Força-tarefa começa a chegar na intimidade de Dilma Rousseff

Demitida por corrupção, Erenice continua mandando no governo

Carlos Newton

Sensacional a reportagem-denúncia de Claudio Dantas Sequeira, o grande repórter da revista IstoÉ, cujos principais trechos transcrevemos aqui na Tribuna da Internet este sábado. Já havíamos afirmado diversas vezes que as investigações logo chegariam mais diretamente à presidente Dilma Rousseff, assim que a força-tarefa entrasse na segunda fase da Operação Lava Jato e passasse a devassar o setor de geração de energia.

Há algumas semanas, no concorrido almoço de sábado no restaurante Paz & Amor, em Ipanema, que reúne intelectuais e boêmios, não se falava em outra coisa no grupo comandado pelo advogado Celso Serra, em frente à mesa do casal Ruy Castro e Heloisa Seixas. As informações eram de que a força-tarefa logo pegaria Valter Cardeal, o homem de Dilma Rousseff que concentra o poder na Eletrobras.

Chegamos a tocar no assunto algumas vezes, o próprio Celso Serra escreveu a respeito aqui no blog, e agora as informações se confirmam, segundo a matéria de Claudio Sequeira, mostrando que logo nas primeiras investigações já foi possível começar a desbaratar as quadrilhas (são várias, mas todas com um pé dentro do Planalto). Na área nuclear, por exemplo, o esquema foi formado em 2007, quando a então chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, formou um comitê (coordenado por ela) para conclusão das obras da usina nuclear de Angra 3, paralisadas nos anos 80. No comando da empreitada, o presidente da Eletronuclear, almirante Othon Pinheiro da Silva, que agora foi o primeiro a ser preso.

DENTRO DO PLANALTO

“Ao mergulhar no setor elétrico, a PF vai bater na porta do Palácio do Planalto. Não há um só projeto no setor elétrico que Dilma não tenha acompanhado de perto. Se como presidente do Conselho da Petrobras a presidente alega que não tinha informações completas sobre o que acontecia na estatal, dificilmente poderá dizer que desconhecia os rolos em Angra 3 ou na usina de Belo Monte, os dois maiores investimentos do governo em geração de energia. Em ambos os casos, os investigadores já têm indícios de envolvimento de gente de confiança da governante petista”, assinalou o jornalista da IstoÉ.

Como se sabe, a Odebrecht domina os investimentos da Marinha, enquanto o consórcio construtor de Belo Monte é liderado pela Andrade Gutierrez em parceria com Odebrecht, Camargo Correa, Queiroz Galvão e OAS, as mesmas do clube do bilhão, além de outras cinco menores.

E os participantes da fez vão aparecendo. A força-tarefa já chegou ao envolvimento da “consultora” Erenice Guerra, a melhor amiga de Dilma. A ex-ministra atuava com o advogado Joaquim Guilherme Pessoa e o empresário Marco Antonio Puig, ligado à empresa LWS, envolvida numa investigação de fraudes em contratos de informática nos Correios. E Puig operava com o diretor da Eletrobras Valter Cardeal, outro apadrinhado de Dilma.

FUNDOS DE PENSÃO E CARF

A PF sabe que integrantes do esquema atuavam também em fundos de pensão e acertos para a anulação de multas fiscais no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), que já é alvo de outra operação. Erenice, dizem os investigadores, também agia na comercialização de energia. Ela chegou a se associar informalmente ao ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau e ao lobista Alexandre Paes dos Santos, no Instituto de Desenvolvimento de Estudos e Projetos Econômicos.

Segundo um procurador da Lava Jato, o caso da usina de Belo Monte, orçada em R$ 30 bilhões,se relaciona diretamente com o de Angra 3, de acordo com a planilha do doleiro Alberto Youssef  e com a delação premiada do ex-presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, que citou como um dos beneficiários do esquema o diretor da Eletronorte Adhemar Palocci, irmão do ex-ministro Antonio Palocci e que já pediu licença do cargo.

Outro foco de irregularidades na área sob controle de Othon é o projeto do submarino nuclear, o Prosub. A Odebrecht foi escolhida pela Marinha para construir o estaleiro, mas não houve licitação. Esse negócio foi conduzido por outro militar, o coronel Oswaldo Oliva Neto, irmão do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. A investigação do MPF reúne indícios de que Oliva Neto possa ter atuado como operador de Mercadante, que ao assumir a pasta de Ciência e Tecnologia pressionou para a realização de uma nova licitação para Angra 3.

Bem, isso é apenas o começo da investigação sobre o setor elétrico, que tem ramificações dentro do Palácio do Planalto e abrange até a intimidade de Dilma Rousseff, porque em Brasília todos sabem da inabalável amizade que une a presidente e a ex-ministra Erenice Guerra, que hoje comanda a mais bem-sucedida consultoria do Distrito Federal (e onde se lê “consultoria”, por favor entenda-se como “tráfico de influência”).

7 thoughts on “Força-tarefa começa a chegar na intimidade de Dilma Rousseff

    • Nao meu amigo o mais corrupto conti ua sendo os tucaninhis dos limites da irresponsabilidade. É so voce ver as contas dos ladroes Paulos Robertos Costas que a midia esconde e foram abertas en 1997, junto com outras contas do Barusco, aquele que prometeu ao Moro que nao falaria do governo tucano, na/CPI da Petrobras, porque esta fazendo delacao premiada.

  1. Carlos Newton,

    obrigado por ter me nomeado “comandante” naquela mesa de amigos de elevado nível cultural e estudiosos dos problemas brasileiros; porém, sou obrigado a declinar do título, pois ali é uma reunião de CACIQUES, todos do mesmo valor e peso. Naquela mesa índio não senta.

  2. Porém, por mais estranho que possa parecer, ainda estão aliviando para o amigão do Lula, José Carlos Bumlai.
    ” Brasília – Apontado pelo ex-diretor da Paulo Roberto Costa como “contato muito próximo” de um lobista preso na Operação Lava Jato, o empresário José Carlos Bumlai foi sócio por um ano e cinco meses de uma fornecedora da petroleira e de empreiteiras acusadas de integrar o esquema de corrupção na estatal.
    No período, entre 2010 e 2011, a empresa de Bumlai faturou R$ 2,5 milhões só em vendas diretas à companhia petrolífera, por meio de contratos firmados com dispensa de licitação ou na modalidade de convite.
    Em depoimento prestado em regime de delação premiada nas investigações da Operação Lava Jato, o ex-diretor disse que Bumlai “era um contato muito próximo” do lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, apontado pela Polícia Federal como operador do PMDB dentro da petroleira. O lobista está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba e tem negado as acusações de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.
    Ao detalhar o esquema que favorecia partidos políticos, Costa afirmou à Justiça que o empresário “era muito ligado ao PT”. Bumlai tem como principal interlocutor no partido o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem é amigo. Durante o governo do petista, o empresário tinha livre trânsito no Palácio do Planalto, até mais do que ministros.
    A entrada de Bumlai, que tem forte atuação no ramo pecuário, como fornecedor da Petrobras se deu em fevereiro de 2010, quando ele adquiriu o controle da Immbrax, em sociedade com o Grupo Bertin.
    Com sede no Rio de Janeiro, a empresa importa peças, revendendo-as para grandes obras da estatal. Os maiores negócios, contudo, são com as empresas que têm contratos com a petroleira, conforme afirmou ao Estado o atual sócio da empresa, Washington Ferreira Gonçalves. A Immbrax, segundo ele, fez negócios com “todas essas (empresas) que estão no rolo”.
    Sobre os contratos com a petroleira firmados no período em que Bumlai estava na sociedade, Gonçalves garante que não houve interferência do ex-parceiro. “O Bumlai está santinho nisso aí.” Segundo Gonçalves, a parceria com Bumlai tinha propósito distinto: fornecer material para a construção de Belo Monte e outras usinas.
    Procurado, Bumlai disse, por meio da assessoria, que entrou na sociedade para fazer uma importação de material para uma de suas usinas, mas a operação não se concretizou, o que o levou a deixar a parceria.
    ( AE )

  3. Esses mandatários petistas são louvados como o melhor que o Brasil produziu em termos de honestidade e competência. Nenhum deles viu nada da roubalheira e da corrupção no seu entôrno. Será que entre os médicos do palácio não tem um oftalmologista?

  4. Sao terroristas esse bando de hienas, que agora saem detras do prelo para jogarem bombas. Só tem credibilidade na mente de revoltados.

    • Essa armação do PT começou faz tempo ! Lá com aquele videozinho idiota onde querem criar a imagem que o PT está sendo perseguido pela população, como os judeus foram pelos nazistas… Só não dizem que os judeus não saquearam os cofres da Alemanha e ser judeu não é uma opção, como ser defensor de ladrões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *