Fica difícil acreditar que Temer vai nomear Velloso, um defensor da Lava Jato

Velloso está sendo usado como massa de manobra?

Carlos Newton

A mídia está se apressando em consagrar o jurista Carlos Velloso, como se seu nome já tivesse sido anunciado para o Ministério da Justiça. Na verdade, é um sonho imaginar que o presidente Michel Temer realmente tenha se libertado dos caciques do PMDB e possa até nomear um ministro que apoia a Lava Jato e a autonomia da Polícia Federal, foi a favor da condução coercitiva do ex-presidente Lula e tudo o mais. Mas acontece que o próprio chefe do governo não confirmou essa gloriosa informação. Pelo contrário, a última posição oficial do Planalto ocorreu na terça-feira, por meio de uma rede social, quando o presidente apenas confirmou que se reunira  com Velloso na véspera, durante mais de uma hora. E ressaltou: “Continuaremos a conversar nos próximos dias. A escolha do novo ministro da Justiça será minha, pessoal, sem conotações partidárias”.

EM CIMA DO MURO – Muitos jornalistas têm acesso a Velloso, que está morando em Belo Horizonte, onde abriu um escritório de consultoria em assuntos jurídicos.

Apesar de Temer ter sido bastante claro em sua indefinição, pois mais parece um tucano, está sempre em cima do muro, toda a mídia passou a anunciar que Velloso já está escolhido e vai assumir depois da sabatina de Alexandre de Moraes no Senado, quena indicação dele para ministro do Supremo, como se uma coisa tivesse alguma coisa a ver com a outra.

O jornalista Tales Faria, que trabalha com Fernando Rodrigues no site Poder 360, foi exceção, ao postar que, “segundo Temer, o ex-ministro disse estar disposto a aceitar o cargo. Ficou, no entanto, de acertar com sua família detalhes de sua saída do escritório de advocacia em Brasília, que divide com os filhos“.

TRADUÇÃO SIMULTÂNEA – A informação de Tales Faria significaria que Temer convidou Velloso, ele resolveu aceitar mas deixou uma estratégica brecha para o presidente recuar, dizer que foi somente uma sondagem, Velloso está muito ocupado, os filhos não querem etc. e tal.

Tudo é possível com Temer, que recentemente conduziu a erro seu velho amigo Ricardo Noblat, a quem concedeu entrevista exclusiva no Jaburu, declarou que tinha 27 candidatos à escolha de ministro do Supremo e deixou claro que não escolheria Alexandre de Moraes, porque está precisando dele no Ministério da Justiça. Noblat publicou essa notícia de manhã, e no início da tarde em Brasília todos já sabiam que Moraes tinha sido indicado.

No ano passado, Temer já fizera uma ursada com outro grande amigo, o jornalista, Jorge Bastos Moreno, que também publicou uma notícia de que o então ministro Fábio Medina Osório, da AGU, seria demitido, mas Temer depois recuou e deixou Moreno em má situação.

NÃO SERÁ SURPRESA – Diante desse quadro escalafobético, realmente não será surpresa se o convite a Velloso for apenas uma nova versão do famoso “Ardil 22” e ocorra o mesmo fenômeno que vitimou Ives Gandra Martins Filho na nomeação para o Supremo. Temer apenas telefonou e pediu desculpas, devido à reação etc. e tal.

O que Temer sempre quis foi nomear um ministro com o perfil de Antonio Mariz, ferrenho opositor da Lava Jato, e não um admirador declarado do juiz Sérgio Moro e de seus métodos de condução da magistratura. Será possível acreditar que Temer realmente mudou de ideia?

O fato concreto é que, se Temer realmente nomear Velloso, deverá ser aplaudido de pé.

 

18 thoughts on “Fica difícil acreditar que Temer vai nomear Velloso, um defensor da Lava Jato

    • virgilio tamberlini

      fevereiro 16, 2017 at 7:53 pm
      .

      É verdade que o Cunha fez perguntas sobre o Temer ao Juiz de Brasília ? Estou sem link….

    • O questionário joga na roda o nome de Joaquim Lima, que tem passado incólume pelo noticiário da Lava Jato. Ele foi nomeado presidente interino da Caixa dias depois do impeachment. Pelo que Cunha sugere, é um arquivo ambulante sobre fatos investigados pela Polícia Federal.

  1. Tá difícil acreditar que alguém sério aceite ficar no governeco.

    ” Quinta-feira, 16/02/2017, às 22:25, por Gerson Camarotti
    Velloso sinaliza que não deve aceitar convite para MJ

    Em conversas na noite desta quarta, o ex-presidente do STF Carlos Velloso sinalizou que não deve aceitar o convite feito pelo presidente Michel Temer para ser o novo ministro da Justiça.

    Nessas conversas, Velloso demonstrou angústia porque gostaria de atender ao pedido de Temer.

    A expectativa é que Velloso tenha uma conversa com o presidente Temer nesta sexta para agradecer o convite.

  2. Sucursal Rede D’Or Press informa:

    Pesquisa Nacional realizada pela Paraná Pesquisas com 2.020 Brasileiros avaliou a aprovação do presidente Michel Temer. De acordo com o levantamento, 66,6% desaprovam a administração de Temer, enquanto 29,5% aprovam a gestão. Os que não souberam ou não opinaram somam 3,9%.

    O índice de desaprovação é o maior desde junho do ano passado, quando o instituto iniciou os levantamentos, enquanto a aprovação foi a menor registrada entre os cinco períodos avaliados.

  3. Temer é a dúvida em pessoa. Não é NADA confiável. Foi eleito junto com a PilanTra, na chapa da corrupção e do caixa 2.

    Alguém pode acreditar nele? É possível que queira mesmo fazer um governo honesto para pôr o país nos trilhos?

  4. Como ninguém é perfeito, embora eu mesmo seja um admirador do Min. Carlos Velloso, um dos poucos ministros do STF que entendem de direito tributário (muitos dos outros, na matéria, dizem asneiras capazes de corar até bons estudantes de direito), é necessário recordar um arranhão, absolutamente desnecessário, que ficou na imagem do douto ministro.

    Às vésperas de sua aposentadoria, num julgamento – do qual não me lembro pormenores – que envolvia o nefasto Paulo Maluf, após decidida a permanência do político em liberdade, Velloso abraçou efusivamente os advogados de defesa do réu (acho que já era réu, sim).

    Esta cena o min. Velloso poderia não ter incorporado à sua biografia.

    Muitos se esqueceram disso, mas eu não.
    Se não me engano, na época, o nosso onipresente Carlos Newton fez os comentários cabíveis, diante da insólita participação do ministro.

    Com a palavra, o caríssimo CN.

  5. Nosso editor, jornalista Carlos Newton, sempre bem informado, mesmo morando no Rio de Janeiro e sem ir a Brasília, acertou em cheio quando escreveu aqui na Tribuna da Internet que o convite de Temer ao ex-ministro do STF, Carlos Veloso, para ser Ministro da Justiça, era “conversa fiada”. Temer sabia de antemão que Veloso não aceitaria, como não aceitou mesmo. E o próprio Temer sabia que Veloso não aceitaria. Foi um jogo de cena.

    Carlos Newton tem suas fontes, fidedignas. Vai aqui um relato: um filho de um modesto servidor do Palácio do Planalto — modesto mas que trabalha dia e noite de terno e gravata a anda armado e tem trânsito livre no gabinete presidencial — ouviu o pai dizer em casa que o presidente tem falado em dois nomes para ministro da Justiça: Nelson Jobim e Janaína Paschoal.

    A ser verdade, Jobim já foi ministro do STF e ministro da Defesa no governo Lula. Sem conhecê-lo — e nem ele também me conhece — não é possível saber de Jobim se houve ou não o convite. Quanto ao nome de Janaína, mandei quase agora e-mail para ela. Fui seco e direto:

    “Prezada Amiga, é verdade que o Temer convidou ou sondou a dra. Janaína Paschoal para ser Ministra da Justiça?

    A resposta não demorou 30 segundos: “Não! Rs. Onde saiu isso?”

    Imediatamente respondi. E transcrevi para Janaína o texto deste comentário. Bom, apesar da confiança recíproca que reina entre nós, a dra. Janaína e eu, não somos confidentes, um do outro, ao ponto de confirmar a notícia. Daí porque é compreensível que a professora de Direito da USP e uma das subscritoras do pedido de Impeachment de Dilma tenha me respondido negativamente. Mas aquele “Rs”, me faz sentir que pode ser que sim. Que houve mesmo o convite ou o sondamento.

  6. Velloso foi indicação do seu dileto amigo, cliente e conterrâneo, Aecim, envolvido até a alma na Lavajato! Velloso soltou o Maluf e o filho, quando era ministro do STF e amicíssimo do advogado do Maluf, o Batocchio. Velloso, feito ministro pela ditadura, é a favor da lavajato contra petistas, nunca contra tucanos, especialmente contra o amigo Aecim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *