Farmacêuticos criticam liberação da venda de remédios em supermercados, armazéns e lojas de conveniência

Reportagem de Grasielle Castro, no Correio Braziliense, revela que há resistências à medida provisória que autoriza a venda de medicamentos livres de prescrição em supermercados, armazéns e lojas de conveniência, já aprovada pelo Senado Federal.

O texto liberado pelo Congresso na última quarta-feira para sanção presidencial é criticado por autoridades da área da saúde, que pretendem pressionar a presidente Dilma Rousseff para que esta parte seja vetada. O artigo 8º foi acrescentado pelo DEM à MP, que tratava principalmente da redução de impostos cobrados sobre produtos destinados à pessoa com deficiência.

O presidente do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Walter Jorge João, lembra que o Brasil é o quinto país que mais se automedica no mundo. “E essa situação será agravada. Por isso queremos e vamos brigar para que a presidente não deixe esse artigo passar”, garante. O senador e ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT-PE) também promete pressionar para que a proposta não se torne realidade.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Uma grande vitória do lobby dos supermercados no Congresso, sem a menor dúvida. Tentaculares e insaciáveis, os supermercados querem vender de tudo, liquidando com o pequeno comércio dos bairros. Não é nenhuma surpresa que projetos que os beneficiem sejam aprovados no Congresso.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Farmacêuticos criticam liberação da venda de remédios em supermercados, armazéns e lojas de conveniência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *