Fernando Baiano se entrega. Agora faltam Adarico e Vaccari.

http://www.brasil247.com/images/cache/320x182/crop/images%7Ccms-image-000404367.jpg

Fernando Baiano era operador dos subornos do PMDB

David Friedlander

Folha

 

O lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, acaba de se entregar na superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Acusado por delatores de cobrar propina de obras na Petrobras para o PMDB, ele era procurado pela polícia desde a operação que resultou na prisão de uma dezena de envolvidos na semana passada. Desde a última sexta-feira (14), ele estava escondido em São Paulo.

Baiano é suspeito de ser o elo entre PMDB e esquema de corrupção na Petrobras.

Na segunda-feira (17), o advogado de Fernando Baiano, Mario de Oliveira Filho, disse que seu cliente é usado como “bode expiatório” da operação Lava Jato.

Segundo ele, seu cliente vem colaborando com as investigações e sua prisão não tinha sentido.

“Ele vinha colaborando, estava intimado, se apresentou espontaneamente duas vezes por petição, forneceu o endereço, aceitou intimação por telefone, o que não existe, abriu mão da carta precatória para ser ouvido no Rio de Janeiro, marcou audiência para amanhã e mandaram prendê-lo. Não tem sentido”, afirmou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGÉ óbvio que também está faltando José Vaccari Neto, o tesoureiro do PT, que se encarregava de cuidar pessoalmente do recebimento e distribuição de propinas para o partido e seus parlamentares. É estranho que ainda não tenha sido decretada a prisão de Vaccari, que é “o homem que sabia demais”, como no filme de Hitchcock. (C.N.)

6 thoughts on “Fernando Baiano se entrega. Agora faltam Adarico e Vaccari.

  1. Em um país sério, o Ex-Presidente da República e a atual reeleita, já estariam presos e respondendo pelos crimes de lesa-pátria que cometeram, pois participaram dos Governos e Instituições governamentais Estatais como a Petrobrás e tinham a responsabilidade Constitucional de defenderem o Interesse Público de todos os desvios que sofreram a Fazenda Nacional e o dinheiro do povo brasileiro em sua maior Empresa Estatal ! Não há prostíbulos com virgens, todos estão desnudos e são responsáveis, “papuda neles “””!!!!!!!!!!

  2. Por um voto de diferença, comissão aprovou a transferência dos dados de João Vaccari Neto entre 1º de maio de 2005 e 20 de maio deste ano

    Brasília – Sob protestos de parlamentares do PT e de outros integrantes da base aliada, a CPI mista da Petrobrás aprovou na tarde desta terça-feira, 18, um pedido para quebrar os sigilos bancário, fiscal e telefônico do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Ele foi acusado pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef de cobrar propina de empreiteiras para obras da companhia petrolífera.

    O pedido foi aprovado por um voto de diferença, 12 votos a favor e 11 contra, e contou com o apoio de integrantes de partidos da base, como PMDB e PDT. O requerimento do líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), prevê a transferência dos sigilos de Vaccari entre 1º de maio de 2005 e 20 de maio deste ano.

    A iniciativa da comissão que investiga a estatal ocorre após a última etapa da Lava Jato, deflagrada na sexta-feira, 14, e que prendeu 23 pessoas, entre os executivos das principais empreiteiras do País e o ex-diretor de Engenharia e Serviços, Renato Duque. Além disso, os trabalhos da CPI, caso não sejam prorrogados até 22 de dezembro, devem ser encerrados na próxima semana.

    O líder do PT do Senado em exercício, Wellington Dias (PI), protestou contra o pedido. Segundo ele, não há nenhum tipo de “indiciamento” referente a João Vaccari. “Não tem nenhuma convocação, nenhum indiciamento, então temos aqui uma situação em que se busca apenas colocar a politização, a disputa partidária para este caso”, criticou.

    A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse não achar “justo” quebrar os sigilos de apenas um tesoureiro do partido. “O que peço dos meus colegas é quebrar o sigilo bancário de todos”, defendeu.

    http://www.estadao.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *