Folha de pessoal não é a causa da falência do Estado do Rio de Janeiro

Resultado de imagem para FALENCIA DO RJ CHARGES

Charge do Nani (nanihumor.com.br)

Pedro do Coutto

É preciso desmontar esse mito de que o funcionalismo público, de modo geral, é a causa  dos desequilíbrios orçamentários. Torna-se necessário esclarecer bem as coisas e, para isso, nada substitui os números financeiros e seus percentuais. Reportagem de Luciana Dyniewicz, Vinicius Neder e Daniela Amorim, O Estado de São Paulo de domingo, destaca que funcionários de vários estados da Federação, principalmente do Rio de Janeiro, encontram-se em risco de não receber, este ano o 13º salário.

O governo Fernando Pezão já está devendo o 13º salário de 2016 a todo funcionalismo estadual. Agora, repetir a dose seria um descalabro completo, motivo suficiente para que deixasse o Palácio Guanabara. Entretanto, ele próprio anuncia que em face da obtenção de crédito bancário, vai quitar, sem correção monetária, o 13º do ano passado.  A reportagem comprova o que afirmei no título. Ela acentua que a folha mensal custa 1 bilhão e 700 milhões de reais.

R$ 22 BILHÕES – Multiplicando-se por 13 vamos chegar a um total em torno de 22 bilhões. Ocorre que o orçamento do Rio de Janeiro oscila em torno de 76 bilhões de reais para 2017. O percentual, portanto, da folha salarial é aproximadamente de 32%. Esta é a visão correta dos números, a partir da comparação da cifras absolutas e dos percentuais que representa. Por isso é que, quando se escreve sobre números, sempre torna-se indispensável cotejá-los com os percentuais que eles exprimem.

É muito comum ler-se matéria sobre o Produto Interno Bruto, por exemplo. Aponta-se seu crescimento mas não se considera também o resultado da comparação percentual entre o que era num ano e o que passou a ser depois do exercício seguinte, com o crescimento populacional.

Tem que se considerar também o aspecto inflacionário para o período no qual se faz a comparação. Além disso é necessário ter cuidado com certos enfoques capazes de não refletir a realidade financeira. É o caso por exemplo de se atribuir um peso na folha de pagamentos e computá-lo através de três ou quatro anos. Claro, neste caso, vai se encontrar uma despesa muito maior do que aquela incluída em cada parcela anual.

APOSENTADOS  NO RJ – Neste domingo reportagem de Alexa Salomão, Folha de São Paulo, destaca que as despesas com funcionários aposentados do Rio de Janeiro alcançou 52 bilhões de reais, quando há quatro anos atrás era de 44,8 bilhões.

Os números são capazes de assustar. Só que cobrem o período 2013 a 2017, espaço de quatro anos, sem correção monetária. Somadas as parcelas anuais chega-se a uma cifra bastante alta. Entretanto se somarmos os orçamentos também dos últimos quatro anos vamos encontrar um total muito superior ao do orçamento de 2017. Esta é uma realidade que precisa ser focalizada e traduzida de maneira clara, direta e objetiva.

O mesmo raciocínio pode ser aplicado às contas do INSS. O grande inimigo do equilíbrio entre receita e despesa encontra-se em duas frentes: o desemprego e a sonegação. Basta dizer que o INSS arrecada sobre as folhas de salários dos celetistas. Assim, Se o desemprego sobre, a receita desce.

4 thoughts on “Folha de pessoal não é a causa da falência do Estado do Rio de Janeiro

  1. Que vergonha hein PGR !!!

    A nova Prevaricadora Geral da República insiste em não cumprir seu dever constitucional !!!

    Cadê a 3ª denúncia contra Temer no caso da MP do porto de Santos, hein Raquel Dodge ?!?!?!

  2. Não creio que seja o funcionário “Barnabé” como se dizia antigamente – funcionário público com baixos salários e vida apertada e que ingressaram por concursos. Os funcionários assessores de politicos, nunca fizeram concursos e recebem altos salários e desfrutam de mordomias. Funcionário letra E era Barnabé, letra O era os marajás. Havia os letra Ó, como Maria Candelária que “caiu na letra Ó – são os que entram pela janela, hoje:
    “Maria Candelária
    É alta funcionária
    Saltou de pára-quedas
    E caiu na letra ó
    Ó, ó, ó, ó!

    Começa ao meio-dia
    Coitada da Maria
    Trabalha, trabalha
    Trabalha de fazer dó
    Ó, ó, ó, ó!

    À uma, vai ao dentista
    Às duas, vai ao café
    Às três, vai à modista
    Às quatro assina o ponto
    E da no pé
    Que grande vigarista que ela é!”

  3. Música de Haroldo Barbosa e Antônio Almeida, é uma sátira ao funcionalismo público.
    “Barnabé o funcionário
    Quadro extra numerário
    Ganha só o necessário
    Pro cigarro e pro café
    quando acaba o seu dinheiro
    sempre apela pro bicheiro
    pega o grupo do carneiro
    já desfaz do jacaré
    O dinheiro adiantado
    Todo mês é descontado
    vive sempre pendurado
    Não sai desse terere
    Todo mundo fala fala
    do salário do operário
    ninguém lembra o solitário
    funcionário barnabé
    ai ai ai barnabé
    ai ai ai funcionário
    ai ai ai barnabé
    Todo mundo anda de bonde
    só você anda a pé”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *