltar os cofres públicos.
    .
    O que realmente “dá dinheiro” são as ligações com com o Crime Organizado nas milícias: narcotráfico, construções irregulares e assassinatos por encomenda (onde um dos pistoleiros acudia a um simples grito, pois era vizinho).

  3. As milícias só operam no cacau, cascalho, l’argent, bufunfa, na erva, na grana, na gaita na prata e etc…

    É a milícia, estúpido!!

    Vamos nos esborrachar!!

    Atenciosamente.

  4. É difícil aceitar conclusões intempestivas sobre a conduta do prez e dos seus familiares. Trata-se, como todos sabem, de pessoas religiosas. O próprio Jair ajoelhou-se num altar e em contrição rezou; a sua cara metade é fervorosamente religiosa; seus filhos, embora imaturos, construiram suas vida na base do trabalho honesto, embora ajudados por um homem simples e íntegro, a quem chamam carinhosamente de Queiroz. O que mais estão querendo dessa família quase sagrada? Assim não dá. Melhor seria que o prez renunciasse para dar uma boa lição nesses hereges difamadores. Fique com Deus, seu Jair Padeiro.

  5. Interessante, Bolsonaro, tendo sido militar, nenhum de seus filhos seguiu a carreira militar. Todos, ou quase todos, foram para a honesta e imaculada política tabajara. Por quais razões ? Mistério …

  6. A primeira (terá sido mesmo) compra de imóvel com $$$ vivo habilitou a primeira mulher do bostanágua a entrar na política. Uma das habilidades essenciais ao políticos no Br é capacidade de camuflar os bens, adquirindo-os em cash. Eles não confiam no sistema bancário.

    Vade retro, improbus!

  7. Do jeito que eu ando, nem os óculos que ela usa eu posso comprar. Mas eu entendo a diferença: ela deve ter se formado e deve ter um bom emprego. E de certo o dinheiro foi honestamente ganho. Enfim, ela é uma Bolsonara.

  8. Às vezes eu me espanto quando vejo colegas tentando entender a compra de imóveis à vista por parlamentares!

    Pessoal, por favor:
    Os proventos de um deputado ou senador atingem 200 mil mensais.
    Não sou eu que digo, leem no Portal do Congresso os proventos de cada um, onde é somado o salário, verba para manutenção da função, verba para gabinete, verba para moradia, diárias, afora os gastos com a saúde, que beiram 50 mil mensais a média dos gastos nesse particular, pois acresce os proventos para 250 mil mensais!

    Em 4 meses apenas, dá para comprar o imóvel acima à vista e sobrar troco!
    A aquisição foi honesta, sim.

    Os desonestos SOMOS NÓS!!!!

    Nós que permitimos esse acinte, esse deboche, esse escárnio contra nós mesmos;
    Nós que concedemos essas regalias, mordomias, penduricalhos e privilégios;
    Nós que pagamos salários milionários através de nosso sangue, suor, lágrimas e trabalho;
    Nós que não fiscalizamos os gastos, uma fonte inesgotável de estelionato, onde uma auditoria constataria o quanto somos roubados;
    Nós que jamais reclamamos dos “bondes da alegria” dos parlamentares, quando se concediam mais vantagens;
    Nós que somos irresponsáveis com o que é nosso;
    Nós que nos deixamos roubar, explorar e manipular;
    Nós que somos safados, mal intencionados, corruptos;
    Nós que aceitamos ser enganados e ludibriados a cada eleição;
    Nós que alimentamos essa falsa e dissimulada democracia, que enriquece os poderes constituídos e empobrece o povo;
    Nós que aceitamos a pobreza, a miséria, o analfabetismo, a falta de saúde, de saneamento, de infraestrutura, pois temos de reverenciar as castas e as autoridades;
    Nós que somos um povo bunda mole, sem garra, sem ânimo, sem disposição;
    Nós que somos maus exemplos para nossos filhos, netos, pois nada fazemos para mudar essa situação!

    Portanto, que essa senhora faça bom proveito do seu luxuoso imóvel, enquanto nós, a população, nas sua maioria, temos como “lar, doce lar”, uma maloca, uma casa de papelão, uma reles proteção de caixas de verduras e frutas, e um salário duzentas vezes menor, de 1.045,00 por mês!

    Simplesmente uma quantia que não paga uma refeição dos ministros da nossa Alta Corte, claro, pois pessoas especiais, cujos alimentos PAGOS POR NÓS, devem ser de acordo às suas importâncias à nação brasileira!

    Para nós, o povo, basta uma lata de lixo com restos de comida, que fazemos uma puta festa!

    Muito antes de reclamarmos, e tenho feito isso rotineiramente, também temos de fazer a nossa autocrítica, e ela não é nada favorável à nossa omissão como cidadão!

    • Bendl,

      “e um salário duzentas vezes menor, de 1.045,00 por mês!”

      E milhões de pessoas vivem com menos disso por mês, ou melhor sobrevive com migalhos.
      Segundo o próprio IBGE, metade da população (105 milhões, ), sobrevive com 15,00 reais por dia….

      • Armando,

        Eu me baseei no salário mínimo oficial.
        A bem da verdade, 35 milhões sobrevivem com 400,00 mensais, que são considerados os pobres, e 45 milhões de pessoas tentam viver, obviamente, com menos de 120,00 por mês, os considerados miseráveis ou além da faixa de pobreza.

        A disparidade salarial é tão absurdamente injusta e inexplicável, que o governo não sabe mais de onde tirar dinheiro para manter os poderes constituídos como castas, como privilegiados.

        A situação de miséria, de pobreza, de desemprego, de analfabetismo, de saúde precária, de educação deprimente, de segurança inexistente, de infraestrutura frágil e de saneamento básico uma vergonha, têm como causa os custos dos poderes!

        Quanto à situação do povo não há preocupação alguma, pois eles estão muito bem!
        Até o dia que milhões se levantarem contra essa segregação, injustiça e calamidade protagonizada pelos poderes, e virar a mesa!

        Esse detalhe, as castas, elites, poder econômico não se dão conta!

        Queres mais?
        O Rio de Janeiro já tem as suas regiões onde a polícia não entra!!!
        Tampouco Exército, porque sabem que haverá combates sérios e com muitas baixas!
        Ainda mais que o pessoal está bem armado e municiado, conforme se vê nos vídeos!

        Achas que o mesmo não ocorre em São Paulo?
        Belo Horizonte?
        Fortaleza?
        Porto Alegre?
        Salvador?
        Brasília?

        O dia que essa turma se encontrar com o povo pobre, miserável, que aumentaria o contingente substancialmente, cai qualquer governo e poder reinante, a menos que tenhamos uma guerra civil e de proporções inimagináveis pelos milhões de mortos!

        Por que não evitam que essa tragédia possa acontecer ali adiante?
        Respondo:
        Pelo fato de estarem bem protegidos pelas FFAA!!

        Conversa fiada que os militares defendem a democracia; papo furado que defendem as instituições!
        As FFAA estão para defender o status quo, o stablishment, o sistema, e o povo não faz parte desse grupo, a verdade é esta!!!

        E ainda querem me falar de democracia, de pleno estado democrático de direito … que puta enrolação!

        Nada explica e justifica a situação que o pais e povo se encontram, a não ser os elevados custos dos poderes constituídos, que não podemos mais pagar!

        Os idiotas e imbecis estão matando a galinha dos ovos de ouro, cambada de corruptos e de incompetentes!

        Abraço, Armando.

  9. Já fui servidor público municipal, estadual e federal; na ordem crescente. Oxalá Rogéria e Jair Bolsonaro sejam raríssimas exceções!
    Quem já transitou pelos meandros da coisa publica sabe: é muito difícil um funcionário com poder de conceder, legislar, autorizar, desautorizar, anistiar, multar, deliberar, fiscalizar etc. Esse dispor-se de uma parcela considerável dos seus proventos, para adquirir algo pra si ou a quem do seu dever.

  10. Fica comprovado que casar com mulher nova, bonita e carinhosa (que faz o homem gemer sem sentir dor) não sai nada barato – no caso de político, para o contribuinte – para passar a impressão que “ainda come gente”. Esses 72 mil contos de réis é só pra começo de conver… digo, de investigação do MPRJ. O anterior não deve ter pendurado menos do que isso na conta do pagador de imposto. O mais anterior ainda viajava com a segunda micheteir… digo, dama (que tinha brasilian corporative card) para luxar e muambar no exterior. Quanto deve ter abocanhado o ex da Estela?
    Ô povinho sem sorte, ô paiszinho sem jeito!!

    Vade retro, nullam fortunam!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *