Exrcito pode ajudar na busca dos corpos dos trs homens sequestrados pelos ndios

Carlos Newton

uma notcia importante, no h dvida. Os jornais informam que na tera-feira (7) o general de exrcito Eduardo Dias da Costa Villas Boas, comandante militar da Amaznia, vai sobrevoar a regio onde trs homens foram sequestrados dia 16 de dezembro, quando passavam de carro na rodovia Transamaznica.

Reportagem de Jos Maria Tomazela, enviado especial do Estado, informa que o chefe militar vai decidir se autoriza a entrada na floresta da tropa de elite do Exrcito, especialista em combate na selva, para ajudar nas buscas, como querem familiares dos desaparecidos. Antes do sobrevoo, Villas Boas se reunir com o general de brigada Ubiratan Poty, em Porto Velho.

SUSPEITA

Tomazela revela tambm que o advogado Carlos Terrinha, que representa as famlias dos desaparecidos, est pedindo Funai que investigue a conduta do coordenador regional do Madeira, Iv Bocchini, que teria usado o blog oficial do rgo para levantar suspeitas sobre a morte do cacique Ivan Tenharim, aps acidente de moto, dia 3 de dezembro.

“As autoridades competentes devem ser capazes, agora, de dar uma resposta altura da importncia que o cacique tinha para os tenharim. A Funai ir cobrar a polcia para que haja uma investigao e seja apontada a verdadeira causa da morte”, escreveu.

O reprter do Estado assinala que a suspeita realmente foi levantada por Bocchini antes do desaparecimento dos trs homens na Transamaznica e levou a populao a ligar os casos. E Bocchini alegou que acompanhou o velrio do cacique e apenas relatou as suspeitas levantadas pelos prprios ndios durante a cerimnia.

COMENTARISTA

Foi o comentarista Guido Batagglia que escreveu ao Blog da Tribuna da Internet revelando que o coordenador regional do Madeira, Iv Bocchini, teria sido responsvel pelo comeo de tudo, com um comentrio infeliz, pessoal, baseado sobre opinies de outras pessoas.

“Utilizou um blog federal para expressar ideias prprias sem a autorizao dos superiores dele. Ele, querendo ou no querendo, cometeu um crime. Teria, no mnimo, de ser despedido por justa causa”, salientou Battaglia, com toda razo.

11 thoughts on “Exrcito pode ajudar na busca dos corpos dos trs homens sequestrados pelos ndios

  1. No temos competncia para cuidar da criana, do adolescente, do velho, do presidirio. Como podemos esperar que cuidemos bem do ndio ? Os ndios foram dizimados por arma de fogo ou doenas como a varola. A doena foi at usada como forma de mat-los, roupas contaminadas eram dadas de presente para eles.Minrios nobres, fauna e flora diferenciadas,terras agriculturveis, integram as reservas. No d para conciliar os interesses dos ndios, do agronegcio, das madeireiras e das mineradoras. Ento toma problema pela falta de governo voltado para os interesses nacionais. As ONG’s, muito mais preparadas que o Estado Brasileiro, catequisaram os ndios.

  2. Renato, ests certo ao falar em roupas contaminada principalmente com varola para dizimar ndios. No devemos esquecer do primeiro movimento ndigena contra a escravido, feito por Cunhbebe, gerando depois a “Guerra dos Tamoios”. Cunhbebe, segundo alguns historiadores, baseados em registros dos idos de 1550, aventam a hiptese de ter sido contaminado pela variola, j que foi presenteado com roupas deixadas na ilha de Cunhbebe,hoje Anchieta, antes de eclodir a revolta. Esse lder existiu segundo relato em seus escritos pelo prpio Anchieta. Na verdade o problema dos ndios a demacaro e homologao de suas reservas. Isso est consagrado nos artigos 231/232 da Constituio. Feito isso e recebendo ajuda da EMBRAPA e algum financiamento, eles em pouco tempo se tornaro auto suficientes. Quanto ao desaparecimento das trs pessoas comento a seguir.

  3. Renato, os ndios sofrem influncia de ONGs, mas, no na dimenso que falam. Naturalmente algumas devem ter-lhes dito o seguinte: Durante todos esses anos desde a criao do SPI em 1912, vocs tem sido representados pelos funcionrios da hoje FUNAI, que enrolam, enrolam, roubam as verbas e no resolvem nada. Est na hora de vocs mesmos irem para luta exigindo o cumprimento das leis e dos direitos que lhs so devidos. Essa pode ser a influncia maior. Quanto a querem separar-se do Brasil MENTIRA AMAZNICA. Os ndios so a fronteira humana do Brasil por 500 anos. No caso do desaparecimento das trs pessoas existem muitas dvidas pois aos ndios no interessava a morte de ningum.

  4. Agora com essa notcia que o funcionrio da Funai Iv Bocchini, teria aventado no velrio do cacique morto, a possibilidade de assasinato possvel que alguns ndios, por iniciativa prpria tenham praticado tais atos. Entretanto, NO DA CULTURA INDGENA SEQUESTRAR NINGUM PARA MATAR.

  5. Se o Comandante Militar da Amaznia general Villas Boas resolver empregar a tropa de elite do Exrcito, especialista de combate na selva, ser de suma valia. (No devemos esquecer que a tropa de elite formada em sua maioria por ndios aculturados que rastejam como cobras e farejam com ces, nada lhes passa despercebido na selva). Logo concluir sobre o que aconteceu. Uma coisa digo: Esse crime tem tudo para ter sido encomendado ou instigado por madereiros que no queriam pagar o pedgio ao passar pela reserva indgena. Os Tenharim vivem naquela reserva desde antes da proclamao da Repblica; sempre foram pacficos. Os madereiros e os grileiros que os esto pressionando sem resultado. S um crime pavoroso envolvendo os ndios que pensam, pode mudar a situao favoravelmente a eles. “ uma faca de dois gumes.” A chave de tudo o Bocchini.

    • Sr. Antnio, entendo a vontade de se expressar fogosamente, mas gostaria lembrar como o Batalho da Selva, tb conhecido como Batalho Amazonas uma tropa de elite treinada para operar em condies extremas de sobrevivencia. Alguns militares so sim indgenos ou de origem indgena, mas ningum deles rasteja ou fareja, menos ainda, feito bicho. Tropa de elite aplica o treinamento recebido. Sobre os suspeitos, como comentei com o autor da reportagem, penso ser uma boa conduta no se espalhar muito. Desse jeito at o “Mordomo” ser suspeito.

  6. Estimado Carlos Newton, revelei pouca coisa, somente reportei uma noticia j confirmada a tempo. Mas, ainda, gostaria apontar a ateno sobre quanto seja inoportuno, nessa fase das investigaes, abrir muito o leque das acusaes e envolvimento de pessoas, sejam eles a etnia toda dos ndios, seja a populao das cidades da rea, seja madeireiros, ONG’s etc. Envolver muitos suspeitos s atrapalha e, em hiptese, poderia ser uma estrateja para chegar a concluso nenhuma. Essa estrateja muito utilizada no meu Pais, grande usurio daquela “Pizza” adotada tb no Brasil. O que seria til hoje se focar sobre suspeitos restritos a poucas pessoas. Os Tenharim querem colaborar para preservar as Aldeias, mas, no iro participar as investigaes at quando sero culpados como etnia “Tout court”.

    • Antonio, militares no gostam de metforas, preferem ir direito ao assunto, mais ainda quando essa metfora engraada compara uma tropa de elite a cobras rastejantes e ces farejadores. Sobre entender e no entender, penso que o Sr. deveria ler com mais ateno os comentrios alheios e tentar entender antes de chamar os outros de ridculos e utilizar calo . A minha opinio foi no se espalhar em hipteses que envolvem muitas pessoas nessa fase das investigaes para no perder o rumo da procura dos culpados. Ou seja, para melhor explicar; quando tem muitos indiciados em um crime, o verdadeiro ru, acaba inocentado. Essa tb uma estrategia da defesa em muitos processos. Nunca pedi para ningum falar sobre o assunto. Vejamos se conseguimos manter um nvel decente nesses comentrios.

  7. Cassemos as metforas da lingua protugusa, elas esto atrapalhando??????). Gostam de que? Ateno: sobre quanto seja inoportuno, nessa fase das investigaes abrir muito o leque das acusaes.????? Ser que j tem algum acusado? Ou seriam suspeitos? Essa tambm uma estrategia da defesa em muitos processos…………..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.