EXCLUSIVO: Rubens Paiva foi morto pelo Coronel José Ney Fernandes Antunes, no Doi-Codi

Carlos Newton

Helio Fernandes comentou aqui na Tribuna da Imprensa a notícia de que enfim foi encontrado um documento oficial sobre a prisão de Rubens Paiva pela Aeronáutica e subsequente transferência para o cárcere do DOI-Codi. Ou seja, tudo transcorreu exatamente como Helio Fernandes havia narrado aqui há cerca de um mês e agora foi confirmado pela Comissão da Verdade, conforme publicou a repórter Patrícia Britto na Folha de S. Paulo.

Também na Folha, o colunista Janio de Freitas assinalou que essa notícia tem um valor extraordinário na investigação da morte do ex-deputado, porque, ao se referir à busca de duas passageiras de um voo da Varig vindo do Chile, o documento também confirma que a repressão já sabia que elas eram portadoras de correspondência destinada a Paiva.

Janio de Freitas acrescenta que há um delator, um infiltrado nos exilados, a ser descoberto. “Agora já se sabe que agia para a Aeronáutica. Portanto, para o Cisa, o centro de informação da FAB, em cuja documentação deve estar a pista necessária (remessas de dinheiro para o Chile, pagamentos feitos por um certo diplomata em Santiago, e outros). Esse infiltrado é cúmplice no assassinato de Rubens Paiva. E sua identificação é essencial na verdade procurada a respeito”, diz o colunista da Folha.

O MATADOR DE PAIVA

Em seu comentário, Helio Fernandes destacou que já se sabe quase tudo sobre a morte de Rubens Paiva, conforme ele próprio relatou recentemente aqui no Blog. “Só falta o nome do matador de Paiva”, cobrou Helio.

A esse respeito, a informação consistente que acabo de conseguir atribui o assassinato do ex-deputado ao  Coronel José Ney Fernandes Antunes, que era comandante da Polícia do Exército em 1971.

Essa informação foi passada por um militar que então estava lotado no Dói-Codi e testemunhou a morte de Paiva. Ele contou a seu genro que o ex-parlamentar foi torturado por vários militares, mas “foi morto pelo Coronel Ney Antunes”. Essa testemunha infelizmente já morreu, mas seu genro é um homem de coragem e pode confirmar a informação. Se a Comissão da Verdade estiver realmente interessada, ele pode relatar as diversas e longas conversas que manteve com o sogro sobre a atuação do Doi-Codi nos anos de chumbo, que precisam ser lembrados para que não voltem jamais.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “EXCLUSIVO: Rubens Paiva foi morto pelo Coronel José Ney Fernandes Antunes, no Doi-Codi

  1. O Coronel José Ney Fernandes Antunes era meu tio, casado pela segunda vez com a irmã de meu pai. Quando eu era pequeno, ouvia muitas histórias dele quando ainda era capitão da PE no RJ no tempo de ditadura, o que ele fazia e como ele fazia com as pessoas que ele prendia. Ouvia muitas vezes ele dizer: “…colocava o cabra na parede e passava a metralhadora nele, rá-tá-tá-tá….”. Bem assim que eu ouvia. Era pequeno e não ligava para essas e outras histórias que ele e meus pais contavam. Uma coisa é certa. Tinha um temperamento muito forte. Ele morreu aqui em Curitiba, há alguns anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *