Exame em miliciano não constata sinais de tortura, diz perito contratado pela família

Perito avalia ser preciso mais tempo para conclusão dos trabalhos

Marcos Nunes
O Globo

Contratado pela família do ex-capitão Adriano Magalhães da Nóbrega para acompanhar o exame necroscópico complementar do ex-PM feito por peritos oficiais no Instituto Médico-Legal do Rio (IML), o médico legista Talvane de Moraes disse nesta sexta-feira, dia 21, não ter visto sinais aparentes de tortura no corpo. Moraes ressalvou, no entanto, que nem sempre sinais deste tipo são visíveis e que o cadáver já havia sido muito manipulado anteriormente.

“Os exames foram feitos pelos peritos oficiais e eu fiquei acompanhando. Os sinais de tortura nem sempre são visíveis. Há tortura psicológica e há tortura física que pode deixar ou não marcas. Não deu para perceber nenhum sinal (de tortura). As condições também não eram ideais, já que o corpo já havia sido muito manipulado. Estava embalsamado e sem os órgãos internos”, disse o médico.

PRAZO MAIOR – Embora a Justiça da Bahia tenha estipulado um prazo de 15 dias para a conclusão do laudo complementar, Talvane acredita que seja necessário pelo menos mais um mês para os trabalhos serem totalmente concluídos.

Ele também adiantou que foram recolhidas amostras de tecidos do corpo, com alguns tipos de marcas de queimaduras (provocadas ou não por tiros), que podem ajudar a esclarecer como a morte ocorreu.

CAUSA – “Pela minha experiência, acho que vai demorar mais de um mês para o laudo ficar pronto. Isso por conta das análises de queimaduras que precisam ser feitas. São marcas que podem ser importantes para determinar a causa e as condições que a morte ocorreu. Foram retirados pedaços de tecidos que serão enviados para laboratório para exames microscópicos e de reação de substâncias químicas”,concluiu Talvane.

Adriano Magalhães da Nóbrega morreu no último dia 9, após uma troca de tiros com PMs do Bope da Bahia, na cidade de Esplanada, no Norte daquele estado. Um primeiro exame cadavérico, feito no IML de Alagoinhas, município baiano próximo a Alagoinhas, já havia concluído que não houve tortura e que o ex-capitão recebeu dois tiros, entre o pescoço e o tórax.  

11 thoughts on “Exame em miliciano não constata sinais de tortura, diz perito contratado pela família

    • Nessa reportagem as bolsonetes acreditam.

      Veja passou a ser sinônimo de jornalismo imparcial. Tem cada um.

      Todos sabem que o Witzel é desafeto do Bolsonaro; todos sabem que o miliciano morto é amigo íntimo do clã Bolsonaro.

      Confidenciou a quem? Flávio, Eduardo, Carluxo ou ao próprio PR?

      Tirem suas conclusões, criancinhas.

      • E mais. Suponhamos que o miliciano tenha dado R$2 milhoes ao Witzel.

        Quanto que o miliciano deu ao clã Bolsonaro? Coloca aí 1000 vezes mais.

        Excluído, claro, as rachadinhas que eram arrecadadas no gabinete do Flávio Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *