Flávio Bolsonaro celebra vitória no STJ após anulação de quebra do sigilo e diz que foi “perseguido” e “massacrado”

Flávio ainda debocha da sociedade assumindo o papel de vítima

Mônica Bergamo
Folha

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos – RJ) diz que ficou “satisfeito” com o resultado do julgamento do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que anulou, nesta terça-feira, dia 23, a quebra de sigilo bancário e fiscal determinada judicialmente contra ele pela Justiça do Rio de Janeiro, no âmbito das investigações do escândalo da “rachadinha”.

“Depois de dois anos de massacre, fico satisfeito”, afirma Flávio, que deu entrevista à coluna por Face Time ao lado do advogado Frederick Wassef, autor do habeas corpus que foi julgado pelo STJ. Os dois estavam em um hotel na capital federal. “Por consequência óbvia [do julgamento do STJ], aquela denúncia [das rachadinhas] não vai subsistir. Ela foi toda baseada em provas nulas e ilegais”, diz o advogado.

IMPUNIDADE –  A coluna questionou se o resultado do julgamento não alimentaria o discurso de que investigações de escândalos de corrupção de personagens relevantes sempre encontram obstáculos, gerando uma sensação de impunidade.

“Para mim isso não se aplica. Sempre estive à disposição da Justiça. Entreguei minhas declarações de imposto de renda, nunca escondi nada. Mas partiram para uma perseguição, vazando informações fora de contexto para parte da mídia, fazendo uma devassa e todas as atrocidades possíveis na vida das pessoas que me cercam”.

Ele cita a mulher, Fernanda Bolsonaro, que também é investigada. “O STJ desnudou toda a violência”, afirma ainda o senador, citando investigações contra eles feitas pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividade Financeira).

LAVAGEM DE DINHEIRO – “Fizeram um ajuntamento de extratos bancários e divulgaram ilações”, diz o advogado Wassef. “Flavio Bolsonaro vendeu um bombom, é lavagem de dinheiro, recebeu por um litro de leite, é lavagem de dinheiro”, afirma Wassef.

O advogado, que adotou postura discreta depois que Fabrício Queiroz, ex-assessor da família Bolsonaro envolvido no escândalo, foi encontrado em um sítio dele em Atibaia, diz que nunca deixou de defender Flávio Bolsonaro”Nunca deixei de ser advogado dele. Sou defensor dele em vários processos, com procuração”, afirma.

“RACHADINHA” – O filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro é acusado de liderar um esquema de “rachadinha em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa, levado a cabo por meio de 12 funcionários fantasmas entre 2007 e 2018, período em que exerceu o mandato de deputado estadual.

Nesta terça, os ministros da Quinta Turma do STJ, encarregada de analisar a matéria, identificaram problemas de fundamentação na decisão judicial que determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro. Por maioria dos votos, derrubou a quebra. Flávio foi denunciado em novembro de 2020 pela Promotoria fluminense pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele sempre negou as acusações.

6 thoughts on “Flávio Bolsonaro celebra vitória no STJ após anulação de quebra do sigilo e diz que foi “perseguido” e “massacrado”

  1. Ele celebra a vitória e a justiça uma derrota.
    Mesmo sendo evidentes as provas do crime de que [e acusado, não se pode gritar muito alto contra esse tipo de acochambração – a justiça é cega e infalível contra os que não têm padrinhos nem pão.
    E por anda o STF, vai ficar por isso mesmo? Taí mais um trabalho para o seu Alexandre!

  2. Depois de converter a nossa minoritária e a caminho da extinção, parcela masculina, em “maricas”; agora, o esforço maior do bolsonazista será transformar todas as autoridades – com prerrogativas para investigar, julgar, revogar e deliberar – em um João Otávio de Noronha, ministro do STJ.

  3. Simples: sem provas, o “réu” é inocentado. Apenas denúncias vazias, só restando ao STJ suspender a inquisição. O MPRJ não conseguiu o que queria: condenar o Senador Flávio Bolsonaro, e por conseguinte atingir de morte o Presidente Jair Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *