Ficar isolado da comunidade internacional às vezes significa estar na normalidade

Imagem relacionada

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Pedro Meira

Diz-se que o Brasil está se isolando da comunidade internacional, mas, ironicamente, este não é um fato “isolado”. Se acompanharmos o noticiário, constataremos que nos tempos atuais meio mundo ou mais ficou ou está a caminho de ficar isolado da “comunidade internacional”: os Estados Unidos por causa de Donald Trump, estão ficando isolados, assim também a Grã-Bretanha por causa do Brexit, idem as Filipinas, isoladas por causa da eleição de Roberto Duterte, idem a Rússia, isolada há quase uma década pela confusão na Ucrânia fomentada pelo Ocidente.

Da mesma forma, agora a Argentina ficará isolada por causa da iminente volta do kirchnerismo, assim como foi dito que López Obrador isolaria o México, ou como Recep Erdogan teria isolado a Turquia depois que seu milagre econômico perdeu o charme, e mesmo a China, por causa da repressão aos protestos de Hong Kong…

ISOLAMENTO – Provavelmente as coisas seriam bem mais fáceis e agradáveis se fosse atribuído à “comunidade internacional” decidir quem deve governar cada país do mundo, em vez de deixar isso por conta da gentalha que vive em cada um deles.

Por isso, qualquer país que eleja alguém que não seja do gosto da grande mídia, acaba prontamente isolado da “comunidade internacional”. E quem é a tal “comunidade internacional”?

Nos dias atuais, parece que essa tal “comunidade internacional” se resume à burocracia de Bruxelas e ao núcleo duro da União Européia, chefiado por Angela Merkel e Emmanuel Macron, o príncipe engomado da mídia. E este último é tão amado pela grande imprensa quanto é impopular entre os franceses, e há grandes possibilidades de que acabe não reeleito, derrotado pela extrema direita ou pela extrema esquerda, o que deixará a França “isolada da comunidade internacional”, que, portanto, ficará reduzida à Alemanha de Merkel e aos baleeiros ecológicos da Escandinávia, aparentemente.

QUERIDINHOS – O que não é dito é que o Brasil já teve governantes muito queridos da “comunidade internacional”, como aquele cultíssimo e elegante Fernando Henrique, o superoperário Lula da Silva, e a gerentona Dilma Rousseff, que nos legaram um país afundado, e ficam botando a culpa na CIA, ou na burrice ou no “ódio” daqueles que se recusam a fingir que nada houve de errado na era tucano-petista.

Por causa dos malfeitos daqueles governantes que eram tão respeitados e admirados pela “comunidade internacional”, todos candidatos a secretário-geral da ONU, foi que acabamos nas mãos de Jair Bolsonaro. Os aplausos internacionais nada significam e há que se constatar o óbvio: os países, assim como as pessoas, têm interesses conflitantes, é inevitável um grau maior ou menor de desentendimentos.

O mundo não é a letra de “Imagine” de John Lennon, nem nunca foi. As supostas grandes e boas épocas de ordem e paz mundial (Pax Romana, Pax Britannica etc.) foram construções impostas à base de violência, que não puderam durar para sempre.

13 thoughts on “Ficar isolado da comunidade internacional às vezes significa estar na normalidade

  1. “As supostas grandes e boas épocas de ordem e paz mundial (Pax Romana, Pax Britannica etc.) foram construções impostas à base de violência…”

    -Para quem discordar de quem manda, a “paz do cemitério”…

  2. “Por isso, qualquer país que eleja alguém que não seja do gosto da grande mídia, acaba prontamente isolado da “comunidade internacional”. E quem é a tal “comunidade internacional”?”

    E aqui nesse nossa pequena mídia tem gente que é a própria comunidade internacional, pretendendo ser voz geral não gostam de Bolsonaro, preferem o Lula que está ergastulado.

  3. Significado de Ergástulo

    Substantivo masculino Masmorra; local subterrâneo, escuro e úmido, onde os criminosos estão detidos.[Figurado] Qualquer tipo de prisão, de cativeiro, de cárcere.[Por Extensão] Prisão; local em que os bandidos estão privados do convívio em sociedade.

  4. CN, o acesso via android está ficando impossível.
    Então vamos lá. Chega de ficar fazendo bonitinho para a comunidade internacional em troca de elogios hipócritas. Existe um custo para nossa autodeterminação, vamos emfrentá-lo. A abertura irrestrita de nosso mercado é uma idiotice. Auditoria da dívida já.

    • A NewTI, nos últimos tempos, ainda nos presenteia com texto de lucidez.
      Coisa boa.
      24 anos com esses queridinhos.
      PSDB/PT e Satélites/PMDB/PP/PDT só poderíamos estar onde estamos mesmo.
      Uma queda no PIB de aproximadamente 7,5% estrago imenso….imendo.
      Será que não enxergam que ser Che Guevara do Leblon e Fidel da Lapa, ficou até cafona?

  5. “Acordem, pelo amor de Deus, o sistema político podre é incapaz de fazer outra coisa senão colocar via votos ou golpes raposas para tomar conta dos galinheiros ou cabritos para tomar conta das hortas, salvo raríssimas e honrosas exceções. E quem está falando isso não tem nada a ver com o petismo, e nem com os outros ismos, mas tem tudo a ver com a Revolução Redentora da política, da nação e da população, a RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evolui é preciso, porque de alguma forma temos que desatar o nó górdio que há 129 anos infelicita o Brasil.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *