Fala do general na Maçonaria foi programada para fazer os civis tomarem juízo

Imagem relacionada

Jungmann tentou punir o general, mas não conseguiu

Carlos Newton

Embora muitos cientistas políticos desconheçam esta realidade, a Maçonaria continua a ser uma das instituições mais influentes do país. Sua presença no território nacional só é comparável à dos Correios e Telégrafos. Assim como a ECT, a Maçonaria está atuante em quase todos os 5.570 municípios brasileiros, à exceção dos menos habitados, onde até os Correios não têm sucursais e atuam por intermédio das próprias prefeituras. Por isso, as Forças Armadas não desprezam a importância da Maçonaria e sua penetração no território nacional, circunstância que explica a escolha da sede do Grande Oriente para a transmissão do recado do Alto-Comando do Exército, através do general Hamilton Mourão.

Já revelamos aqui na “Tribuna da Internet” a recente atuação em conjunto da Maçonaria e das Forças Armadas para evitar a concretização da independência política, econômica e social das chamadas nações indígenas, em cumprimento de tratados internacionais assinados pelo governo Lula nas Nações Unidas e na Organização Internacional do Trabalho. O resultado seria o desmembramento de cerca de 20% do território nacional. Devido à ação das Forças Armadas e da Maçonaria, os tratados jamais foram enviados para ratificação do Legislativo, estão engavetados, é como se não existissem mais.

MOURÃO É MAÇOM – O que até agora não foi revelado sobre a surpreendente palestra do general Hamilton Mourão, da ativa e com quatro estrelas, é que o chefe militar é maçom, filiado a uma das duas grandes correntes da Maçonaria – a ala Grandes Lojas. Curiosamente, seu pronunciamento foi feito na sede do Grande Oriente, maior e mais tradicional facção da Maçonaria brasileira e que congrega mais de 2 mil lojas afiliadas.

Por ser maçom, o general Mourão poderia ter se apresentado de terno preto ou usando o chamado balandrau – uma espécie de toga negra, semelhante à dos ministros do Supremo Tribunal Federal. No entanto, ele usou o uniforme de gala do Exército, ostentando todas as suas condecorações, para dar ao ato a formalidade  de apresentação oficial de um membro do Alto-Comando do Exército.

O vídeo da palestra foi divulgado quase em tempo real. Logo depois, houve um coquetel na sede do Grande Oriente e o assunto principal foi imediata repercussão na internet.

OPERAÇÃO ABAFA – Em tradução simultânea, o fato concreto é que general deu um recado importantíssimo, em nome do Alto-Comando. Justamente por isso, não foi nem será punido.  Tampouco haverá intervenção militar. O que as Forças Armadas querem deixar bem claro é que não será tolerada a “Operação Abafa”, que está em curso nos Três Poderes, com apoio de parte da mídia e de alguns integrantes do próprio Supremo Tribunal Federal, conforme o ministro Luís Roberto Barroso tem denunciado com insistência.

As armações da “Operação Abafa” aumentaram a insatisfação dos comandos das Forças Armadas, que o presidente Temer tentou acalmar retirando da reforma da Previdência a aposentadoria militar e elevando os salários das três Armas. Acostumado a comprar parlamentares por 30 dinheiros, Temer julgou que poderia manter sob controle os militares, mas se enganou de forma absoluta.

###
P.S. –  Quando soube da palestra no Grande Oriente,  o presidente Temer (que também é maçom) mandou o ministro Raul Jungmann exigir a punição do general, mas o comandante Eduardo Villas Bôas não deu a menor importância, disse que já tinha resolvido internamente o assunto e encerrou a conversa, fazendo Jungmann e Temer se recolherem à sua insignificância. O assunto é da maior importância e logo voltaremos, com outras informações. (C.N.)

13 thoughts on “Fala do general na Maçonaria foi programada para fazer os civis tomarem juízo

  1. cizânia geral: nos três podres poderes, no front militar…[algo muito podre está no ar; difícil prever o desenlace; já ouvimos falar de quarto poder, ora referindo-se à imprensa ou militares… ]

  2. Prezado Newton:

    Se o que as Forças Armadas querem ” é deixar bem claro que não será tolerada a Operação Abafa”, NÃO se pode excluir a possibilidade de Intervenção. Até porque os interesses pessoais dessa turma do Abafa não permitem que eles se intimidem com absolutamente nada. Afinal, fizeram e chegaram tão longe…tão longe…tão longe…
    Saudações,
    Carlos Cazé.

  3. Excelente e muito esclarecedor este artigo do Carlos Newton sobre o tema.

    É bom que TODOS os políticos influentes e corruptos deste Brasil saibam que a roubalheira que tentam perpetuar VAI acabar!

    É só questão de tempo!

  4. As FFAA não podem se submeter à “autoridade” deste ministro da defesa, um político de carreira duvidosa, que precisaria ser investigado nas suas atuações como “conselheiro” de empresas de energia elétrica!

    Certamente agrega sobre o seu salário o que recebe nesta “função”, que o classifica como mais um imoral sendo regiamente pago para não fazer … nada!

    Correto o Villas Bôas, que não deu importância à vontade sua e do outro corrupto, Temer, quanto à punição do general Mourão porque falou a VERDADE, palavra desconhecida pelo parlamento e executivo. sinônimos de crimes praticados, mentiras, engodo e impunidade!

  5. Não sou Maçon, mas acho muito bom que ainda exista instituição como essa. Pelas cabeça e planos diabólicos de esquerdopatas o ideal seria o fim de instituições tradicionais como Família, Forças Armadas, religiões, casamentos heteros(homem x mulher) e também claro, a Maçonaria.
    Seguem os ensinamentos de Gramsci que propunha a destruição de todos os valores e instituições tradicionais, para com o óbvio caos criado, conseguirem aí sim impor a tão sonhada(para eles) revoluçõa comunista/socialista.
    Mas graças a Deus e a gente abnegada dentro das Forças Armadas, da Maçonaria e da sociedade civel também, esses objetivos nefastos estão ficando cada vez mais distantes para eles.
    E o recado é sm muito claro para os politicos e outros setores desagregadores. As Forças Armadas e nós, pessoas de bem, incluindo os maçons, não iremos tolerar mais a desagregação dos valores básicos de nossa pátria. Uma dessas coisas que não estamos dispostos a aceitar é a reeleição de um marginal condenado pela justiça para o cargo de Presidente da República.
    Ainda há tempo para as cosias se resolverem dentro das normas constitucionais/democráticas.É o que todos queremos. Mas também saberemos rechaçar qualquer “palhaçada” desses politicos e setores desagregadores.

  6. Sem querer ser prolixo e indo diretamente no popular: “Quem tem … tem medo”. Por isso e em boa hora todo o establishment sem vergonha, safado e corrupto enfiou o rabo entre as pernas e deu por muito bem entendido o recado que o General Mourão, em nome do Alto Comando do Exército, mandou ver para toda a Nação Brasileira. A GleisiHoffmann (amante) entendeu, o “Lindinho” entendeu, o senador Randolfe Rodrigues (aquele da fala fina) entendeu e os jornalistas vigaristas também entenderam. Não é mesmo Villa? Não é mesmo Boechato?. Pois é … Quem tem … tem medo.

  7. Quando da entrevista do Gen Vilas Boas ao repórter Pedro Bial, chamou-me atenção o pedido do entrevistado de dizer algo, no que foi atendido sucedendo-se a seguinte fala do Cmt do Exército:” Você parece mais simpático pessoalmente do que pela televisão”.

  8. Hitler durante a 2ª Guerra Mundial tentou acabar com os maçons, devido a ajuda que estes prestavam aos judeus e demais povos perseguidos pelo nazismo.

    Perdeu a guerra para Franklin Delano Roosevelt e Harry S. Truman – dois presidentes Norte-Americanos que eram maçons…

  9. Prezado Celso,

    Me deixa fazer um pequeno esclarecimento sobre o teu comentário:

    Os americanos entraram na Segunda Guerra porque foram atacados pelos japoneses em 7 de dezembro de 41, dois anos e alguns meses após a deflagração da guerra, em 1º de setembro de 39;

    Os Estados Unidos botaram os pés na Europa somente em 43, a partir da Itália;

    As duas bombas atômicas que terminaram com a Segunda Guerra, no Pacífico, pois na Europa terminara em 8 de maio de 45, foram lançadas, sim, pelo Truman, mas contra o Japão, Hiroshima e Nagásaki, em 6 e 9 de agosto de 45, respectivamente.

    Portanto, a derrota alemã teve pouco a ver com os americanos diretamente, mas muito deve a vitória dos aliados ao Tio Sam pelo envio de material bélico fartamente, caso contrário nem a Rússia poderia fazer frente aos nazistas!

    Os soldados americanos foram decisivos a partir do Dia D, quando invadiram a França pelo desembarque na Normandia, em 6 de junho de 44, e empurrando os alemães para seu território, enquanto os russos faziam o mesmo pelo Leste.

    Lembro que, na gestão de Roosevelt – que não queria os americanos participando diretamente da Segunda Guerra -, a encrenca inicial foi com os japoneses, que, por fazerem parte do Eixo, a declaração de guerra pelo presidente americano foi estendida naturalmente contra a Alemanha e Itália, em consequência.

    Um abraço.
    Saúde e paz.

  10. FÚRIA DE GENERAIS: Há mais do que civis precisando tomar juízo. Afinal, o Exército que não consegue melhorar a Rocinha faria o quê dando golpe no golpismo? A participação do ex-ministro da Defesa, Aldo Rebelo (PSB), como vice do atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), numa eventual sucessão indireta com o encerramento do mandato tampão de Michel Temer seria a maior motivação da fúria de alguns generais e que pode ser mensurada no manifesto agora corrente nas redes sociais, em linha oposta à ordem estabelecida: ‘As rupturas operadas na ordem institucional geraram um quadro de aguda polarização, agravado pela recessão econômica, pelos altos níveis de desemprego e subemprego, e pela violência em suas variadas formas. A sociedade brasileira encontra-se dividida, desorientada e desalentada, com sua agenda pautada por atores e interesses minoritários, e mesmo antinacionais, ambiente ideal para a proliferação de várias formas de morbidez social, entre elas a corrupção’. https://ocafezinho.com/2017/07/15/aldo-rebelo-lanca-manifesto-pela-uniao-nacional/

  11. Esse é o ‘Estado Democrático de Direito’ prevalecendo diante de tantas incertezas!
    As nossas instituições estão funcionando, e se ainda era preciso, agora ficou definitivamente claro que a ‘lei & ordem’ continuam em pleno vigor, devendo serem cumpridas, especialmente pelo poder regulador de uma República, que é o Poder Judiciário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *