Festa do interior, com o Planalto festejando a anulação das provas sobre rachadinhas

TRIBUNA DA INTERNET | MPF recorre para STF reverter decisão do STJ que  anulou quebras de sigilo de Flávio no caso das “rachadinhas”

Charge do Nani (nanihumor.com)

Vicente Limongi Netto

O mundo político vibrou; os católicos iluminaram os céus com preces e velas gigantes. Os franciscanos lavaram a alma, acabaram com o estoque de detergentes nos mercados. Os sinos das igrejas repicaram. O Palácio do Planalto ajoelhou-se e chorou. No Rio de Janeiro, Fabrício Queiróz soltou foguetes, distribuiu santinhos com o rosto do amado afilhado e bebeu todas, enquanto milicianos soltavam rajadas de fuzis. 

As comoventes manifestações de memorável felicidade têm justificável motivo: impolutos ministros do Superior Tribunal de Justiça(STJ) inocentaram o senador Flávio Bolsonaro das denúncias de “rachadinhas” dos tempos em que o filho 01 foi deputado estadual no Rio de Janeiro. Alegaram que as ações estavam anuladas.

PROVAS INVÁLIDAS – Os isentos e sábios magistrados decidiram que as provas robustas apresentadas pelo Ministério Público eram conversa fiada. Fruto de imaginação e inveja que atingem o outrora incansável comerciante de chocolates.

Não paira mais dúvidas. O parlamentar passará a ser conhecido como Dom Flávio. O STJ já enviou para o Vaticano a papelada para a canonização do senador. Não mandaram, por puro esquecimento, o relatório da CPI da Covid, onde o senador é indiciado. Breve o prendado 01 será conhecido por São Flávio.

Eufórico com a honestidade e pureza do colega, comprovadas pelo STJ, o presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco, mandou construir um Fláviomóvel, idêntico ao Papamóvel do Santo Pontífice, à prova de ovos e tomates. O pai orgulhoso do filho imaculado mandou trocar o slogan “Pátria amada, Brasil”, para “Pátria amada do Santo Flávio”.

MICROFONE ABERTO – Deselegante, para dizer o mínimo, a postura do Ministro Francisco “Faltão”, digo, Falcão, na sessão de julgamentos de quarta-feira, dia 10,  no STJ, na qual o sábio e notável magistrado esqueceu o microfone aberto e chamou a ministra Assusete Magalhães de” velha,” acrescentando que “ninguém a aguentava mais”. 

Quem conhece os meandros do judiciário sabe que o insigne Ministro chegou ao judiciário por causa do pai, Djaci Falcão, que foi respeitado ministro do STF.

À época que fazia campanha para chegar ao Superior Tribunal de Justiça, houve uma séria resistência por parte dos ministros da Corte com a indicação de Falcão para o cargo.

APELIDO EXATO – Profetizaram com motivo, pois todos sabem que o ilustre ministro leva o apelido de “Faltão”, por estar sempre viajando e não comparecer às sessões de julgamentos.

O nobre magistrado também não atende advogados. Ou seja, descumpre mandamento legal do Estatuto. Todos os anos, uma famosa publicação jurídica avalia o desempenho dos magistrados dos tribunais superiores e o airoso juiz sempre leva nota zero dos advogados.

Concluindo, o estupendo jurista tem um filho advogado, Djaci Falcão Neto, que convive, leve e faceiro, nas dependências do STJ abordando os colegas do pai com suas causas. Quando está enfastiado, o brioso advogado vai descansar no apartamento que tem, em Miami. Afinal, ninguém é de ferro. 

DOIS PONTOS – O primeiro é sobre o presidente Bolsonaro, que indagou candidamente: “Se eu não for para o centrão, vou para onde?”. Eu e milhões de brasileiros sabemos para onde mandar Bolsonaro. Mas é bom tapar os ouvidos das crianças.

O segundo ponto é sobre nossa colega Cristiana Lobo, que exerceu o jornalismo com correção e dignidade. Respeitada por colegas e políticos, com quem conviveu durante anos de profissão, deixa muitas saudades. 

4 thoughts on “Festa do interior, com o Planalto festejando a anulação das provas sobre rachadinhas

  1. Um ponto. Filhos e pai são anjos decaídos que foram resgatados pela justiça do Muláh. Seu Vicente os angelizou.
    O outro ponto é que, Torquemada não se importava se o candidato a fogueira fosse bruxo, ateu, herege ou macumbeiro, ele queria e gostava de fumaça.
    Por contraponto pode-se argumentar que se os tais anjos caídos juntos com pai fossem jugados num tribunal de Nuremberg e executados na forma da lei, a esquerda mundial patrocinaria um foguetório maior que a queima de fogos na virada do ano.
    Mas o que se observa é que, como disse Milarepa, o sábio tibetano: ” É preciso ficar muito tempo com a boca aberta antes que para ela voe uma perdiz assada.”
    Acá na minha paróquia, creio que esse foguetório não vai passar de um fogo fátuo, ou o fogo de Santelmo.

  2. Que comparação mais infeliz é esta? O que os católicos, os franciscanos e o repicar dos sinos tem a ver com a anulação das provas contra o filho zero um do mito? Que o mundo político tenha vibrado concordo, mas o cara é de uma maldade terrível metendo os católicos, os franciscanos e o repicar dos sinos no comentário. Foi muito infeliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *