Faz 65 anos que o presidente Getúlio Vargas saiu da vida para entrar na História

Imagem relacionada

Getúlio Vargas deu a este país um exemplo de honra e de dignidade

Francisco Bendl

O maior personagem que tivemos desde o descobrimento deste país imolou-se, acertando o coração daqueles que o difamavam, caluniavam, invejavam-no, pois o gaúcho tinha consigo um legado incomparável.

Além da sua carreira política, Vargas era um homem decente, correto, íntegro, e que não admitiria viver com a marca de ser o mandante de um assassinato, que não teve êxito, para matar Lacerda, o seu desafeto, um traidor, que havia sido no passado, nada mais nada menos, que o porta-voz de Prestes, do Partido Comunista.

HONRA E DIGNIDADE – Com o tempo, Lacerda virou golpista. Porém, Vargas deu a própria vida para mudar o final da História.  A sua honra e dignidade foram muito maiores que a vergonha que cobriria a sua existência, então decidiu que somente a morte é que iria inocentá-lo dos caluniadores, invejosos, Incompetentes, demagogos e falsos patriotas.

Indiscutivelmente Getúlio foi extremamente corajoso, valente, digno, um homem à altura do tamanho deste território que nascemos e vivemos, onde foi o responsável por avanços nacionais e populares que nos impulsionaram para o desenvolvimento, e que seus sucessores não souberam ou não quiseram dar sequência.

PERSONAGEM – Vargas é o mais importante personagem da História do Brasil. É possível amar ou detestar seu legado. Mas é impossível negar que ele está em todo lugar.

A Consolidação das Leis do Trabalho, a legislação sindical, a Petrobras, a Ordem dos Advogados do Brasil, e mesmo coisas mais abstratas, como um certo nacionalismo excludente, que encara adversários como “entreguistas”, inimigos da nação, tudo isso é herança da Era Vargas, que, décadas depois, ainda não é objeto de consenso entre pesquisadores, lamentavelmente.

Hoje, o Rio Grande do Sul homenageia o seu filho, nascido em São Borja, que mudou os rumos do Brasil, impulsionando-o para o progresso, e cujos sucessores mais se preocuparam com a política deletéria e deplorável que temos, ao invés de aproveitarem o legado de Vargas e nos colocarem na posição que merecemos no contexto mundial.

20 thoughts on “Faz 65 anos que o presidente Getúlio Vargas saiu da vida para entrar na História

  1. Se o ditador se matou, era um covarde sem vergonha que não queria enfrentar o julgamento.

    Se foi assassinado, fez por merecer.

    De toda foma, enquanto ele não for enterrado como ditador, ainda vamos ter que aturar os portadores da síndrome de Estocolmo.

    • Antônio Henrique,

      “Síndrome de Estocolmo” …
      Se soubesses o significado desta expressão, e não a usasses dessa forma tão absurda quanto estupidamente, ela se encaixaria perfeitamente bem em Collor, que sequestrou ou confiscou o nosso dinheiro e poupança, deixando o brasileiro à mercê da sua sanha, crueldade, devaneio e incompetência, além da sua tradicional e inigualável corrupção inata!

      Dito isso, deverias ler mais sobre as pessoas que tiram a própria vida quando percebem que seus valores mais importantes, os legitimamente vitais estão sendo ameaçados ou postos em dúvidas.

      Muito antes de Vargas ter sido covarde, na tua opinião, evidente, o gaúcho mostrou o que é honra, decência, orgulho, caráter e personalidade!

      Convenhamos, condições que não se vê mais em político algum deste país.
      Aliás, outro conterrâneo que morreu sem nada que pudessem alegar em contrário à sua honestidade, chamava-se Leonel Brizola, o único governador que o Brasil conheceu e que deixou a sua contribuição para a melhoria da Educação e Ensino nacionais.

      No entanto, “Síndrome de Estocolmo” atualmente, se encaixaria como uma luva nos admiradores e adoradores de Lula, que sequestrou a dignidade do povo brasileiro, e ainda tem quem o venere!

    • Souza-Poa/RS, meu conterrâneo e amigo,

      Gaudério, show mesmo tem dado a gauchada na História do Brasil!

      Até entendo quando a inveja se manifesta em idiotas e imbecis contra a nossa importância no contexto desta nação.

      Essas pessoas são tão estúpidas, que não sabem que fomos nós que decidimos pertencer a Portugal e não à Espanha, e que somos tão brasileiros quanto qualquer outro que tenha nascido nos demais Estados da Federação.

      Diga-se de passagem, que foi o RS o responsável em manter a Argentina em seu devido lugar, pois a intenção dos “hermanos” era acrescentar mais terras ao país vizinho, desejo sempre mantido em banho-maria pelos argentinos.

      Inclusive, existe um episódio durante a Guerra dos Farrapos, exatamente conforme eu te relatei.

      Agora, o pessoal antes de afirmar certos disparates, deveria era ler, pesquisar, estudar, e saber um pouco mais, pelo menos, da História do Brasil.

      Abração.
      Excelente domingo.
      Saúde.

  2. 1) Licença, existe um livro de Almerindo Martins de Castro, publicado pela Federação Espírita Brasileira que se chama “O Martírio dos Suicidas” e conta como é do outro lado, a “vida” daqueles que praticaram o suicídio.

    2) Há quem diga que o Presidente Vargas foi morto, então fica a polêmica…

    3) Quem sabe…pesava na memória do Grande político gaúcho, a “permissão” para que a líder comunista judia que estava grávida, Olga Benário Prestes, fosse entregue a Alemanha de Hitler, onde ela morreu em um campo de concentração.

    4) O marido Prestes, estava preso e foi defendido pelo Grande advogado católico Heráclito Fontoura Sobral Pinto ao citar a Lei de Proteção aos Animais.

    5) Talvez, o “remorso” presente na consciência de Vargas. Eu sei que ele foi amigo dos trabalhadores, mas em sua biografia, o citado é um fato histórico.

    6) No âmbito espírita é um carma negativo do trabalhismo brasileiro. Desculpem os admiradores do referido político.

    • Caro Antônio Rocha,
      A decisão pela extradição de Olga Benário foi dada pelo STF.
      O caso de Olga Benário foi parar no STF e decidiu que o caso como o dela não era possível invocar a garantia constitucional do Habeas Corpus, sua permanência no país comprometia a segurança nacional e não era necessário sequer fazer exame médio para constatar o seu alegado estado de gravidez.
      Um forte abraço, saúde e paz

  3. Caro Bendl,
    Parabéns pelo magnifico artigo..
    O suicídio de Getúlio Vargas foi um ato heroico, que só os grandes estadistas tem essa coragem. Tendo o Lacerda como cabeça, estava tudo preparado para dar o golpe e a tomada do poder pelos inimigos do trabalhador. O suicídio de Getúlio Vargas desfez a armação do golpe. Esse foi o principal motivo do suicídio de Vargas
    Um grande abraço e muita saúde para que possas continuar a luta por um Brasil melhor.

    • Jacob, meu caro amigo,

      Para se suicidar, imagino que certas situações devam ser analisadas:
      Perturbação, depressão, problemas mentais;
      a vida não é mais importante que valores e princípios, tais como honra, dignidade, honestidade …;
      desespero tão avassalador, que leva a pessoa se matar pela tragédia que presenciou. Ex: a morte de um filho, esposa, pais …
      Matar-se quando a morte é iminente. Ex:
      prédio pegando fogo, e entre morrer queimado ou do salto a grande altura e morte imediata, a segunda opção é natural.

      Não sei, portanto, Jacob, até onde se pode acusar o suicida de covardia, pois comumente não teríamos coragem de tirar as nossas próprias vidas.

      No caso de Vargas, imagina a sua posição, presidente da República, eleito pelo povo mesmo depois de ter sido ditador por 15 anos (1930/1945), e ser acusado de corrupto?!
      E logo por Lacerda, porta-voz de Prestes, cujo movimento liderado também por este gaúcho, Prestes, a Intentona Comunista em 1935, Vargas a dissolveu firmemente?!

      Lacerda jamais aceitou o Trabalhismo, muito menos seus líderes, então a intenção permanente de golpe, de impedir que Vargas e Jango, posteriormente, governassem o Brasil.

      Ainda mais, meu amigo:
      Lacerda conspirou contra a posse de JK, cuja atuação de Lott, à época general, foi decisiva para que a democracia persistisse.

      Em 1955, jango foi eleito vice-presidente do Brasil, na chapa PTB/PSD. Na ocasião, obteve mais votos que o presidente eleito, Juscelino Kubitschek!

      Na eleição de 1960, foi novamente eleito vice-presidente, concorrendo pela chapa de oposição ao candidato Jânio Quadros, do Partido Democrata Cristão (PDC) e apoiado pela União Democrática Nacional (UDN), que venceu o pleito.

      Logo, Jacob, imagina a raiva de Lacerda, que não se livrava da imagem de Vargas, muito menos do Trabalhismo, em face das eleições para vice-presidente duas vezes por Jango, sucessor de Getúlio!

      Obrigado pelo elogio ao texto.

      Um forte abraço
      Saúde.
      Excelente domingo.

  4. Rocha, meu amigo,

    Não há razão para pedires desculpas, pois deixaste o que pensas, como budista, a respeito do suicídio.

    Sem entrar nesta questão de âmbito religioso ou filosófico, pois eu sempre tive dúvidas sobre a reencarnação trazer consigo erros do passado ou carmas (punições) a serem cumpridos, resgato umas questões formuladas por um pastor evangélico (não sou evangélico, mas não faço distinção entre os credos existentes. Ou discordo ou concordo):

    “1 – Se estabelecemos que o cristão é capaz de cometer qualquer pecado, por que não conceber que potencialmente ele poderá cometer o pecado do suicídio?
    2 – Se estabelecemos que o sangue de Cristo é capaz de perdoar todo pecado, ele não cobriria esse outro pecado?
    3 – Se o sacrifício na cruz nos tornou perfeitos para sempre, como diz o autor de Hebreus (7:28, 10:14), não seria isso suficiente para afirmarmos que nenhum pecado rouba a nossa salvação?
    4 – Se até Moisés chegou a desejar que Deus lhe tirasse a vida, devido à pressão que o povo exerceu sobre ele, não poderia um paciente esquizofrênico ou na condição de depressão extrema, que não tenha a força de caráter de um Moisés, atentar contra a sua própria vida de maneira definitiva?
    5 – Se não somos Deus e não temos nenhuma maneira de medir a conversão interior do ser humano, poderíamos afirmar categoricamente que alguém que deu testemunho de cristão durante sua vida, ao cometer suicídio, realmente não era um cristão?
    6 – Baseados na história bíblica e na experiência do povo de Deus, poderíamos concluir que o suicídio entre crentes provavelmente é uma ocorrência extraordinariamente rara, devido à ação do Espírito Santo e aos meios de graça presentes no corpo de Cristo.
    7 – Pensamos que o suicídio é um pecado grave, porque atenta contra a vida humana. Mas já estabelecemos que um crente é capaz de eliminar a vida humana, como o fez Davi. Se eu posso fazer algo contra alguém, como não conceber que posso fazê-lo contra mim mesmo?”
    (Miguel Núñez)

    Forte abraço.
    Saúde.
    Excelente domingo.

  5. Francisco Bendl menciona de passagem o atentado da Rua Toneleros, evento capital na crise que terminou com o suicídio de Vargas. Gostaria de saber a opinião dele, sobre se Getúlio teve ou não alguma culpa no atentado. Gregório Fortunato acabou sendo o único punido na história.

    • Marcos,

      Obrigado pelo comentário e participação.

      Entendi a tua intenção na pergunta formulada, mesmo que sub-reptícia.

      E leva em conta como elogio, pois feita com inteligência e sutileza (refiro-me às declarações de Lula, que não sabia dos crimes que o seu partido praticava, e, com exceção de seus seguidores, milhões não creem nesse desconhecimento)

      Bom quanto a Vargas, tanto há diferença de caráter com relação a Lula, que não sabe – como sempre – o que vem a ser essa condição em um homem honrado e digno, quanto às circunstâncias desta tua pergunta com referência aos roubos devidamente comprovados por Lula e sua quadrilha!

      Vargas jamais teve a sua honestidade cogitada, mas apenas e tão somente, como político.

      Gregório Fortunato nasceu na cidade de São Borja, no Rio Grande do Sul.
      Era filho dos escravos alforriados Damião Fortunato e Ana de Bairro Fortunato.
      Trabalhou como peão de gado nas fazendas da região e teve sua aproximação com o clã Vargas após participar da Revolução Constitucionalista de 1932, como soldado do 14º Corpo Auxiliar de São Borja (hoje Brigada Militar do Rio Grande do Sul), unidade comandada pelo coronel Benjamim Vargas, irmão do presidente Getúlio Vargas.

      No dia 5 de agosto de 1954 ocorreu o evento considerado como o mais dramático da história política brasileira, que ficou conhecido como “Atentado da Rua Tonelero”, que foi a tentativa de assassinato do jornalista Carlos Lacerda, ferrenho opositor de Getúlio Vargas.

      Gregório Fortunato foi acusado de ser o mandante do crime, do qual Lacerda saiu levemente ferido, não tendo a mesma sorte o major da Aeronáutica do Brasil, Rubens Florentino Vaz, que foi baleado e morreu a caminho do hospital.

      A polícia fez busca e apreensão na casa de Gregório e encontrou papéis que mostravam, que apesar de receber um salário de 15 mil cruzeiros, Gregório era dono de um conjunto de bens estimado em torno de 65 milhões de cruzeiros. Os documentos apreendidos revelaram ainda que Gregório comprou por 4 milhões duas propriedades do filho mais moço de Getúlio, Manuel Sarmanho Vargas, o Maneco, que se encontrava em situação financeira difícil.
      Quando os documentos vieram a público, Getúlio Vargas inicialmente não acreditou na veracidade. Depois ficou profundamente abalado.

      O atentado desencadeou uma crise política que culminou com o suicídio de Getúlio Vargas, com um tiro no coração, em 24 de agosto de 1954.

      Em 1956, os acusados do crime da Rua Tonelero foram levados a um primeiro julgamento: Gregório Fortunato foi condenado a 25 anos como mandante do crime, pena reduzida a 20 anos por JK e a 15 por João Goulart.

      Vamos lá:
      Observa que a relação entre Vargas e Gregório advinha de muitos anos;
      Mesmo sendo negro, filhos de escravos alforriados, Vargas jamais fez distinção pela cor da pele com aquele que nomearia seu Chefe de Segurança Pessoal, conhecido como “Anjo Negro”;
      Lembro que, à época, uma amizade tinha como requisito fundamental a lealdade, a defesa do amigo, a proteção daquele que sempre esteve ao seu lado e sem qualquer preconceito;
      Gregório, no entanto, sim, o seu comportamento à frente de tão alta função, deixou de ser irreparável, em razão de ter mais dinheiro que o seu salário poderia acumular, inclusive comprar terras e do filho do presidente, seu amigo dileto;
      Gregório esteve sempre ao lado de Vargas, desde quando Lacerda decidiu ser opositor do gaúcho, e de maneira radical;
      Os ataques de Lacerda poderiam levar Getúlio a ser deposto, derrubado do poder, em face da verve do carioca e de ser dono de um jornal, a Tribuna da Imprensa;
      A pressão midiática e a comoção pública com a morte do Major Rubens Vaz obrigaram o governo a instaurar um IPM para investigar o atentado. Rapidamente, os militares ligados a Lacerda fizeram do inquérito o palco perfeito para fomentar ainda mais a crise;
      Uma série de investigações levou à prisão dos autores do crime, que confessaram o envolvimento do chefe da guarda pessoal de Vargas, Gregório Fortunato e do irmão do presidente, Benjamim Vargas;
      Com a conclusão do IPM (chamado na imprensa de “República do Galeão”) instaurado pelo Brigadeiro Nero Moura, Ministro da Aeronáutica, o presidente do Inquérito, indicado pelo Ministro, Coronel João Adil de Oliveira informou, em audiência com o presidente Vargas, que havia a existência de indícios sólidos sobre a participação de membros da Guarda no atentado;
      Dezenove dias depois, com o agravamento da crise política e o ultimato das Forças Armadas pela sua renúncia, Getúlio Vargas se suicidou com um tiro no peito em 24 de agosto.

      O suicídio reverteu a opinião pública e provocou uma imensa onda de comoção e revolta. Isso obrigou Lacerda e parte de seu grupo a deixar o país. Na época, milhares de revoltosos tomaram as ruas, empastelando jornais ligados à oposição.

      Lacerda participou ainda de nova tentativa de golpe de estado em 1955, quando se uniu aos militares e à direita udenista para impedir a eleição e a posse do presidente eleito Juscelino Kubitschek e seu vice-presidente, João Goulart.

      Conclusão (a minha, evidente):
      Vargas jamais teria concordado com a atitude de Gregório;
      Gregório estava com o rabo preso por conta da fortuna que angariou com o seu salário, muito aquém de suas posses:
      O chefe da segurança de Vargas não suportou mais o seu amigo ser atacado impunemente pelo seu ferrenho inimigo político, Lacerda;
      Indiscutivelmente, o receio que Gregório tinha de Vargas ser deposto ou de uma devassa em seu governo, onde possivelmente iria ser descoberto nas suas falcatruas, foram motivos suficientes no seu entendimento para liquidar com aquele que destinou a sua vida para atazanar Vargas;
      Gregório foi radical na defesa de seus interesses e da amizade com o presidente, logo, considerou tais razões para a sua tentativa de homicídio contra Lacerda.

      Acredito, sim, que Gregório agiu com outras pessoas, porém sem que Vargas soubesse.

      Obrigado pela participação.

      Abraço.
      Saúde,

      • Francisco, agradeço sua extensa e detalhada resposta. Minha pergunta não teve intenção “sub-reptícia”, acontece que o tema me fascina, e apenas gostaria de ouvir a sua opinião, como sei que vc é conterrâneo de Vargas. Já li muita coisa sobre o tema, e há versões do atentado que inclusive questionam ter sido o evento um atentado contra a a vida de Lacerda. Alcino João do Nascimento, (que está vivo até hoje e tem 97 anos), que cumpriu uma longa pena pelo atentado, sempre disse não estava ali para matar Lacerda, apenas estava vigiando os passos dele.

        Um abraço e saúde

        • Obrigado, Marcos.

          Indiscutivelmente quando crimes acontecem nos altos escalões, os mistérios existem, e pairam sobre nossas imaginações por muito tempo, em razão dos boatos que os alimentam.

          Neste caso, a própria história e trajetória de Vargas o inocentam como responsável por esse atentado ou que soubesse da sua realização antes dessa ação de Gregório.

          Outro abraço.
          Mais saúde.

  6. Bendl, estive com minha mãe, neste dia, no Palácio do Catete, reverenciando Getúlio Vargas. Ela amava o Pai dos pobres.
    “Povo do Brasil, trabalhadores de Minas Gerais” assim começava sua fala.

  7. Minha querida Carmen Lins,

    Obrigado pela tua participação e comentário, além de teres sido testemunha da história!

    Porto Alegre, neste dia, 24 de agosto de 54, ficou efervescente.
    Houve protestos, revoltas, um que outro quebra-quebra, a gauchada não aceitava que o suicídio de Vargas não tivera um responsável que, indiscutivelmente, tratava-se de Lacerda.

    Do “alto” dos meus quatro anos na ocasião, ainda me lembro das reuniões que meus pais participavam, da tristeza pela morte de Getúlio, o nocaute que o RS levou com o desaparecimento do seu maior líder e figura nacional.

    Um abração.
    Saúde.
    Excelente domingo.

  8. Caro Bendl,
    parabéns por seu artigo. Getúlio Vargas é considerado por muitos, e eu me incluo, o melhor presidente que o Brasil teve.
    Claro que o Estado Novo foi algo ruim, mas as realizações de seu governo superaram em muito as coisas negativas. Abraço.

    • Vidal, meu amigo e conterrâneo,

      Obrigado pela tua participação e comentário.

      E também fiquei alegre, pois concordas com a minha posição sobre Vargas, a maior figura da História do Brasil, até então.

      A distância de Getúlio para os demais presidentes é tamanha, que na relação existente dos que nos governaram não existe qualquer nome que lhe faça frente, pelo contrário, todos, indistintamente, lhe são inferiores.

      Sem comparar porque não temos presidente com as suas qualidades, personalidade, inteligência e carisma, deixo outra convicção que tenho, com base no avanço que nos deu:
      Juscelino, outro presidente fantástico, que nos impulsionou para o progresso e o Brasil conhecer a si mesmo.

      Uma pena que seus críticos não percebam que, JK ou qualquer outro, a mudança da capital brasileira no Rio teria de ser feita cedo ou tarde.

      A Cidade Maravilhosa em menos de uma década após a inauguração de Brasília, se continuasse na sua condição, apresentaria problemas graves de superpopulação, transporte, moradia, infraestrutura … seria um caos.

      Imagina aonde que o Rio colocaria mais três milhões de pessoas, população atual do DF??!!
      Ou derrubasse morros ou teria de se expandir em direção à zona Oeste!

      Abração.
      Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *